A arte como expressão de adoração

Você algum dia escutou uma música e ficou maravilhado diante da beleza e profundidade daquela canção? Já ficou admirado diante de uma bela obra de arte, ou se emocionou durante uma leitura que tocou seu coração? Já ficou inspirado por uma trilha sonora de um filme? Se você respondeu “sim” para alguma dessas perguntas certamente você foi alcançado pelo poder que a arte tem de alcançar o coração e a alma do ser humano. Nós somos atraídos pela beleza, existe esse anseio dentro de nós pois toda beleza aponta para o Criador. 

“… Tuas obras são maravilhosas, tenho plena certeza disso”. (Sl. 139:14b) 

Quando Deus criou todas as coisas, Ele observou o seu resultado e viu que era bom. Você conhece alguma obra de arte tão maravilhosa quanto a própria criação? Então, Deus não fez um mundo meramente funcional, Ele desenhou e pintou algo belo que pudesse ser apreciado. Portanto, o mundo é colorido, ornamentado, provido de ordem e sentido; uma obra de arte que o Artista supremo fez para sua própria glória. Isso deve nos fazer refletir sobre a própria importância da arte que pode (e deve) ser utilizada para apontar para quem Deus é, trazendo glória a Ele. 

Francis Shaeffer em sua obra A arte e a Bíblia afirma o seguinte: 

“Como cristãos evangélicos tendemos a dar pouca importância à arte. Consideramos os outros aspectos da vida humana mais importantes. Apesar do nosso discurso constante sobre o senhorio de Cristo, limitamos sua atuação a uma pequena área da realidade. Não entendemos o conceito do senhorio de Cristo sobre a totalidade do ser humano e sobre todo o universo e não nos apropriamos das riquezas que a Bíblia oferece para nós mesmos, nossa vida e nossa cultura” (SHAEFFER, F., 2010, p. 16) 

A arte na Bíblia 

Podemos dizer que a própria Bíblia em si já é uma obra de arte. É um livro notável, rico em linguagem poética, vemos que a poesia ocupa pelo menos 30% da Bíblia. Então, além de ser uma obra de arte, este livro está repleto de menções a variados tipos de arte, dentre eles, poesia, música, dança e artes visuais. 

Francis Shaeffer também chama a atenção para o fato de que as artes visuais desempenharam um grande papel na construção do Tabernáculo (Êxodo 31:1-11) e sobre isso ele diz assim: 

“No Monte Sinai, Deus deu os Dez Mandamentos a Moisés e simultaneamente ordenou a Moisés que construisse o Tabernáculo utilizando quase toda forma de arte figurativa conhecida pelos homens (SHAEFFER, F., 2010, p. 21)

Nesse episódio fascinante da construção do Tabernáculo, Deus dá instruções detalhadas de como tudo deveria ser feito, os artistas que Ele capacitou para isso, dentre eles a Bíblia cita Bezalel (Êxodo 31:1-6), tiveram que colocar a “mão na massa” para esculpir, moldar, costurar, pintar, lavrar pedras, entalhar madeira e trabalhar em toda atividade artística. 

Todavia, algumas peças produzidas por esses homens não possuíam utilidade alguma, ou “razão pragmática” para estar ali, eram ornamentos. Algo interessante que Shaeffer também observou é que houve uma liberdade criativa nas representações que foram feitas de elementos da natureza: 

“Em toda a orla da sobrepeliz, farás romãs de estofo azul, e púrpura e carmesim; e campainhas de ouro no meio delas”. (Êxodo 28:33) 

Na natureza as romãs são vermelhas; mas essas deveriam ser azul, púrpura e carmesim. O azul, não é a cor natural de uma romã. Podemos ver aqui uma certa liberdade para se fazer algo a partir da natureza, que seja distinto dela. 

Além disso, a música também é mencionada frequentemente na Bíblia. Ao lermos os Salmos, veremos o tempo todo ordenanças para que o povo cante ao Senhor, mesmo na Sala do Trono, uma canção é entoada a Ele dia e noite (Apocalipse 5). Há também a música instrumental na Bíblia, há referências a momentos de interlúdio, e quais instrumentos eram utilizados, como por exemplo, harpa, lira, flauta, dentre outros instrumentos de percussão. 

Como adoramos a Deus através da arte? 

Primeiramente, precisamos nos lembrar que adoração é algo que envolve todo cotidiano daquele que é uma nova criatura. Então, adorar é reconhecer quem Deus é, submeter-se a Ele e encontrar prazer nele glorificando-o. Adoração é uma resposta ao entendimento de quem Ele é. 

Uma vez que o senhorio de Cristo envolve toda a cultura e a área da criatividade, para o cristão regenerado e vivendo sob a liderança do Espírito Santo, o senhorio de Cristo também inclui o interesse pela arte usando-a para glorificar a Deus. 

Assim, quando usamos nossa criatividade para criar algo belo, verdadeiro e bom (segundo os padrões de beleza, verdade e bondade bíblicos), estamos criando algo que aponta para a beleza do Criador, algo que o glorifica. Com vidas submissas a Ele,e tendo em mente as palavras de Paulo “…quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus” (I Co 10:31) que possamos ser inspirados a produzir uma arte (qualquer que ela seja) que possa glorificar ao Senhor, e que aponte para as verdades belas e eternas de quem Ele é. 

Para saber mais sobre o assunto: 

A arte e a bíblia – Francis Shaeffer

O coração do artista – Rory Noland 

A arte não precisa de justificativa – Hans Rookmaaker

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário