Fhop Blog

Sobre o autor

Equipe fhop

Olhando para trás, quantos são os motivos de gratidão em nosso meio! Somos gratos porque, sem a menor sombra de dúvidas, até aqui nos ajudou o Senhor. Ele, de maneira soberana e admirável, guiou cada um dos nossos passos.

Somos gratos porque Ele não nos entregou aos nossos próprios desejos, ou seguiu os planos que para nós seriam os mais lógicos, adequados ou coerentes. Constantemente, Ele nos surpreendeu.

Somos gratos porque, nos momentos de dificuldade e durante as difíceis transições que enfrentamos, Ele não atendeu o nosso anseio de parar, mas nos visitou com sua infinita misericórdia trazendo sempre um novo ânimo e graça para cada estação.

Somos gratos por cada coração que Ele despertou para esse ministério. O ‘Sim’ de cada missionário intercessor que chegou à base apenas com um anseio de responder ao chamado do Senhor tem sido instrumentos valiosos nas mãos Dele para a construção da fhop.

Somos gratos porque hoje esse grupo já não se limita a 120 missionários, mas o Senhor tem acrescentado, por meio da nossa igreja local, irmãos e irmãs dispostos a colocar a mão no arado e entregar a Ele a adoração que lhe é devida.

Somos especialmente gratos por cada família que se formou em nosso meio nesses 10 anos. Podemos ver a bondade do Senhor em entrelaçar histórias e ter Seu nome glorificado em nosso meio.

Somos profundamente gratos pelas vidas de Dwayne, Jennifer, Sidney, Chloe e Elijah Roberts que ouviram o chamado do Senhor e responderam prontamente, dando início a essa linda jornada que estamos trilhando.

Somos gratos pela igreja local, porque temos visto o Senhor acrescentar irmãos à nossa família e nos forjar no lugar de discipulado e comunhão.

Somos gratos pelas provisões financeiras. Porque cada último dia do mês somos confortados ao ver milagres e saber que a mão do Senhor certamente fez isso.

Nossos corações transbordam de alegria e gratidão pelo privilégio de termos uma sala de oração. Cada oração respondida, cada milagre que vivemos, todas as vezes que o Senhor nos visitou de forma sobrenatural são lembranças que fazem nossos corações transbordar de alegria e gratidão e nos motivam a continuar.

A jornada de fé é marcada por encontros transformadores com Jesus, que moldam nossa visão do mundo e aprofundam nossa relação com Deus. Nesta série de textos, exploramos as experiências de diferentes personagens bíblicos e suas interações com o Salvador, durante a ressurreição de Lázaro. Através da perspectivas de Marta, aprendemos sobre conhecer ao Senhor e confiar em momentos de dificuldade. Com os discípulos, vimos uma valiosa lição de obediência e fé. Agora, no entanto, voltamos nossos olhos para Maria, irmã de Lázaro, cujo encontro íntimo com Jesus revela lições preciosas sobre dor, amor e redenção.

O Lamento como Forma de Fé

Maria, conhecida por sua proximidade e amor por Jesus, nos ensina que mesmo em momentos de intensa dor, como na morte de seu irmão Lázaro, nossa fé pode ser expressa através do lamento. Este tipo de oração, profundamente honesta e crua, é um convite à verdadeira expressão dos nossos corações diante de Deus. Em João 11:32, Maria se aproxima de Jesus com suas lágrimas. Assim, ela nos ensina que é possível trazer a Deus nossas questões mais dolorosas e íntimas, confiando que Ele nos ouve e se compadece.

A Resposta de Jesus: Empatia e Poder

A resposta de Jesus ao lamento de Maria não é de censura, mas de profunda empatia e ação poderosa. Em João 11:35, vemos Jesus chorar com Maria, compartilhando sua dor antes de realizar um dos seus milagres mais impactantes: a ressurreição de Lázaro. Este ato não apenas demonstra o poder divino sobre a morte, mas também reforça a mensagem de que Deus está intimamente envolvido em nossas vidas, respondendo a nossos clamores de maneira poderosa e compassiva.

Lições de Maria para Nossa Vida de Oração

  1. Orar em Meio à Dor: Maria nos ensina que a oração pode e deve abranger todos os aspectos da nossa experiência humana, incluindo a dor e o lamento. Pois, a sinceridade em derramar nosso coração perante Deus, mesmo que seja em desespero ou luto, é uma forma poderosa de fé que reconhece Deus como nosso conforto e refúgio.
  2. Esperança na Resposta Divina: Através da história de Maria e Lázaro, somos lembrados de que, mesmo nas situações que parecem irreversíveis, a esperança cristã é sustentada pela certeza do poder e amor de Deus. A ressurreição de Lázaro simboliza a promessa da vitória final sobre a morte e a aflição, garantindo-nos que nossas orações são ouvidas. Ainda que passemos por luto e aflições nesse mundo, a nossa esperança eterna nos garante que Deus irá transformar choro em alegria. Ele certamente enxugará toda a lágrima.
  3. A Intimidade com Jesus: A proximidade de Maria com Jesus nos encoraja a buscar uma relação mais íntima e constante com Ele. Essa intimidade nos permite não apenas aproximar-nos com nossas dores, mas também celebrar e reconhecer Seu poder e Sua presença em todos os aspectos da nossa vida.

Com isso aprendemos que

O encontro de Maria com Jesus nos mostra que a nossa fé abraça tanto a alegria quanto o sofrimento, ensinando-nos a confiar em Deus em todas as circunstâncias. Suas lágrimas e o milagre subsequente ilustram a profundidade da compaixão de Deus e Seu envolvimento direto em nossas vidas. Portanto, que possamos aprender com Maria a trazer a Deus todas as nossas experiências, confiando na Sua infinita capacidade de nos transformar e nos redimir.

Quer se aprofundar sobre esse assunto? Assista a pregação completa:

 

Orar o Salmo 23 é mergulhar numa jornada de confiança e segurança sob o cuidado do Senhor, na convicção que Ele é o nosso Pastor. Esse salmo, de forma poética e profunda, oferece não apenas conforto, mas também um modelo de oração que reconhece a soberania de Deus sobre todas as circunstâncias da vida.

