Fhop Blog

Sobre o autor

ELLEN D KARLA

Provavelmente você já deve ter ouvido muitas definições sobre o que é adoração. Portanto, dentre todas as definições de adoração, a pessoa de Jesus deve ser o foco daquilo que reunimos para fazer como igreja, ou de qualquer momento do nosso dia-a-dia. Nosso coração deve estar fascinado por Deus, pois se Jesus não for o alvo e o foco da nossa adoração, jamais estaremos O adorando. Dessa forma, quero falar aqui sobre o significado de adoração em espírito e em verdade, e essa vai muito além de uma boa canção no período de louvor.

Muito além de canções

Embora as canções que cantamos nos ensinem sobre quem Deus é, nos instigam a amar mais a Deus, ou nos confronta a vivermos uma vida de devoção, esse momento simplesmente não define o que a adoração em espírito e em verdade significa.

Adorar significa concordar com quem Deus é. Sendo assim, sempre que erguemos nossas mãos e declaramos: “Tu és exaltado, Tu és digno“, ou seja, todas as vezes em que concordamos com quem Ele é, existe uma fagulha de adoração nascendo em nosso meio.

Adoração é uma resposta

Adoração também é uma resposta a quem Deus é. Vemos em Apocalipse 4:8 que João tem um vislumbre do que acontece na sala do trono, e ali o Senhor é adorado. À medida em que Ele é contemplado, a resposta dos que estão ali é declarar quem Ele é e lançar as suas coroas diante dele:

 

⁸ E os quatro animais tinham, cada um de per si, seis asas, e ao redor, e por dentro, estavam cheios de olhos; e não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era, e que é, e que há de vir.
⁹ E, quando os animais davam glória, e honra, e ações de graças ao que estava assentado sobre o trono, ao que vive para todo o sempre,
¹⁰ Os vinte e quatro anciãos prostravam-se diante do que estava assentado sobre o trono, e adoravam o que vive para todo o sempre; e lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo:
¹¹ Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas.

Apocalipse 4:8-11

Logo, vemos nesse texto que adoração não tem nada a ver conosco. Na verdade, ela existe desde a eternidade passada e continuará existindo na eternidade futura. Adoração existe simplesmente porque o Senhor é digno de ser adorado. Ela começa nele e terminará nele.

 

A natureza da verdadeira adoração

Quando falamos em adoração em espírito e em verdade, o episódio que vem à mente é o de Jesus e a mulher samaritana à beira do poço. Esse é um dos diálogos mais conhecidos das escrituras.

Nessa conversa em João 4, Jesus traz muita clareza sobre o que Deus espera de nós como adoradores. Ele diz:

Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus.
Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. João 4:22,23

Havia um conflito entre judeus e samaritanos sobre o lugar onde a adoração deveria acontecer. Jesus traz um esclarecimento sobre isso dizendo: “vocês estão preocupados com o lugar, mas vocês adoram quem vocês não conhecem”. Portanto, adoração não envolve apenas boas intenções, a adoração pressupõe uma resposta adequada à revelação divina do vivo Deus.

Em definição pode-se dizer que na adoração em espírito e em verdade as nossas afeições devem ser empregadas juntamente com o intelecto e que o nosso homem interior deve servir com o corpo, alma, mente e espírito. Ou seja, não dá para adorar somente levantando as mãos e propagar um som com nossa vez sendo que nossa mente e intelecto está à mercê de outras coisas.

Desse modo, a natureza da adoração deve governar o modo como adoramos. Alguns estudiosos dizem que o objetivo da adoração determina a sua condição. Isto é, o Deus que fez o homem à sua imagem e semelhança, espera que o homem o adore em conformidade ao seu valor e caráter revelado nas escrituras.

Como Deus deseja ser adorado

Adorar em verdade

Talvez você não saiba disso, mas um dos aspectos da idolatria é adorar uma ideia de quem Deus é, sem que Ele seja isso. Ele revelou Seu caráter nas Escrituras, logo, ao nos achegarmos a Ele devemos adorá-lo conforme aquilo que Ele mesmo revelou de Si. Sendo assim, qual é o tipo de adoração que o Pai procura?

Um escritor chamado Vanhoozer diz que “o modo como adoramos molda o modo com nós cremos”. Ou seja, se a nossa adoração é vazia e superficial a nossa fé será vazia e superficial. Por isso, é muito importante a leitura da Palavra para que possamos conhecer ao Deus que estamos adorando. Dessa forma, não correremos o risco de formar em nossa mente uma imagem daquilo que desejamos que Ele seja.

