“Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.” Mateus 5:13-14

Nós, cristãos, somos a luz do mundo. Sim, eu e você, através do nosso testemunho, brilhamos a luz de Cristo nesse mundo que, subentendemos, está coberto de densas trevas. Após esse versículo citado acima, Jesus disse: “Eu Sou a luz do mundo”(João 8:12) e por derivação, nós também somos.

É interessante perceber que Jesus está chamando a atenção de pessoas simples que o estão ouvindo nesse Sermão. Assim como uma luz de uma casa da época de Jesus, sem todas as centenas de watts de energia elétrica como temos hoje, consegue tornar as trevas das noites escuras mais suportáveis, assim também o cristão deve deixar sua luz brilhar diante dos homens e reduzir as trevas ao seu redor.

Mas, que luz é essa? Como podemos iluminar um mundo em trevas? Jesus responde ao dizer: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem ao vosso Pai, que está nos céus” Mateus 5:16. Ou seja, as nossas obras são as nossas ações. Como seguidores de Jesus, realizaremos essas obras a fim de glorificarmos a Deus, com o nosso modo de viver. Hoje talvez, não vemos tantos exemplos bons de cristãos praticando o bom testemunho, mas precisamos recuperar essa prática. Por isso, como cristãos professos, devemos nos preocupar menos com nossa reputação pessoal e dar mais atenção aquilo que importa para o reino de Deus. E, como faremos isso?

Somos Luz do Mundo Por Meio das Bem-Aventuranças

Jesus nos deixou oito “bem-aventuranças” como diretrizes para termos aprovação de Deus. Essas “bem-aventuranças” são bênçãos de Deus e quando Deus nos abençoa Ele está nos aprovando. Vamos analisar rapidamente essas diretrizes.

1ª – “Bem aventurados os pobres em espírito, pois deles é o reino do céu.” Mateus 5.3

Como ser pobre de espírito? Leia o que diz em Isaías 66:2: “Para esse homem olharei, a saber, ao humilde e contrito de espírito e que treme diante da minha palavra”. É sobre nosso arrependimento mais profundo em reconhecer nossa própria indignidade diante de Deus. É quando chegamos diante de Deus e nos esvaziamos de nosso senso de justiça própria, autoestima moral e vanglória pessoal e nos submetemos em devoção sincera esperando que Ele nos encha e nos cubra com sua graça e misericórdia.

2ª – “Bem aventurados os que choram, pois serão consolados”. Mateus 5.4

Aqui podemos entender como um complemento emocional da pobreza de espírito. Esse choro é um pesar que devemos sentir por reconhecer quão deplorável é o nosso pecado. À medida que conhecemos mais a Deus, mais sobre sua santidade e pureza, quanto mais somos expostos a sua luz, mais reconheceremos nossa sujeira. Como Paulo disse: “Miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” Romanos 7:24.

É essa consciência da realidade que o rodeia, chorar pelos pecados e pelas blasfêmias de nossa nação por exemplo, pelo ceticismo, pela avareza e pela falta de integridade. Mas há consolo, assim aprendem a confiar no sacrifício de Jesus e aprender a descobrir a alegria de ser respondido por meio de suas orações.

3ª – “Bem aventurados os mansos, porque herdarão a terra”. Mateus 5.5

Se a pobreza de espírito diz respeito a sua opinião de si mesmo, a mansidão diz respeito a seu relacionamento com Deus e com os outros. É querer conscientemente colocar o interesse dos outros na frente dos nossos. Em um mundo materialista que diz o contrário disso, pensar nisso é quase contraditório. Mas, se você já é pobre de espírito e logo não tem uma opinião muito elevada sobre si, ser manso já é um caminho acessível. Só alguém manso se sente satisfeito. Seu ego não é vaidoso a ponto de achar que sempre tem que ter mais, pois ele já se vê possuindo tudo (2 Coríntios 6:10).

4º – “Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos”. Mateus 5.6

Esse indivíduo não pode sobreviver sem justiça. É como a fome e a sede, ou seja, é tão essencial quanto comer e beber. Talvez, nós nunca sentimos fome e sede profundamente para compreendermos isso. Mas, aqui ele está falando de alguém que tem fome e sede por viver conforme a vontade de Deus. Esse alguém não está distraído com futilidades ou à deriva. Todo o seu ser ecoa. Seu prazer é a Palavra de Deus, pois onde mais encontraria claramente a vontade expressa de Deus?