Por Que Orar a Bíblia

Orar a Bíblia é mais do que ler as Escrituras. É um diálogo onde falamos com Deus sobre suas promessas, permitindo que as verdades eternas transformem nossos corações e mentes. Esta prática fortalece nossa fé e nos ensina a depender completamente de Deus. Embora seja importante conversarmos com Deus a respeito das nossas próprias emoções, orar as escrituras é uma declaração de que elas não nos governam. Mesmo que as circunstâncias sejam adversas, declarar as escrituras alinha os nossos corações com a verdade.

Sendo assim, orar as Escrituras é essencial porque permite que as palavras de Deus se tornem as nossas palavras em oração. Elas nos ajudandam a focar nos temas que são alinhados com a vontade divina. Isso não só enriquece nossa vida de oração como também fortalece nossa compreensão teológica e nos mantém ancorados nas promessas de Deus. Especialmente em tempos de incerteza e desafio.

Utilizando os Salmos como Orações

Os Salmos constituem uma parte fundamental do Livro de Orações, abrangendo um espectro completo de emoções humanas — de lamentos profundos a alegrias exuberantes. Ao observarmos os salmos com cuidado, encontraremos linguagem para cada uma das nossa circunstâncias. Semelhantemente, ao utilizar o Salmo 23 como oração, verbalizamos nossa confiança na liderança e no cuidado de Deus, agradecendo pela sua proteção e provisão mesmo nos “vales mais sombrios” da existência.

Como os Salmos Facilitam a Expressão Emocional

Os Salmos são singularmente poderosos porque oferecem palavras para expressar nossos sentimentos mais profundos para com Deus, permitindo que reconheçamos nossa dependência dele em todas as áreas da vida. Eles nos ajudam a expressar gratidão, medo, arrependimento, e até mesmo raiva, de maneiras que são sinceras e teologicamente sólidas.

O Contexto Histórico de Salmo 23

Escrito por Davi, que foi pastor de ovelhas antes de se tornar rei, o Salmo 23 é rico em imagens pastorais que falam de proteção, orientação e cuidado contínuo. Este contexto não apenas enriquece nossa compreensão do salmo como também ilustra profundamente a relação de Deus com seu povo.

Davi: O Pastor-Rei

Antes de sua unção como rei, Davi passou seus primeiros anos cuidando de ovelhas, uma experiência que moldou profundamente sua compreensão de liderança e dependência de Deus. Ao escrever este salmo, Davi se inspira em sua própria experiência como pastor, descrevendo o Senhor com a mesma responsabilidade, cuidado e previsão que ele mesmo praticava.

O bom Pastor

Assim como no Salmo 23, podeoms encontrar em outras passagens bíblicas a metáfora de pastor e ovelhas para descrever a relação entre Deus e Seu povo. Aqui estão alguns versículos notáveis que exploram essa temática:

  1. João 10:11– “Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas.”
  2. João 10:14-15 – “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas.”
  3. Ezequiel 34:11-12 – “Pois assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu mesmo buscarei as minhas ovelhas e as vigiarei. Como o pastor vigia o seu rebanho no dia em que está no meio das suas ovelhas dispersas, assim vigiarei as minhas ovelhas e as livrarei de todos os lugares por onde foram espalhadas num dia de nuvens e de escuridão.”
  4. Salmo 100:3 – “Sabei que o Senhor é Deus! Foi ele quem nos fez, e somos dele: somos o seu povo, e ovelhas do seu pasto.”
  5. Isaías 40:11 – “Como pastor, ele apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeiros e os levará no seu regaço; as que amamentam, ele guiará mansamente.”
  6. 1 Pedro 2:25 – “Porque éreis como ovelhas desgarradas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas.”

Orando o Salmo 23

Embora não se saiba ao certo a data em que esse Salmo foi escrito, podemos ver maturidade na jornada de Davi. Ele entrelaça, de forma poética, sua vida e história aos atributos de Deus. Exaltando o caráter do criador acima de suas próprias emoções.
A peça central, em cada parte do Salmo é: quem o Senhor é.

Da mesma maneira, com os olhos fixos em Deus, podemos orar que:

Senhoré o meu pastor; nada me faltará.
  • Entendemos a soberania do Senhor
  • Confiamos em sua provisão
  • Buscamos intimidade com nosso pastor, aquele que da a vida por suas ovelhas
Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
  • Descansamos, independente das circunstância
  • Confiamos na liderança do Senhor
  • Esperanmos por um futuro de paz e não de mal.
  • Contemplamos a fidelidade do Senhor, pois não pode negar a si mesmo
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
  • Temos a certeza de que não estamos sozinhos
  • O medo não nos controla, por entendermos que o Senhor é maior
  • Confiamos que a correção do Senhor vem de um lugar de amor
Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. 
  • Percebemos que existe lugar para perdão e restauração de relacionamentos
  • A presença do Senhor, mais uma vez, no enche de coragem
Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do Senhor por longos dias.
  • Cremos que todas as coisas cooperam para o bem, são bondade e misericórdia
  • Finalmente, fixamos os nossos olhos em um futuro de glória, pois em breve estaremos em Sua presença

 

Orar o Salmo 23 é abraçar uma jornada de proximidade com Deus, reconhecendo Sua soberania e amor inabaláveis. Sobretudo, é aprender adorá-lo, como o centro de toda a história. Sabendo que nossas circunstâncias ou emoções não alteram o Seu caráter.
Que sua jornada de oração seja enriquecida pelas verdades eternas deste salmo e fortalecidade pela convicção de que o Senhor é nosso pastor.

O capítulo 11 de João nos apresenta o milagre da ressurreição de Lázaro. No texto anterior dessa série, exploramos as lições de fé e dependência em Deus que os discípulos aprenderam com Jesus.

No entando, hoje mergulharemos em uma segunda perspectiva deste mesmo acontecimento. Nesta continuação, olharemos para a vida de Marta, uma figura central em João 11, que nos ensina sobre a importância da confiança e paz em tempos de crise. A jornada de Marta, de preocupação a confiança, reflete um caminho que todos nós devemos lutar para trilhar.

