Fhop Blog

Perdão em Filemom

Epístola a Filemom.

Filemom é uma carta que toca num assunto muito pertinente no desenvolvimento da vida cristã: o perdão. Perdoar ou, segundo o dicionário, remir alguém de alguma ofensa/dívida/pena é algo que faz parte na jornada daqueles que buscam ter o coração de Jesus. Embora muitas vezes esquecida em nossas bíblias, essa pequena porção das escrituras nos encoraja a enorme prática do perdão sem ao menos citar na palavra “perdão” em si.

 

Contexto histórico

Não existe muita contestação teológica relevante quanto ao contexto histórico da Epístola a Filemom. Tradicionalmente ela é aceita como uma carta escrita a próprio punho pelo apóstolo Paulo, enquanto estava preso, a Filemom, um cristão residente de Colossos. A carta foi enviada através de Tíquico, cooperador de Paulo, provavelmente junto com a Epístola aos Colossenses.

Filemom é a menor carta de Paulo com apenas 334 palavras no grego¹, sendo uma das quatro cartas destinadas a um indivíduo em específico (Tito, 1 e 2 Timóteo são as outras), mas diferente das demais ela também é direcionada a uma igreja local. Parece que Paulo queria muito que o assunto em específico tratado na carta e direcionado ao indivíduo Filemom chegasse também ao conhecimento da igreja que se reunia na casa dele.

A tradição histórica² por traz da carta conta a respeito de um escravo chamado Onésimo, que havia causado prejuízo ao seu senhor Filemom e fugiu, porém, se converteu com Paulo (Fm 9) ao cristianismo. Então, após a conversão de Onésimo, Paulo o envia de volta juntamente com Tíquico ao seu senhor em Colossos (Cl 4:7-9). Importante citar que havia cristãos de Colossos donos de escravos, e que, não seria incomum se a igreja colossense fosse composta também por senhores e seus respectivos escravos (Cl 3:22-4:1).

 

Desenvolvendo o conteúdo da carta

Nos três primeiros versículos de Filemom (Fm 1-3) Paulo introduz sua carta citando remetentes e destinatários, destacando nas palavras do próprio Paulo, o amado Filemom, nosso colaborador.

A carta segue com o apóstolo estimando ainda mais Filemom “lembrando-me, sempre, de ti nas minhas orações” (Fm 4), “tendo grande alegria e conforto no teu amor” (Fm 7) e no versículo 6 declarando uma oração apostólica pelo amado colaborador colossense:

 

“para que a comunhão da tua fé se torne eficiente no pleno conhecimento de todo bem que há em nós, para com Cristo.” – Filemom 6

 

Parafraseando no grego, Paulo intercedia e pedia a Deus para que a koinonia (comunhão, fraternidade, intimidade familiar) da pistis (fé genuína em Deus) se tornasse energes (ativa, eficiente, operante). Essa oração vai introduzir o pedido de Paulo em favor de Onésimo. Ele está dizendo que a verdadeira comunhão com os santos desprende uma atitude ativa e energética por nossa parte, motivada pela genuína fé no Deus vivo e no seu Filho.

Dito isso, Filemom 8-21 é conhecido como a intercessão em favor de Onésimo.³ Não apelando para qualquer autoridade apostólica (v. 8), mas baseada no amor (v. 9), Paulo declara a utilidade de Onésimo (v. 11; nome que significa “útil”) e o manda de volta a Filemom para ser recebido “não como escravo; antes, muito acima de escravo, como irmão caríssimo” (v. 16) indo ainda mais além em seu pedido: “Se, portanto, me consideras companheiro, recebe-o, como se fosse a mim mesmo” (v. 17).

Naquela época era de costume e permitido por Roma que se um escravo fugisse e fosse encontrado novamente pelo seu senhor, este poderia castigar e até mesmo tirar a vida do escravo fugitivo. Paulo então pede para que o senhor receba de volta o seu escravo que fugiu, mas agora como um irmão amado. Ele toca não apenas no sentimento, mas na prática do perdão: Receber em amor aquele que te causou prejuízo, te deve e te foi infiel, não exigindo nada dele.

 

Desenvolvendo o perdão

Jesus escolheu a sua igreja para que vivam como um só povo, com um só sentimento. Ele desejou que houvesse relacionamento fraterno por meio da fé entre o judeu e o gentio, entre o escravo e o senhor e na verdade entre todos do Corpo. Ele sabia que relacionamentos geram tensões e por isso ele nos deu o perdão, o perdão que procede de Deus.

Geralmente, pensando no poder da redenção, notamos apenas o perdão de Deus para com o homem. Mas a verdade é que na cruz foi liberado divino poder para perdoar o próximo. Não um perdão superficial, humano e meramente racional, mas um perdão de caráter redentivo, libertador, que expressa o coração e o amor ágape de Deus.

