O escândalo da humanidade de Jesus permanece sendo algo a ser lembrado sempre que nos aproximamos da celebração do seu nascimento. Mas, afinal de contas, por que Jesus veio ao mundo?

Se Jesus fosse apenas mais um profeta, mais um mestre, realmente não teria sido necessário que viesse ao mundo. Além disso, as coisas que Ele declarou seriam consideradas loucura se Ele não fosse realmente o Filho de Deus. Porém, Jesus é um homem judeu, mas também é o Filho de Deus e isso implica algumas verdades sobre a sua missão no tempo em que Ele habitou entre nós.

A lista de motivos para Jesus ter vindo ao mundo pode ser muito extensaafinal, esse é o assunto de toda a Bíblia. À medida que nos aproximamos do Natal, vamos relembrar alguns dos principais objetivos para a encarnação de Jesus na terra.

 

Ele veio para cumprir a promessa

“E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gênesis 3:15)

Em Gênesis, muito antes de sua encarnação, o homem se rebela contra Deus em pecado. Diante da queda da humanidade, Deus transforma a maldição em bênção; Ele promete que da mulher pecadora viria uma semente ou, em algumas traduções, o descendente, que pisaria na cabeça da serpente. Essa promessa é reafirmada por Deus em várias passagens bíblicas. Ao morrer na cruz e ressuscitar, Jesus cumpre a promessa, anunciando a derrota definitiva da morte.

Ele veio para servir os propósitos do Senhor

“Eu, o Senhor, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios. Para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas”. (Isaías 42:6-7)

Jesus realizou muitos sinais e maravilhas no meio do seu povo. Era importante que Ele fizesse isso para mostrar que Ele era o Messias prometido por quem os judeus aguardavam e para mostrar que era o Filho de Deus.

 

Ele veio para ser o sacrifício definitivo

“E assim todo o sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar os pecados; Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus.” (Hebreus 10:11-12)

A humanidade tentou em vão se achegar a Deus por meio de sacrifícios, ofertas e do seu próprio esforço. A sua natureza pecaminosa a impedia de ter um relacionamento próximo de um Deus completamente santo. Por isso, apenas um homem sem pecado com uma natureza divina poderia ser o sacrifício perfeito para romper o véu que separava o homem de Deus. Como João Batista reconheceu, Jesus é o Cordeiro de Deus que tomou sobre si o pecado de todo o mundo. 

 

Ele veio para sermos seus imitadores

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus (…) achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.” (Filipenses 2:5,8)

Saber que Jesus viveu a sua humanidade, nos consola e nos dá esperança. Assim como nós, Ele trabalhou, comeu, bebeu, se alegrou, chorou e sofreu. Nos evangelhos, podemos ler sobre o Seu relacionamento com o Pai e a Sua obediência à vontade de Deus. Com a sua vida na Terra, Ele mostrou que é possível também seguirmos pelo mesmo caminho de relacionamento e obediência. Não há nada que possamos passar na terra que Jesus já não tenha passado. Por isso e pela graça de Deus, podemos trilhar o caminho do discipulado, porque sabemos que antes foi trilhado por Jesus de Nazaré.

Ele veio para nos incluir na família

“Rogo também por aqueles que creram em mim, por meio da mensagem deles, para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti.” (João 17:20)

O amor de Deus é transbordante e se manifestou ao entregar seu próprio Filho para morrer em nosso lugar. Ele deseja adotar uma grande família para si. Assim, não somos mais chamados apenas servos, mas também filhos. Através do Espírito Santo, podemos ser um com o Pai, nos relacionarmos com Ele, conhecer Seu coração e a Sua vontade, assim como Jesus.

Ele veio para anunciar o evangelho do Reino

“Daí em diante Jesus começou a pregar: ‘Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo’. (Mateus 4:17)

Desde o início do seu ministério, Jesus tinha uma única mensagem: a boa notícia do Reino de Deus. Ele não era somente o Messias prometido, como também o Rei prometido. Porém, esse reino não se daria exatamente da forma que pensavam. O seu Reino não é deste mundo, mas está por vir. Ele deixou uma mensagem clara sobre o seu Reino de paz, justiça e alegria. Cabe a nós crermos, nos arrependermos e anunciarmos essa boa notícia.

Neste Natal, ao meditarmos sobre o nascimento de Jesus, que possamos ter em mente essas verdades. Nada do que Ele fez foi por acaso ou sem propósito, Deus enviou Seu Filho no momento certo e nas circunstâncias ideias para que Seu plano se cumprisse.

Marina Cases

Natural de Brasília, Marina serve a FHOP como missionária em tempo integral há um pouco mais de 1 ano. É tradutora por formação e ama estudar teologia, literatura e outros idiomas. Foi atraída ao lugar de intercessão e, desde então, vive para colaborar com o que Deus deseja fazer nas nações.

Deixe uma resposta