Uma Mulher de Fé e Ação0

Marta, frequentemente lembrada por sua hospitalidade e diligência no serviço, desempenha um papel crucial no evangelho de João. Ao enfrentar a morte de seu irmão Lázaro, Marta mostra não apenas seu lado hospitaleiro, mas também uma profunda confiança no poder do Senhor. Sua interação com Jesus revela uma crença inabalável na autoridade de Cristo. Ela afirma, “Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Mas sei que mesmo agora Deus te dará tudo o que pedires a Deus” (João 11:21-22). Esta declaração não apenas sublinha sua fé, mas também nos ensina a importância de levar nossas preocupações a Deus, confiando que Ele está no controle.

A importância da Oração

Mesmo em meio à dor da perda, Marta se volta para Jesus, expressando tanto sua tristeza quanto sua fé. Esse momento de vulnerabilidade e honestidade é um poderoso lembrete da importância da oração como um espaço para diálogo genuíno com Deus. Marta nos ensina que, mesmo quando não entendemos os planos de Deus, podemos confiar em Sua soberania e conversar com Ele até mesmo sobre as nossas dúvidas.

Encontrando Paz em Meio à Tempestade

A interação de Marta com Jesus não apenas fortalece sua fé, mas também traz uma profunda paz interior. Ao reconhecer Jesus como “o Cristo, o Filho de Deus” (João 11:27), Marta nos ensina uma lição valiosa: alcançar uma compreensão mais profunda de quem Jesus é, alterará como enfretaremos os momentos de crise. Este reconhecimento é crucial para que encontremos paz em tempos tumultuados. É uma lembrança de que, ao manter nossos olhos fixos em Cristo e em sua promessa de vida eterna, podemos encontrar serenidade, independentemente das circunstâncias externas.

Conclusão: Aplicando as Lições de Marta

A vida de Marta oferece lições valiosas para nossa própria jornada. Em um mundo cheio de incertezas e desafios, somos chamados a confiar em Deus e a buscar comunicação contínua com Ele através da oração. Assim como Marta, somos encorajados a reconhecer a soberania e o amor de Deus, o que nos permite navegar pelas tempestades da vida com fé e paz.

A jornada de Marta nos mostra que, independentemente das provações que enfrentamos, nossa resposta deve ser de fé, oração e reconhecimento da presença e poder de Deus. Que possamos seguir o exemplo de Marta e buscar a Deus com todo o coração, encontrando paz e propósito mesmo nos momentos mais difíceis.

Quer saber mais sobre o assunto? Assista ao vídeo da pregação completa:

 

Encontros Transformadores

O capítulo 11 de João descreve o que é possivelmente um dos milagres mais famosos de Jesus: a ressurreição de Lázaro. Analisando esse texto com um pouco mais de atenção, podemos aprender lições preciosas com cada uma das perspectivas de pessoas encontrando Jesus.

Nas próximas semanas, mergulharemos um pouco mais fundo, e buscaremos aprender o que esse capítulo tem para nos ensinar!

Contexto histórico

O primeiro passo para analisar esse texto é entendermos o contexto histórico. Nesse ponto do ministério de Jesus, ele já estava enfrentando perseguições e ameaças de morte. Retornar à Judeia, significava estar perto daqueles que buscavam apedrejá-lo. No versículo 8, vemos os díscipulos destacando isso para Ele, porém sua resposta deixa claro que, ao contrário do que o discípulos esperavam, os planos Dele não seriam alterados por medo.

O Chamado Para Betânia

A notícia da doença de Lázaro chega a Jesus como um sinal, não de desespero, mas de oportunidade divina. Enquanto os discípulos veem a morte como o fim, Jesus a vê como uma chance para revelar a glória de Deus. Sendo assim, sua decisão de voltar a Betânia, um lugar onde a hostilidade contra Ele crescia, serve como um teste fundamental para a fé dos discípulos. Ele os desafia a seguir para além do medo, rumo a um entendimento mais profundo de vida e ressurreição.

A Coragem de Tomé

Em seguida, a resposta de Tomé ao chamado de Jesus é um momento crucial que ilustra a complexidade do discipulado. “Vamos nós também, para morrermos com ele,” diz Tomé (João 11:16). Esta declaração, longe de ser um sinal de desespero, é um testemunho da sua prontidão para seguir Jesus, independentemente das consequências. Tomé exemplifica o tipo de fé que Jesus busca: uma fé que não hesita mesmo diante da possibilidade de morte.

Ensinamentos de Jesus sobre a Vida Eterna

Ao chegar em Betânia, Jesus não apenas enfrenta a tristeza de Marta e Maria, mas também as eleva para uma compreensão mais elevada da vida e da eternidade. Ele se revela como “a ressurreição e a vida” (João 11:25-26), ensinando que a crença n’Ele transcende a morte física, garantindo uma vida eterna. Esse ensinamento é pivotal, não apenas como consolo para as irmãs de Lázaro, mas como uma lição central para todos os seguidores de Cristo, incluindo nós hoje.

Despertar para uma Nova Fé

A ressurreição de Lázaro é o clímax deste encontro, onde Jesus não só demonstra Seu poder sobre a morte, mas também solidifica a fé dos Seus discípulos. Este milagre serve como um ponto de virada, renovando a fé dos discipulaos, e dando a eles um entendimento de que, com Jesus, cada final pode ser transformado em um novo começo.

Reflexão e Aplicação

Sobretudo, este capítulo nos convida a refletir sobre o nosso próprio encontro com Jesus. Como os discípulos, somos frequentemente chamados a seguir Cristo em circunstâncias que testam nossa fé. Este relato nos desafia a avaliar nossa disposição para caminhar com Jesus, mesmo quando o caminho nos leva através da sombra da morte. A história nos encoraja a abraçar uma fé que não se prende ao que é visto, mas que se lança no que é eterno.

Semelhantemente, ao enfrentarmos nossas próprias “Judéias”, podemos nos inspirar no exemplo dos discípulos que, apesar das dúvidas e medos, escolheram seguir Jesus. Certamente, eles nos mostram que, em cada encontro com Cristo, há uma oportunidade para uma fé mais profunda e uma compreensão mais completa da vida que Ele nos oferece.

Quer ir mais profundo nessa história? Assita ao vídeo completo:

0

 

Estamos na reta final do ano, quase no início de mais 365 dias de oportunidade para amar Jesus por meio da Bíblia, a palavra de Deus. Então, agora é hora de se planejar para o próximo ano ser uma ano onde você possa crescer cada vez mais no conhecimento de Deus.