Quando perdoamos podemos pensar que estamos fazendo a outra pessoa livre quando na verdade nós é que estamos sendo livres da ofensa, da falta de comunhão e do orgulho. Jesus nos ensina a orar ao Pai: perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores (Mt 6:12).

O amor entre os irmãos revela o perdão de Deus. Sabendo disso, o apóstolo Pedro apela para o amor sincero entre os irmãos: porque o amor cobre (perdoa) multidão de pecados (1Pe 4:8).

 

70 x 7

Esse Pedro, anos mais cedo pergunta a Jesus sobre quantas vezes deveria perdoar o seu irmão (Mt 18:21-22): “Que tal sete vezes, Jesus? Sete é um bom número, expressa a perfeição de Deus.” Então Jesus vem com uma matemática maluca: “70 vezes 7”. O engraçado é que Jesus não estava limitando o poder do perdão a 490 vezes. Ele estava indo além, elevando o padrão a um estilo de perdoar além do que é possível humanamente. A parábola que Jesus conta a seguir (Mt 18:22-35) vai revelar o princípio de perdoar não como o de cancelar uma dívida por cancelar, mas o de ser uma expressão do caráter do coração perdoador e misericordioso de Deus. É exatamente por isso que em Deus é possível perdoar toda e qualquer ofensa e mágoa. Ele é o grande Deus misericordioso.

Perdoar o próximo muita das vezes não é um processo instantâneo em nossas vidas e se desenvolve na medida que somos curados e amadurecidos em amor. Sabemos que existem ofensas e mágoas de pessoas que nos machucaram que são como feridas muito profundas em nossas almas, às vezes parecem danos imperdoáveis. As dores presas na memória ofuscam o caráter amoroso e misericordioso de Deus. Podemos inclusive saber o que é o perdão em teoria na nossa mente e ainda assim estarmos presos a ofensas passadas como escravos das nossas próprias dores. Diante disso, Deus vê o nosso coração e procura nos regar com amor e restauração em nossa alma. Ele deseja que amadureçamos em amor para que se preciso for perdoemos todos os dias a mesma pessoa pela mesma ofensa (a prática do 70 vezes 7). O perdão diário é algo que expressamos a partir de comunhão com o coração de Deus. Ele é a fonte.

Por outro lado, não podemos relacionar o perdão a uma atitude passiva e displicente em relação ao dano causado pelo próximo. Apesar do retorno de Onésimo proposto por Paulo, ainda havia um prejuízo a ser ressarcido a Filemom que o próprio Paulo estava ciente e se dispôs a quitar (Fm 18-19). Do mesmo modo o Deus que perdoa pecadores (1Jo 1:9) odeia o pecado (Hb 1:9). O próprio Deus teve que pagar o dano causado pelo pecado. A nossa dívida não foi cancelada como alguém que simplesmente se esquece e “finge” nunca ter existido iniquidade. Houve trabalho e sacrifício por parte do Deus vivo para que diante do próprio Deus fossemos aceitos e declarados inculpáveis. Esse é o escândalo do evangelho: Deus salvando sua criatura rebelde de um justo juízo através de uma justiça baseada em sacrificar a si mesmo, pagar a dívida do pecado e estender misericórdia ao homem.

 

“Se observares, SENHOR, iniquidades, quem, Senhor, subsistirá? Contigo, porém, está o perdão, para que te temam.” – Salmo 130:3-4

 

O perdão é a expressão de caráter do coração de um Deus que nos perdoou e pagou por nossos pecados. É a atitude de um coração puro operando em sabedoria e muito mais do que fingir nunca existir uma dívida. Repare que quanto a escravidão, comum na época de Filemom, Paulo não parece ser um abolicionista, mas ainda assim ele defende a presença de amor e perdão entre senhor e escravo. O seu pedido principal era que Filemom abertamente manifestasse o Deus que não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades (Sl 103:10).

Que o Pai nos dê a graça de manifestar os atributos do Deus que nos criou a sua imagem e nos comprou para sermos a imagem do Seu Filho.

 


 

Referências:

¹ – doutorteologia.blogspot.com.br/2008/11/carta-filemon.html

² – estiloadoracao.com/epistola-de-paulo-filemom/

³ – pt.wikipedia.org/wiki/Ep%C3%ADstola_a_Fil%C3%A9mon

Sobre o autor

Mauricio Barbosa

Este post tem um comentário

  1. Barreto

    Um dos melhores artigos já lidos por mim a respeito de filemon. Parabéns;

Deixe um comentário

Sobre nós

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Publicações mais acessadas

Categorias

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Este post tem um comentário

  1. Barreto

    Um dos melhores artigos já lidos por mim a respeito de filemon. Parabéns;

Deixe um comentário

×
×

Carrinho

ONETHING 2022

16-18 DE JUNHO . CURITIBA

10x de

R$12,00

Total de: R$ 120,00

 

 

QUANTIDADE

Informações do Ingresso

  • |