5º – “Bem aventurados os misericordiosos, pois a eles se mostrará misericórdia.” Mateus 5.7

A pessoa que reconhece o próprio desamparo e desgraça é grata por toda misericórdia que a alcança e consequentemente, aprende a ser misericordiosa com os outros. Reconhecendo sua falência espiritual que encontra satisfação em Deus e sua justiça e assim o resultado é plena misericórdia para com o próximo.

6º – “Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus”. Mateus 5.8

Quando houver novo céu e nova terra, em um reino só de justiça e Jesus se manifestar, nós seremos como Ele. O cristão que tem essa esperança se purifica, assim como Ele (Cristo) é puro (I Jo 3:3). Seu esforço presente corresponde com sua esperança futura. O discípulo de Jesus que anseia pela consumação do reino em perfeição já está decidido a se preparar para ele agora. “Quem subirá ao monte santo do Senhor? Aquele de mãos limpas e coração puro, que não entrega a alma a vaidades, nem jura enganosamente”. (Salmos 24:3-4)

7ª – “Bem aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus”. Mateus 5.9

Jesus é o príncipe da Paz e o maior pacificador. Ele traz paz entre Deus e os homens. Nós, como seus discípulos, temos que ser aqueles que não só propagam o evangelho, mas que acalmam tensões, buscam soluções e garantem que a comunicação seja eficiente. Em algum debate acalorado, devemos ter atitudes calmas, escutar cada ponto de vista com respeito, equidade e educação. Essa deve ser a conduta de um discípulo pacificador.

8ª – “Bem aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o reino do céu”. Mateus 5.10

Essa bem aventurança é como um teste para as outras, pois se não enfrentarmos algum tipo de perseguição, podemos perguntar onde se mostra a justiça na nossa vida. Se não há justiça, não há conformidade com a vontade de Deus. Em II Timóteo 3:12 diz: “Na verdade, todos os que querem viver uma vida piedosa em Cristo Jesus serão perseguidos”.

As Bem Aventuranças Expressam a Luz de Cristo

Como resultado, ao sermos luz por meio das diretrizes dadas por Jesus, glorificamos ao nosso Pai, dando glória ao seu nome e anunciamos o testemunho do seu reino. Não escondendo a verdade de quem somos e a verdade que conhecemos. Mas, devemos ser cristãos genuínos, viver abertamente e dar testemunho por meio das bem aventuranças, sem nos envergonharmos de Cristo. As nossas boas obras é fazermos tudo aquilo que faz brotar a glória e a sabedoria de Deus no mundo, por meio da nossa totalidade de vida. Assim, as pessoas reconhecerão por meio de nossas obras que é pela graça de Deus que somos assim.

Por fim, temos que ter em mente que a jornada cristã não é sobre nós e a nossa virtude não é para nós. Por isso, ao praticarmos essas bem aventuranças estaremos trazendo faíscas de luz que sinalizarão para a verdadeira Luz que é Jesus. A luz que brilha no cristão não é para chamar atenção para si, mas para que, através de um caráter amoroso e generoso, onde o seu eu não está no centro, Deus e o seu reino sejam o centro desse foco de luz. É para isso que brilharemos em meio às trevas, para apontar para a verdadeira Luz do Mundo: Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador.

E verão a sua face, e na testa deles estará o seu nome. Não haverá mais noite, e não precisarão de luz de lâmpada nem da luz do sol, porque o Senhor Deus os iluminará; e eles  reinarão para todo o sempre”. Apocalipse 22: 4-5.

 

Angela Tartas

Angela Tartas é uma escritora apaixonada pelas escrituras. Dessa paixão, surgiu a vontade de dedicar parte do seu tempo ao estudo da Palavra. Ela foi aluna da nossa escola de teologia e ministério (ETM) e continua sua busca por mais conhecimento sobre o Eterno. Formada em contabilidade, Angela serve como missionária, onde atua no departamento financeiro da fhop.

Deixe uma resposta