 

Toda a Bíblia é sobre Cristo

E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos.
A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração.

Colossenses 3:15,16

 

Toda a Bíblia é uma história sobre um Pai que tem um Filho que lhe deu uma família. E ele prepara uma noiva para esse Filho, e o fim da história é a unidade com esse Amado noivo, assentados à mesa de Deus com Ele. E Paulo escolhe aqui nesse texto chamar a Palavra de Deus como a Palavra de Cristo.

Na verdade, desde Gênesis até Apocalipse, a Bíblia é um compilado de livros que dão testemunho de Jesus. Logo, o objetivo da Bíblia é dar testemunho de Cristo. Então. se você tem o desejo de conhecer mais a Cristo no próximo ano, em outras palavras você está dizendo: “eu quero conhecer mais a Bíblia”.

A Bíblia não é uma palavra humana sobre Deus

Se você acredita que a Bíblia é um palavra humana sobre Deus, quando ela não se ajustar à sua opinião de como as coisas devem ser seguidas, você sentirá que pode discordar, ir contra ela ou até manipulá-la como bem te agradar. Portanto, a Bíblia não é a nossa palavra sobre Deus, pelo contrário, é a Palavra de Deus para nós. A Bíblia é a revelação divina para a humanidade.

Mas por que eu deveria me importar se a Bíblia é a Palavra de Deus para nós e não o contrário? Isso faz toda a diferença, pois se Deus não falou as suas palavras, a Bíblia não passaria de uma inspiração. Pense em grandes promessas da Bíblia tais como  Hebreus 3:5 que diz “nunca te deixarei, nem te desampararei”. Ou então Filipenses 4:19 “o meu Deus suprirá todas as suas necessidades de acordo com as suas riquezas em glória”.

Se essas palavras são, de fato, palavras que vieram da boca de Deus, podemos nos apegar a essas promessas e confiar. Além disso, podemos nos acalmar e saber que Deus está cuidando de mim e de você. Todavia, se essas palavras são humanas, de maneira alguma poderíamos nos apegar a isso com confiança. Isso minaria o fundamento da esperança, pois substitui as promessas de Deus para nós pelos nossos desejos, sem garantia alguma de que eles se cumprirão.

 

A Palavra nos torna fortes

Filhinhos, eu lhes escrevi porque vocês conhecem o Pai. Pais, eu lhes escrevi porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno.

1 João 2:14

A igreja é composta por vários grupos geracionais, e em sua carta, João fala direcionando a cada um deles. Ele fala aos jovens, e vemos que se a Palavra de Deus está habitando em nós, o resultado disso é força – nos tornamos fortes! Em outras palavras João está dizendo: “Jovem, se a palavra está habitando em você, Deus diz que você é forte, é por isso que vocês já venceram o maligno”.

Quando a palavra de Cristo está habitando em nós, isso nos garante que não estamos entregues a desejos ou pensamentos positivos. Além disso, nos garante que estaremos firmados nas promessas de Cristo.

A garantia da vitória do jovem não se dá por causa do pequeno grupo, ou dos líderes e pastores que o acompanham. Na verdade ela se dá porque estes permitiram que a Palavra de Deus habitasse em seus corações, por isso eles venceram o maligno.

 

Vencendo a maldade que cresce nessa geração

Por outro lado, isso não é possível em uma igreja que só oferece entretenimento. Jovens têm força quando incluem a Palavra em suas vidas. Não há nada mais sério que um mergulho na palavra de Deus em suas vidas. Por isso, devemos levar a sério o gastar tempo nas Escrituras. Estamos sendo atacados por todos os lados.

Devemos ir à palavra de Deus com seriedade. Permitir que ela molde nosso caráter, não tratar como uma caixinha de promessas, que tiramos um versículo por dia. Não existe outra saída pra nos. O futuro da nossa igreja, da igreja brasileira, da nossa família, está na palavra de Deus habitar ricamente em nós. Não há outra saída!

 

Qual o segredo para uma vida espiritual?

Se você perguntar pras pessoas hoje qual o segredo pra uma vida espiritual, é possível que você ouça 3 respostas semelhantes a isso aqui:

1- A resposta do meio evangélico:

“A vida espiritual é encontrada nas pessoas do seu redor. Junte-se a nós e tudo vai ficar bem pra você”. Portanto, é nisso que os fariseus acreditavam. Reunir-se em um grupo de pessoas todo domingo pra cantar hinos não é a garantia de uma vida espiritual. A comunhão é uma parte integral da vida espiritual, mas não é a fonte de vida espiritual.

2- A resposta do meio secular:

Se você perguntar qual é a fonte da vida espiritual no meio secular, provavelmente dirão que você precisa encontrar o seu eu. Olhar para dentro de si para encontrar o segredo da vida espiritual saudável. “As respostas estão dentro de você, a fonte da vida está dentro de si”.  

3- A resposta bíblica 

A vida espiritual é encontrada quando a Bíblia está aberta dentro de você. Essa é a fonte de uma espiritualidade saudável. Dessa forma, a comunhão é mais saudável quando a palavra de Deus está no centro. 1 Pedro 1:23  diz: Pois vocês foram regenerados, não de uma semente perecível, mas imperecível”. Ou seja, fomos gerados novamente, de uma semente que não é perecível. Que não morre, que não termina. Fomos regenerados pela palavra de Deus, que vive e permanece. 

 

Dê a Palavra lugar de honra

É muito legal nós seguirmos vários perfis cristãos que nos encorajam e palavras que nos dão ânimo e fé. Portanto, cuide para não substituir a alimentação espiritual e não terceirizar nossa responsabilidade de nos nutrimos das escrituras.

Dessa forma, dê a palavra um lugar de honra e destaque da sua vida. Não dê espaço de honra na sua vida para pessoas que ocupam pouco do seu tempo e espaço na sua vida. Logo, trate a Bíblia em lugar de honra na sua vida. Você gasta tempo com aquilo que lhe dá lugar de honra. Torne a leitura da bíblia algo especial na jornada do ano que vem e desse ano!

As mídias sociais serão a prova naquele dia, diante de Deus, como um testemunho de que somos indesculpáveis se falarmos para o Senhor que não tínhamos tempo para leitura da bíblia. A grande verdade é que escolhemos para o que temos tempo ou não.

 

É hora de planejar

Nesse próximo ano, gaste tempo de comunhão em torno da palavra de Deus. Portanto, faça a palavra de Deus centrada na comunhão. É hora de começarmos a planejar que tipo de ano teremos em 2024. Por isso, não seja a falta da palavra de Deus a frustração no fim do ano.

Por isso, a Bíblia precisa encontrar lugar no nosso dia a dia, na forma que educamos nossos filhos, na forma que respondemos nossas tribulações. Logo, que a palavra de Deus habite ricamente em nós. Vamos para as escrituras, vamos chorar diante da Palavra. Vamos nos alimentar da Bíblia, vamos ler, e talvez não faça sentido, e vamos lendo, talvez pela décima vez o mesmo versículo, e de repente, vai fazer sentido no seu coração. 

Não terceirize a sua responsabilidade de ser nutrido através das Escrituras!

Que Deus te abençoe!

Palavra do Pr. Vinicius Sousa no culto do dia 19 de Novembro de 2023 na Fhop Church

 

Plano de leitura bíblica:

Para te ajudar com seu planejamento de leitura bíblica no próximo ano, preparamos um plano de leitura bíblica que você pode acessar clicando nos links abaixo:

Plano de leitura bíblica 1 ano

Plano de leitura bíblica 5 meses

 

 

 

 

 

 

Você provavelmente já escutou ou até mesmo cantou essa frase aqui “os que olham para Ti estão radiantes, Senhor”. Certo? Convidamos a Débora Rabelo, líder de louvor da fhop music para falar sobre o processo de composição da música “Os que olham para Ti”.

A Débora é casada com Hamilton Rabelo, ambos são missionários da fhop. Eles disseram “sim” ao Senhor para a missão de estabelecer uma cultura de devoção por meio do louvor e da adoração. E eles têm instruído a igreja para o lugar de devoção e adoração através de canções feitas a partir do lugar de oração e do estudo da Palavra.

 

Uma jornada de composição

Essa canção nasceu de uma forma muito natural. Como muitas canções que nascem aqui, ela também surgiu a partir de um coro que fiz em um acampamento sobre oração na minha antiga igreja em 2016. Nós estávamos em um momento de oração bem especial após a ministração da palavra. Lembro-me que cantava “Jesus we love you” (Jesus te amamos), e de repente, surgiu o coro: ‘amor presente é o teu amor, nunca me desamparará, eu olharei na tua face, verei a tua glória!’

Depois disso, o Hamilton me pediu para gravar, porque achou lindo! Assim, por anos, esse coro ficou guardado apenas no gravador do meu celular. Então, em 2018 nós decidimos finalizar essa canção, e assim, dedicamos um tempo juntos pra criar o verso e pré-coro.

Contudo, quando ela já estava finalizada percebemos que um outro refrão (que havia surgido nos nossos turnos da sala de oração) combinava muito com ela.

Logo, tivemos a ideia de colocar como ponte a parte que diz: ‘tudo pode até passar, eu continuo olhando para ti, tudo pode até mudar eu continuo olhando para ti pois tu és o Senhor que arrebatou meu coração’.

Depois disso, tivemos a certeza de que estava finalizada.”

 

A Bíblia por trás da canção

Os que olham para ele estão radiantes de alegria; seus rostos jamais mostrarão decepção. Salmos 34:5

Salmos 34.5 foi a maior inspiração pra essa música. Além desse, outro texto que falava muito ao meu coração naquela época era Salmos 103 que nos mostra a verdade sobre o poder do amor de Deus.

Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Salmos 103:12

Ele escolheu nos amar independente dos nossos erros, da nossa inclinação ao pecado. Ele afasta de nós as nossas transgressões e nunca nos deixa. O seu amor vai além dos céus.

Essa palavra estava falando forte ao meu coração no período em que escrevemos os versos. Além disso, o fato de que ao olhar pra Ele nos tornamos cada vez mais parecidos. Ao olhar pra Ele e não para as circunstâncias ao redor, somos iluminados e fortalecidos na jornada.”

 

Olhando para Ele para encontrar forças

Quando eu compus o refrão, eu travava uma luta contra a ansiedade mas nem sequer sabia disso. Existiam muitos conflitos na minha mente, nas minhas emoções mesmo eu já conhecendo a palavra e servindo ativamente na minha igreja. Eu já era uma líder há bastante tempo. Já ensinava sobre diversos assuntos na minha igreja local. Amava ardentemente o Senhor e servir a Ele. Mas eu não entendia o que acontecia dentro de mim.

Por muitas vezes eu carregava bastante culpa e julgamento dentro de mim por achar que aquela ‘bagunça interna’ era falta de caráter ou algo assim. Assim, a minha saída, o meu ‘bote salva vidas’ no meio daquelas guerras internas, era me apegar à presença de Deus.

Portanto, lembro-me de gastar horas e horas só com Jesus no meu quarto. Me derramava diante dele e recebia do seu refrigério. Ali, eu cantava para Ele e percebia de maneira intensa a sua presença comigo. Ele me dava forças pra continuar. 

Logo, o versículo 5 do salmo 34 falava tão forte ao meu coração naquela época que constantemente eu me lembrava dele no momento das crises. Eu pensava: ‘não importa o que acontece aqui dentro de mim, tudo o que eu preciso é olhar para Ele’.

A âncora da minha alma era me lembrar das Suas palavras.

Eu amava o Senhor e a sua presença. Servir a Ele em comunhão com minha igreja era a maior alegria da minha vida, então tudo o que eu fazia era me apoiar nele. 

E assim, no meio disso tudo surgiu o refrão de os que olham para ti. E por muitas e muitas vezes cantar essas verdades me sustentaram em meio às crises”.

 

Por que devemos cantar a Palavra?

“Cantar as escrituras é uma forma de alimentar a nossa alma com verdadeira comida. Isso nos satisfaz, alimenta, encoraja e nos fortalece na jornada.

Eu realmente acredito no poder da Palavra cantata porque na minha jornada até aqui, por DIVERSAS vezes eu fui encorajada a prosseguir na caminhada cristã através de mensagens em forma de canções.

Por diversas vezes Deus falou comigo, me consolou, me deu uma nova perspectiva, renovou a minha esperança, tudo através da Palavra cantada.

Além do mais, existem canções que são como feixes de luz entrando por um pequeno espaço na janela, em um quarto escuro. Canções que serão uma mensagem a um coração aflito prestes a desistir de tudo. Além de ser Luz para escuridão daquela alma que acha que é o fim da linha.

 

Eu sempre me lembro do conselho de Paulo: 

Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração. Cl 3.16

Cantar a palavra de Deus é importante porque é uma forma de edificação pessoal e também da nossa comunidade local.”

 

Uma oração para os que olham para Ele

“A minha oração é que ao ouvir essa canção muitos sejam renovados no Senhor. E assim, possam sentir e perceber a presença do amado independente da estação que estiverem. Que a mensagem dessa canção seja uma inspiração também a buscarem uma vida de maior intimidade com Deus.

Eu oro por convicção do amor de Deus invadindo os corações, que a certeza da imutabilidade do Senhor seja clara em cada um. Que como diz na ponte da música, “tudo pode até passar e mudar mas eu continuo olhando para ti” muitos se encham de força para prosseguir independente do que vier enfrentar no futuro.

Eu oro pra que aqueles que enfrentam ansiedade sejam curados. Os que enfrentam enfermidades como a depressão sejam INVADIDOS pela luz do Senhor. Que sejam renovados no seu interior. Que Jesus de fato seja a âncora da alma de cada um.”

 

Ouça aqui: “Os que olham para Ti”

 

Leia também:

Por trás da canção: Cantai!

Você conhece a canção “Cantai” da fhop music? Convidamos o Caio Freitas, líder de louvor da fhop, e compositor dessa música para nos contar o que existe por trás da canção, qual foi o processo de composição e os textos que ele usou para compor. Vamos lá?

 

Cantai: uma instrução para a igreja

“Cantai foi escrita em 2020, durante os dias que estávamos aos poucos retornando à rotina no período da pandemia. Nós, líderes de louvor, estávamos estudando um livro que se chama ‘Cante – como o louvor transforma sua vida, sua família e igreja’ (Keith e Kristyn Getty, 2018). Este livro traz uma realidade sobre o significado da expressão de louvor de uma igreja que caminha no conhecimento de Deus. Logo, vendo a necessidade de instruir nossa igreja local nessa temática, nasceu a música ‘Cantai’.

Assim, a partir desse tema, criei a melodia e a letra dos versos. Era madrugada, continuei escrevendo e terminei toda a letra. Então, fiz uma chamada de vídeo para o Felipe, nosso produtor musical, e ele me ajudou a finalizar a ponte e organizar a estrutura da música. Finalizei a música em 1 hora e meia mais ou menos, depois dessa ligação”.

 

A Bíblia por trás da canção

“O texto bíblico por trás da canção é Salmos 96, além de trazer também a temática do primeiro mandamento, de Marcos 12:30, que nos ordena a amar ao Senhor com toda a força, alma e entendimento”

 

¹ Cantai ao SENHOR um cântico novo, cantai ao SENHOR toda a terra. ² Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; anunciai a sua salvação de dia em dia. ³ Anunciai entre as nações a sua glória; entre todos os povos as suas maravilhas. ⁴ Porque grande é o Senhor, e digno de louvor, mais temível do que todos os deuses. ⁵ Porque todos os deuses dos povos são ídolos, mas o Senhor fez os céus. ⁶ Glória e majestade estão ante a sua face, força e formosura no seu santuário. ⁷ Dai ao Senhor, ó famílias dos povos, dai ao Senhor glória e força. Salmos 96:1-7

 

Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. Marcos 12:30

A mensagem por trás da canção

“Penso que a criação, por si só, é uma expressão de louvor a Deus, assim como a vida e tudo que foi criado. Dessa forma, precisamos como filhos expressar a nossa essência quando estamos adorando a Deus. Mas isso requer movimento: mãos levantadas, coração humilde, palavras de afeição e gratidão. Além disso, palmas, cânticos e hinos espirituais. Ele estabeleceu assim, porque Ele é digno.

Por muito tempo me senti um pouco travado na hora de expressar adoração, reverência e louvor com meu corpo. Me sentia em um lugar de julgamento vendo pessoas mais livres que eu. Portanto, eu vi que faltava conhecimento da minha parte. Além do mais, Deus é criativo e expressivo em sua natureza.”

 

A importância de cantarmos a Palavra

“Cantar a Palavra nos livra de cantarmos sobre nós mesmos pois nisso, não existe poder e nem mesmo revelação. Cantar a Bíblia é a forma de curar a nossa geração do egocentrismo, e voltar os nossos olhos para aquilo que verdadeiramente edifica e transforma.

Eu oro para que quando ouvirem essa canção, as pessoas se sintam livres para expressar a Deus a adoração que Ele considera aceitável. Cantem alto, gritem de alegria, batam palma com toda força!”

 

Leia também:

Por trás da canção: Nosso coração queima

Render graças talvez seja um dos maiores desafios daquele que segue a Cristo. Isso ocorre porque demonstrar agradecimento a Deus por todas as circunstâncias, sejam elas favoráveis ou difíceis, é um sinal de confiança, algo custoso na prática. Logo, um dos significados que mais gosto sobre palavra render é o ato de “fazer cessar a resistência, vencer, submeter-se” ou em outra definição pessoal, se render é se desarmar. Assim, Deus em sua infinita grandeza e sua soberania manifesta sua glória, e nós, respondemos com adoração e louvor, entendendo que louvar não é se ausentar de guerra, mas ter certeza de quem está à frente dela. Enquanto um povo rendia graças, o Senhor foi lutar a guerra, uma batalha que Ele mesmo disse a Josafá: “é minha! ”. Assim, como posicionar nosso coração nesse lugar de plena confiança que o rei de Judá se submeteu?

“Depois de consultar o povo, Josafá nomeou alguns homens para cantarem ao Senhor e o louvarem pelo esplendor de sua santidade, indo à frente do exército, cantando: “Deem graças ao Senhor, pois o seu amor dura para sempre. ” (2 Crônicas 20:21)

 

Um estudo de caráter

O capítulo 20 do Livro de 2 Crônicas descreve o reinado do rei Josafá no século IX a.C., em um contexto de divisão do antigo Reino de Israel em Judá e Israel. Enquanto Josafá governou Judá, o Reino do Norte, Israel, estava sob influência pagã e liderança corrupta. É muito interessante olhar para os reinados em I e II Crônicas como um estudo de caráter, pois a História nos apresenta dois tipos de rei: os que foram obedientes e os infiéis.

Portanto, Josafá, certamente se enquadra na categoria de reis que foram zelosos para com o Senhor. Assim, em 2 Crônicas 17:3-4 diz que “O Senhor esteve com Josafá, porque ele andou nos primeiros caminhos de Davi, seu pai, e não buscou os baalins. Pelo contrário, buscou o Deus de seu pai e andou nos seus mandamentos, e não segundo as obras de Israel.” Dessa forma, Josafá foi importantíssimo na história por promover um certo tipo de reforma em Judá, restaurando a adoração a Deus e removendo ídolos.

 

Liderando em oração

No capítulo em questão, vemos que o rei enfrenta uma ameaça de invasão e o desenrolar da história foi uma sequência de acontecimentos que acabaram em uma majestosa vitória. Primeiro os inimigos se reúnem contra Judá, a nação responde se reunindo para buscar a Deus juntos, Josafá então, lidera a assembleia em oração. Houve uma rendição sincera nessa atitude. Havia medo da parte do rei? Sim. O medo, no momento em que o rei se viu cercado, foi uma reação natural diante de um perigo. É como se ele estivesse dizendo: “Senhor, estamos alarmados, precisamos de Ti agora! ”

Na oração de Josafá a primeira coisa que ele faz é reconhecer a grandeza de Deus, veja 2 Crônicas 20:6:

e disse: — Ó Senhor , Deus de nossos pais, não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na tua mão está a força e o poder, e não há quem te possa resistir”

Assim que reconhecemos a grandeza de Deus, a nossa pequenez é exposta. Josafá poderia ter recorrido a qualquer outra coisa, mas o que ele fez foi procurar a orientação de Deus a partir do lugar da oração. E Deus respondeu a oração de Josafá e a promessa de vitória é dada através de um profeta. Deus disse a Josafá e ao povo que eles deveriam se acalmar, e apenas contemplar a salvação do Senhor a favor deles.

 

Prostrados em rendição

A primeira resposta dada ao Senhor, logo após Josafá e o povo ouvirem de Deus foi prostrar-se em rendição. Eles não precisaram proferir nenhuma palavra a mais, o ato de estar em silêncio com o rosto em terra já diz muito sobre a profundidade dessa adoração. Deus ama quando voltamos nosso coração em rendição, creio que é a vontade Dele para nós assim como a bíblia reafirma em Lucas 10:27 “Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, com todas as suas forças e todo o seu entendimento”.

2 Crônicas 20:18 descreve:

 “Então Josafá se prostrou com o rosto em terra, e todo o Judá e os moradores de Jerusalém também se prostraram diante do Senhor e o adoraram”.

Que precioso deve ter sido esse momento, a adoração e louvor genuínos de um rei que escolheu, assim como Davi, confiar no Senhor, sem se apoiar no seu próprio entendimento (Provérbios 3:5). Que se posicionou não só com o seu corpo, mas com seu coração, atribuindo ao Senhor a glória que Ele merece! (Salmos 29:2). É possível lembrar do episódio de Davi e Golias em 1 Sm 17:47, onde Davi diz:

 “Saberá toda esta multidão que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará nas nossas mãos”. 1 Sm 17:47

 

A glória é do Senhor

Após consultar o povo, o rei designou cantores para o Senhor e ordenou que fosse à frente do exército. Qual era o propósito de tudo isso? Qual era a razão de Deus ter feito os cantores irem a frente? Somente e unicamente para a glória Dele! Não foi a primeira vez que Deus usou uma circunstância de caos e guerra para manifestar a Sua glória. Quando compreendemos isso, passamos a lidar com as adversidades de outra maneira, saímos do lugar de murmuração, de medo e ansiedade para um lugar de gratidão. Davi escreve em Salmos 27:2-3:

“Quando homens maus avançarem contra mim para destruir-me, eles, meus inimigos e meus adversários, é que tropeçarão e cairão. Ainda que um exército se acampe contra mim, meu coração não temerá; ainda que se declare guerra contra mim, mesmo assim estarei confiante. ” Sl. 27:2-3

Precisamos ter uma vida de rendição, uma vida de adoração e louvor se quisermos ser como os adoradores que o Senhor procura. É surpreendente saber exatamente as palavras cantadas naquele momento: “Deem graças ao Senhor, pois o seu amor dura para sempre”. Uma verdadeira expressão de gratidão a Deus, glória a Ele, que guerreia por nós. Por que Deus faria isso? Porque Ele é amor, e a Palavra diz em Salmos 100:4-5:

“Entrem por suas portas com ações de graças e em seus átrios com louvor; deem-lhe graças e bendigam o seu nome. Pois o Senhor é bom e o seu amor leal é eterno; a sua fidelidade permanece por todas as gerações” Sl. 100:4-5

 

3 ferramentas para uma vida de rendição

Diferente de séculos atrás, hoje não vivemos em um contexto de guerras e ameaças de invasão conforme descrito na Bíblia, mas isso não quer dizer que não temos nada a aprender com essas histórias, pelo contrário, estudar os conflitos e a vida dos antigos reis nos ensinam a não errar e a entender as atitudes as quais Deus se agrada. As maiores batalhas do cristão – pelo menos no nosso contexto –  hoje, acredito serem as batalhas dentro da nossa mente e contra nós mesmos. Dá para contar nos dedos as vezes em que fui grata e expressei verbalmente a Deus a minha gratidão nos últimos dias, isso já é um exemplo de como somos esquecidos e acostumados com a rotina. Com isso, deixo aqui 3 ferramentas para cultivar uma vida de rendição:

1. Oração

Estabelecer um estilo de vida que tem oração como prioridade no dia, isso inclui a meditação nas Escrituras. Também inclui fazer como Josafá fez diante do seu problema, ele orou reconhecendo quem Deus é e levando sua causa até Ele. Comece agradecendo pela manhã louvando a Deus pela sua fidelidade segundo Salmos 59:16: “mas eu cantarei louvores à tua força; de manhã louvarei a tua fidelidade”.