Dessa forma, não posso adorar ao Senhor quando tudo me vai bem, porque assim eu vejo a bondade de Deus. Mas quando as circunstâncias não são boas, e eu creio que Ele continua sendo bom, porque Ele não muda.  Que possamos adorá-lo como uma árvore plantada junto a ribeiros de água, que produz bons frutos ou como uma casa firmada sobre a rocha.

Adorar em espírito

Quando adoramos em espírito, podemos adorá-lo em qualquer lugar. Ou seja, não estamos condicionados às quatro paredes, ou aos cultos de domingo. Nós temos o Espírito de Deus habitando em nós, então podemos adorá-lo na rua, no trabalho, na nossa casa, nas tarefas mais ordinárias e corriqueiras do dia-a-dia.

Não sei se você parou para pensar, mas o Criador de todas as coisas, que não tem falta de nada, e que não precisa da nossa adoração, procura por aqueles que O adorem em espírito e em verdade.

Além disso, Ele é um Pai que procura não por amigos, colegas ou sobrinhos, mas filhos que O adorem em espírito e em verdade. E quando nós o adoramos nós somos transformados e somos moldados à sua imagem e semelhança. À medida em que o conhecemos, o contemplamos, respondemos em adoração, e isso nos transforma, nos muda. Ou seja, a adoração não muda quem Deus é, ela muda quem eu sou.

Uma vida de adoração

Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus. 1 Coríntios 10:31

Uma vida de adoração é uma vida que faz tudo para a glória de Deus. Adoração tem a ver com as nossas escolhas, com nossas renúncias. Isso envolve pegar o pacote completo de quem somos e render àquele que é digno de todas as coisas.

Não existe uma vida dupla de adorador diante dos olhos de Deus. Ou seja, não sou um adorador apenas quando “entro na igreja”. Toda a minha existência deve ser rendida à Cristo, não apenas aos fins de semana, nos turnos. Quem O adora em espírito vive uma vida inteira para a glória do Senhor em todos os aspectos da sua realidade.

 

O louvor nos momentos de culto

Por outro lado, também devemos ter o zelo e o temor de nos lembrarmos diante de quem nós estamos enquanto adoramos. Por isso, é de suma importância ter entendimento sobre a natureza da adoração e saber que cantar é também uma atividade teológica, e é uma forma de adoração.

Muitos já devem ter ouvido que o momento de louvor é para nos preparar para o tempo da Palavra. Na verdade, o louvor já nos ensina através de canções cristocentricas e teologicamente corretas.

Contudo, o louvor nos leva a contemplar quem Deus é, e cantar é uma atividade teológica e um dos gestos mais vívidos da conexão entre a teologia e doxologia. Teologia é o estudo de Deus e doxologia significa “louvor”. Ambos caminham juntos, ou seja, não há verdadeira adoração sem teologia. Portanto, a teologia deve nos conduzir a uma resposta de louvor.

Dessa forma, quanto maior for o nosso conhecimento e nossa compreensão das verdades das Escrituras, mais elevada será a nossa resposta.

 

Qual será nossa resposta?

Nós fomos criados para expressar a infinita dignidade da glória de Deus. C.S. Lewis vai dizer “nós não seremos capazes de adorar a Deus nas ocasiões mais sublimes se não tivermos adquirido o hábito de adorá-lo nas coisas mais simples”.

Dessa forma, precisamos entender que não existem tarefas em que Deus se sente mais honrado e mais adorado que outras. O adoramos no lavar a louça, no servir ao próximo, no ser mão, ser filho. Nos dias mais escuros e frios ou nos mais iluminados e quentes. Em todas as tarefas o Senhor pode ser glorificado.

Ele é um Deus vivo que ama se relacionar conosco, por isso, devemos contemplá-lo e render a nossa vida e o nosso dia-a-dia a Ele. A adoração é uma resposta genuína de um coração que compreende quem Deus é e reconhece  Seu valor.

O Pai procura aqueles que o adoram em espírito e em verdade, que olham para Ele e são transformados à medida em que O adoram, qual será a nossa resposta diante disso?

Neste texto, iremos abordar a mensagem do profeta Isaías relacionada ao jejum que agrada a Deus. Isaías é um profeta conhecido por suas profecias sobre a vinda do Messias e é considerado o profeta das promessas. O livro de Isaías contém várias referências ao jejum. E assim, transmite a mensagem de que o jejum não deve ser apenas um ato ritual, mas sim uma expressão do compromisso pessoal de seguir a vontade de Deus e ajudar os outros.

