Neste mês especial em que comemoramos o dia das mulheres, temos sido inspiradas por personalidades que marcaram a história do cristianismo. Com Susanna Wesley aprendemos mais sobre oração, Edith Schaeffer foi um exemplo de hospitalidade sem igual enquanto Catarina de Bora nos ensinou como ser diligente em todas as nossas funções. Há muito o que aprendermos com elas, e hoje quero relembrar a história de Corrie Ten Boom.

Me lembro de ter lido muitas biografias cristãs em minha adolescência. Esses testemunhos marcaram profundamente meu coração e de certa forma influenciaram algumas escolhas em minha vida.  Acredito que este é um dos motivos de eu ter me tornado missionária. Uma dessas histórias é o de Corrie e está registrada no livro: O Refúgio Secreto. Então, quero te convidar a entrar neste túnel do tempo e se transportar comigo para Holanda e Alemanha, lugares onde essa história aconteceu.

 

 Corrie Ten Boom  – contexto familiar

“Se eu acabar na prisão, eu não vou sobreviver, pois sou velho. Mas, será uma honra para mim morrer pelo povo escolhido por Deus.” Casper ten Boom

Cornelia Arnolda Johanna ten Boom, nasceu dia 15 de abril de 1892, em Amsterdã – na Holanda. Ela era de uma família cristã calvinista, a caçula de quatro irmãos. Com apenas cinco anos, Corrie pediu que Jesus entrasse em seu coração.

Ela foi a primeira mulher relojoeira licenciada na Holanda, estava à frente de seu tempo. Aprendeu o ofício com seu pai que era dono de uma relojoaria, mas essa não foi a única coisa que aprendeu com ele. Também aprendeu sobre fé inabalável, sobre generosidade e a servir ao próximo, especialmente ao povo de Deus, os judeus perseguidos pelos nazistas. Seu pai, Casper ten Boom,  dizia que a vida era bonita e quando preso com sua família, afirmou ao policial da Gestapo que se fosse deixado para trás ele abriria a porta para qualquer pessoa que lhe pedisse abrigo.

O exemplo desta família de Deus nos faz pensar em nosso papel como cristãos. Eles foram dedicados a Jesus, serviram a sociedade em que viviam, ofereceram abrigo, alimento e dinheiro para refugiados e perseguidos. Corrie foi presa junto com mais cinco membros de sua família, eles foram enviados para campos de concentração na Holanda e posteriormente para Alemanha.

 

O que podemos aprender com Corrie?

A vida dessa mulher é inspiradora. Encorajo a leitura do livro Refúgio Secreto e a assistir ao seu filme com o mesmo nome. Se preferir, poderá ver a entrevista dela, dada a Kathryn Kuhlman – Eu Acredito em Milagres. Enfim, faça sua própria pesquisa e seja edificado pelo testemunho dessa irmã tão preciosa.

Muitos aspectos da vida de Corrie impactam meu coração. Sem dúvida, fico emocionada ao relembrar seus dias em um campo de concentração. Houve momentos em que seu coração se tornou enfraquecido diante de tão terrível luta. Mas, Deus a fortaleceu e até hoje ela é um testemunho de seu amor. Diante das inúmeras lições que sua vida pode nos ensinar, quero destacar alguns aspectos aprendidos através de sua fé.

 

 Amando corajosamente

Corrie e sua família se arriscaram ao esconderem aqueles refugiados em sua própria casa. Eles sabiam o que lhes podia acontecer. O evangelho a que eles seguiam não era teórico, mas prático. Isto significa que eles foram resposta para um período específico da história e para pessoas que possuem um nome e um rosto. Até que ponto eu e você estaríamos dispostas a fazer a mesma coisa ao custo da própria liberdade?

Porém, o mais importante foi a motivação de seu coração em ser uma casa para refugiados e perseguidos. Ela e sua família agiram com coragem e ousadia porque amavam a Jesus profundamente e tinham como honra perder sua vida em favor deste amor.

 

Perseverança no sofrimento

Corrie e sua irmã Betsie se mantiveram firmes no sofrimento enquanto estavam presas nos campos de concentração. Elas entenderam que havia um propósito, mesmo que fosse difícil compreendê-lo. Além disso, tinham os olhos na eternidade. Conseguiram manter uma bíblia escondida e pregavam para as outras detentas. Elas sabiam que o sofrimento e dor no qual estavam sendo submetidas não anulava o amor de Deus por elas. 

 

Perdoando os seus devedores

Corrie sentiu ódio quando estava naquela prisão. Não havia o que  fazer contra os maus tratos dos oficiais nazistas. Ela não podia proteger a si, nem a sua irmã e nem mesmo as outras prisioneiras.

Ela orou para que o Senhor tirasse o ódio de seu coração e, no lugar, colocasse amor. Deus a livrou daquela prisão e ela pôde pregar em mais de 60 países. Um dia, quando ela estava na Alemanha, um antigo oficial se aproximou. Ele lhe disse que tinha encontrado a Jesus e pedido perdão pelos seus pecados e pelas atrocidades cometidas. E ele  sabia que Jesus o tinha perdoado, mas ele também queria o perdão de Corrie.

Inicialmente ela sentiu ódio em seu coração, não queria perdoá-lo, mas sabia que aqueles que não perdoassem os seus adversários também não seriam perdoados. Corrie foi tomada pelo amor de Deus e teve graça para perdoar ao homem que tinha feito tanto mal.

 

 Conclusão – Que nada nos abale

Betsie teve um sonho da parte de Deus e contou a Corrie que elas seriam libertas antes do fim do ano. E realmente, elas obtiveram a liberdade e aquele sonho se realizou. Betsie foi liberta para a Eternidade enquanto Corrie, saiu viva da prisão e cumpriu sua missão na terra.

Um campo de concentração é um verdadeiro inferno.  Mas Corrie e Betsie compreenderam que mesmo ali, Deus está! Sua graça e amor alcançam os perdidos.

 Há uma frase célebre dita por Betse que Corrie faz questão de sempre contar: “Não há abismo tão profundo que o amor de Deus não seja ainda mais profundo”. A história de Corrie Tem Boom é marcada por uma fé generosa.

Quando olhamos para vida dessas mulheres heroicas, não é para nos compararmos ou sentirmos inadequadas diante de quem elas foram. E, sim, para nos sentirmos inspiradas e desafiadas através de suas histórias. De muitas formas elas eram como nós, mas foram totalmente dependentes do Senhor. Permaneceram com os olhos na Eternidade, mesmo tendo os pés na terra.

Assim como elas, também temos a vitória em Cristo Jesus e a morte foi tragada pela vida.

Contudo, irmãos, eu vos afirmo que carne e sangue não podem herdar o Reino de Deus, nem o que é perecível pode herdar o imperecível. Eis que eu vos declaro um mistério: nem todos adormeceremos, mas certamente, todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Porquanto a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados. Pois é impreterível que este corpo que perece se revista de incorruptibilidade, e o que é mortal, se revista de imortalidade.

No momento em que este corpo perecível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, for revestido de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: “Devorada, pois, foi a morte pela vitória!” “Onde está, ó Morte, a tua vitória? Onde está, ó Morte, o teu aguilhão?” Porquanto, o aguilhão da Morte é o pecado, e o poder do pecado é a Lei. Contudo, graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo!”

Portanto, meus amados irmãos, permanecei firmes e que absolutamente nada vos abale. Dedicai-vos, dia após dia, à obra do Senhor, plenamente conscientes de que no Senhor, todo o vosso trabalho jamais será improdutivo. 1 Coríntios 15.50-58

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Deixe uma resposta