2. Entrar em parceria com Deus

Está totalmente ligado ao estilo de vida de oração. É estar atento a voz do Senhor, ser intencional em buscar de Deus o que o próprio Deus quer, é basicamente ser alguém que não faz as coisas movido pelo que acha. Assim como Josafá aconselhou em 2 Crônicas 18:4: “Mas acrescentou: “Peço-te que busques primeiro o conselho do Senhor”.

3. Se desarmar

Explicando isso, lembro de alguns momentos em minha vida em que quis parecer ser forte, diante de Deus e dos homens, vezes em que eu quis “dar uma mãozinha” para Deus, em outras palavras, eu queria estar no controle (no controle da minha vida, dos meus sentimentos, do meu trabalho, do meu futuro, da minha vida financeira…). Quando a gente se desarma, a gente se submete. Submissão é obediência, e obedecer é amar, como disse Jesus em João 14:21: “Aquele que tem os meus mandamentos e obedece a eles, esse é o que me ama”. Se desarmar é falar “Senhor eu deixo o seu amor me vencer pois não há nada do que eu faça que seria melhor do que te entregar tudo. ” (Spoiler: o amor Dele sempre vence!)

 

A nossa resposta

Não existe absolutamente nada, maior que Deus. Enfrente os problemas, desde o mais simples até o mais complexo, sabendo que eles sempre serão inferiores ao Senhor e ao que Ele tem para nós. Nenhuma guerra é maior que Ele. Essas são atitudes daqueles que amam e reconhecem que Deus tem o controle de suas vidas, independentemente das circunstâncias que venham a enfrentar.

Minha oração é que, à medida que conhecemos mais a Deus, passemos a ter como cerne da nossa adoração a beleza e esplendor do Senhor, assim como aqueles homens que se colocaram à frente em adoração e louvor, rendendo graças em meio a uma situação tão incerta, eles provavelmente entenderam aquilo que o salmista declara em Salmos 96:6: “Glória e majestade estão diante dele, força e formosura, no seu santuário”. Depois dessa revelação da beleza de Deus, qual outra resposta daremos ao Senhor, se não a rendição em adoração? Que nos levantemos e passemos a contemplar quem Deus é, pois Ele sim já foi a frente, antes mesmo que soubéssemos. Ele já venceu, por isso cantai ao Senhor, todas as terras; proclamai a sua salvação, dia após dia!

 

Júlia Santana de Sousa – Aluna do Fascinação Turma 19

Assim como alguns missionários foram chamados a ir para outras nações e servir. Cremos que Deus também tem levantado missionários nos quais seu chamado será orar e interceder. Como “missionários intercessores” nós temos dedicado nossas vidas por tempo integral a orar e adorar a Deus.  Nosso ministério abrange tocar a sociedade e anunciar a Mensagem do Reino de Deus – com evangelismo, justiça social e outros projetos missionários. Mas no centro de nossa base missionária estamos comprometidos em edificar um local de oração onde Deus será exaltado primeiramente e acima de todo e qualquer projeto.

Por toda a terra hoje sabemos que existe muita escuridão e injustiça no coração dos homens. Temos convicção que uma das formas de resgatar a justiça para Deus é por meio de uma igreja que ora. A única forma de vermos uma mudança profunda é tocando o mundo espiritual por meio de uma vida de oração.

Como cristãos somos chamados a orar e andar com Jesus mas cremos que alguns serão separados para se entregar a uma vida de oração e busca do Seu conhecimento como ministério. Alguns são chamados para serem homens e mulheres de negócio, advogados, médicos e todos fazem parte do plano de Deus para a humanidade, assim como intercessores.

Como Missionários Intercessores andamos sobre a palavra de Efésios 6:12 – “Nossa Batalha não é com carne ou sangue mas contra principados e potestades celestiais”. Juntos podemos transformar o Brasil ao tocar os céus com orações diante de Deus. 

Oração incessante

Em 1973, David Yonggi Cho, pastor da Igreja do Evangelho Pleno de Yoido em Seul, Coréia do Sul, iniciou o Monte de Oração, com oração dia e noite. Logo, o Monte de Oração atraía mais de um milhão de visitantes por ano, enquanto passavam retirados nas células de oração sobre o monte. Cho se comprometeu à oração incessante, à fé e ao estabelecimento de pequenas células de discipulado em sua igreja. Talvez como resultado disto, a igreja de Cho se expandiu rapidamente para se tornar a maior congregação de igreja no mundo, com atualmente mais de 780.000 membros.

Em 19 de setembro de 1999, a Casa Internacional de Oração de Kansas City, Missouri, começou uma reunião de oração, baseada em adoração. Essa reunião que continua desde então por 24 horas ao dia, sete dias por semana. Com uma visão semelhante à de Zinzendorf, em que o fogo no altar nunca se apagaria, nunca houve, desde esta data, um momento em que a adoração e a oração não subiu ao céu.

Ao mesmo tempo, em muitos outros lugares ao redor do mundo, Deus colocou desejos e planos para oração24/7 em diversos ministérios e nos corações de muitos líderes. Isto resultou no estabelecimento de casas de oração 24/7 e montes de oração em todos os continentes da terra.

 

Sala de oração

Nossa sala de oração é composta por missionários intercessores, isto é, aqueles que dedicam integralmente seu tempo ao ministério. São Missionários porque saíram de suas casas, deixando tudo para trás, entregando todo tempo ao ministério. Como missionários intercessores, o principal trabalho é interceder.

Aqui na FHOP nossos missionários doam seu tempo na sala de oração, intercedendo ao Senhor. Além de trabalharem em departamentos administrativos como financeiro, marketing, escolas online e presenciais, departamento de música entre outros.

A essência da cultura de oração e adoração dia e noite é o anseio por habitar na casa do Senhor e vislumbrar Sua beleza. Este desejo é o que fomenta a permanência e persistência em intercessão junto à Casa de Oração, e é por esse motivo que somos missionários.

Clique aqui para conhecer mais sobre quem somos e participe de um de nossos eventos.