Assim, Isaías, cujo nome significa “YAHWEH é salvação” ou “YAHWEH deu salvação”, era filho de Amós. Pouco se sabe sobre a vida pessoal de Isaías, mas no capítulo 6 do livro de Isaías, é registrado o seu chamado a profetizar por meio de uma visão do trono de Deus no templo. Logo, nessa visão, Isaías é purificado de seus pecados por um serafim enviado por Deus e é comissionado a levar a mensagem de Deus ao povo.

“Então um dos serafins voou até mim trazendo uma brasa viva, que havia tirado do altar com uma tenaz. 7 Com ela tocou a minha boca e disse: “Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a sua culpa será removida, e o seu pecado será perdoado”. 8 Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós? ” E eu respondi: “Eis-me aqui. Envia-me! ” Isaías 6:6-8

Foco das profecias de Isaías

Portanto, as profecias de Isaías estão principalmente focadas em Jerusalém e tratam de punição, juízo e redenção para os pecados de Israel, Judá e das nações vizinhas. Porém, ele também traz palavras de conforto e esperança do Senhor. Suas profecias estão relacionadas a eventos que ocorreram durante o reinado de Ezequias.

O livro de Isaías e o jejum

O livro de Isaías contém várias passagens que mencionam o jejum. E portanto, Isaías 58 é um capítulo específico que aborda o tema do jejum e faz uma crítica aos jejuns hipócritas praticados na época. Assim, o profeta questiona a motivação por trás desses jejuns, destacando que eles eram realizados apenas para impressionar os outros e obter vantagens pessoais.

O verdadeiro jejum que agrada a Deus

Sendo assim, Isaías enfatiza que o verdadeiro jejum deve envolver uma atitude de humildade e serviço aos outros. Ele declara que um jejum que agrada a Deus é aquele que envolve ações como compartilhar comida com os famintos, fornecer abrigo aos sem-teto e vestir os que estão nus. Portanto, o jejum não deve ser uma forma de autopunição, mas sim uma maneira de nos aproximarmos de Deus e ouvir Sua orientação.

Vale também ressaltar o valor espiritual do jejum. O autor Pink afirma que o jejum reflete nossa falta de merecimento, nosso senso de inutilidade das coisas terrenas e nosso desejo de direcionar nossa atenção para as coisas do alto.

“Quando o coração e a mente são profundamente exercitados com relação a um assunto sério, especialmente o de um tipo solene e pesaroso, há uma indisposição para alimentar-se, e a abstinência a partir daí é uma expressão natural da nossa falta de merecimento, do nosso senso de inutilidade comparativa das coisas terrenas, e do nosso desejo de fixar a nossa atenção nas coisas do alto”. (A.W. Pink)

A superficialidade do jejum hipócrita

Então, Isaías repreende o povo por seu jejum hipócrita, que não produz resultados verdadeiros. O povo busca a Deus apenas de forma externa, cumprindo rituais religiosos, mas seu coração está distante do Senhor. Eles buscam o favor de Deus através do jejum, mas continuam envolvidos em práticas injustas, explorando seus empregados e se envolvendo em discussões e brigas. Deus não aceita um jejum vazio de verdadeira devoção e amor ao próximo.

“Seu jejum termina em discussão e rixa, e em brigas de socos brutais. Vocês não podem jejuar como fazem hoje e esperar que a sua voz seja ouvida no alto”. Isaías 58:4

Logo, Isaías destaca que o jejum deve ser acompanhado por uma mudança de atitude e motivação. Afinal, não é apenas a abstinência de alimentos que agrada a Deus.

 

Como fazer um jejum que agrada a Deus

Diante disso, quero compartilhar alguns pontos práticos para fazer um jejum que agrada a Deus:

1. Jejue com propósito: jejuamos para nos colocar em fraqueza voluntária

O jejum é um dos métodos pedagógicos de Deus para doutrinar nosso corpo, mente e coração a escolher e buscar o que realmente importa, o que realmente é necessário. Então, esteja atento a cerca da motivação correta no jejum. O jejum centraliza a nossa santificação naquele que pode nos santificar. Além disso, o jejum alinha os nossos afetos e a nossa atenção, ou seja, enquanto a carne é enfraquecida o nosso homem interior é fortalecido e suprido com a verdadeira comida.

Então, antes de iniciar um jejum, reflita sobre qual é o seu propósito. Ore e peça a Deus que revele o que Ele quer que você alcance nesse tempo por meio do jejum

2. Jejue com humildade: jejuamos para romper com o orgulho e soberba do nosso coração

O jejum é uma forma de nos humilharmos diante do nosso Deus, reconhecendo que somos dependentes Dele em todas as áreas de nossas vidas. Assim, através do jejum, negamos a nós mesmos e buscamos a vontade de Deus acima das nossas próprias vontades.

Então, desenvolva devoção como uma expressão de nosso amor e busca constante de comunhão com nosso Deus em oração, meditação na palavra e louvor. Além do mais, ambos são uma forma de demonstrarmos nossa humildade e dependência de Deus em nossa jornada espiritual.

Lembre-se do que o Apóstolo Paulo nos incentiva em Romanos 12.1

Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se
ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Romanos 12:1

3. Jejue praticando a justiça e a misericórdia: Jejuamos para nos tornarmos cada vez mais parecidos com Jesus

O jejum é uma oportunidade para praticar a justiça e a misericórdia. Assim, ajude os necessitados, visite os enfermos, ore pelos desesperançados. Ou seja, faça algo concreto. Em devoção responda ao amor de Deus, que se manifesta em nossa vida diária, através de nossa obediência e serviço a Ele e ao próximo. Na verdade, viver uma vida de devoção a Deus é praticar a justiça e a misericórdia em todos os momentos.

Lembre-se do que Jesus nos ensinou em seu sermão do monte:

 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia. Mateus 5.6-7

4. Jejue buscando a comunhão com Deus: Jejuamos para estarmos sensíveis a sua voz e obedientes a sua vontade

O jejum é um convite para nos aproximarmos de Deus e ouvir Sua voz. Portanto, o propósito do jejum é buscar a Deus de forma mais profunda e intencional. Busque a comunhão com Ele por meio da oração, da leitura da Bíblia e da meditação.

5. Jejue se lembrando do alvo: Deus é o propósito primário do jejum

O jejum deve iniciar em Deus e ser guiado por Ele. Assim, mantenha seu foco no propósito do jejum e não desvie dele. Não permita que o jejum se torne uma mera prática religiosa, mas sim um ato de devoção a Deus e de serviço aos outros. Além de toda e qualquer recompensa que pode ser obtida através da prática do jejum, devemos faze-lo por amar mais a Ele, do que tudo que Ele pode nos dar.

6. Jejue para ser satisfeito Nele: Jejuamos para nos lembrarmos de que Ele é suficiente

O jejum é um grito dentro de cada um de nós, as coisas deste mundo não são capazes de nos satisfazer. “Fomos criados por Ti e para Ti. Traga-nos de volta mais uma vez a esse lugar”.

7. Jejue para cultivar a saudade: Jejuamos para cultivar a saudade pelo Noivo.

O jejum é, para nós cristãos, uma espécie de lamento e declaração de que as coisas não estão satisfatórias. Por mais que nossa vida esteja bem, por mais que sejamos prósperos, tenhamos boa saúde, família e riquezas, sabemos que nenhum dos prazeres dessa vida nos é suficiente, enquanto Jesus não estiver presente conosco.

Jesus foi questionado pelos discípulos de João Batista por que os Seus discípulos não
jejuavam.

“Então os discípulos de João vieram perguntar-lhe: Por
que nós e os fariseus jejuamos, mas os teus discípulos não? 15 Jesus respondeu: Como podem os convidados do noivo ficar de luto enquanto o noivo está com eles? Virão dias quando o noivo lhes será tirado; então jejuarão.” Mateus 9:14-15

A resposta de Jesus nos traz muita clareza sobre o jejum. A vinda de Jesus trouxe consigo um novo amanhecer. O Noivo estava no meio deles. Era tempo de festejar, não de jejuar. Jesus responde à necessidade de jejuar se referindo ao tempo em que Ele se ausentaria: “Então jejuarão”. A hora é agora!

 

Fome por Deus

Aqueles que anseiam andar em intimidade com Deus, devem ouvir esse convite de Jesus de jejuar, uma vez que o noivo não está presente. Além do mais, um dos propósitos do jejum é nos conectar com a fome que há no nosso coração por sua presença. E essa fome será saciada com o retorno do Noivo.

“A terra natal do jejum cristão é a saudade de Deus” – John Piper – Fome por Deus