Fhop Blog

Disciplinas Espirituais – A prática diária

Destaque

As disciplinas espirituais são praticadas pelo povo de Deus há muito tempo. Para os patriarcas, Deus aparecia, se manifestava e os orientava em como prosseguir, como orar e jejuar. Naquela época a palavra era transmitida oralmente, então vemos Deus orientando como ensinar aos filhos e como memorizar a palavra (Dt 6: 4-10). Ao longo de toda a história do povo de Deus,  nós vemos que esses recursos ajudavam as pessoas a se relacionarem com ele. Depois foi ficando mais estruturado.

Acompanhando a narrativa bíblica, vemos que as sinagogas e os cultos surgem. E depois, com Jesus, fica ainda mais claro, pois ele mesmo praticava essas disciplinas no seu dia a dia. Ele se retirava para orar sozinho, participava na sinagoga (Mc 1:21), ouvia a leitura do pergaminho, dos rolos e meditava nessas palavras. Vemos os próprios discípulos perguntando a ele como deveriam orar. Nas cartas de Paulo temos muitas orientações para nos esforçarmos em ter uma vida de devoção, na meditação, na oração, no ensino da palavra, no servir ao próximo e por aí em diante (Col. 1:9-12). Dessa forma, percebemos que as disciplinas estão presentes e são necessárias na vida dos cristãos desde sempre.

A prática das disciplinas espirituais enquanto esperamos em Deus

A maioria de nós pensa erroneamente que Deus irá nos transformar e que nós não precisamos fazer nada. E é por pensar assim que vemos tantos cristãos infrutíferos, imaturos e com uma fé superficial. Precisamos ver a relação que há na vida prática com a nossa fé.  E é aqui que as disciplinas entram. Para nos ajudar a trazer o foco do nosso dia a dia para Deus e a nos lembrar de uma maneira muito mais intencional que Ele existe. E nesse processo, o Espírito Santo irá nos transformar, mas agora conosco intencionalmente buscando isso. Você percebe a diferença?

As disciplinas espirituais nos ajudam em nossos momentos de espera. O que fazemos enquanto esperamos em Deus? As disciplinas são recursos que nos ajudam a ver que Deus está conosco enquanto esperamos nele. Estamos sendo formados a imagem de Cristo nessa espera. E as disciplinas espirituais são recursos que nos colocam intencionalmente em contato com Deus. Então enquanto esperamos nele, nós não ficamos sem fazer nada e apenas esperamos a ação do Espírito Santo. Não! É uma espera ativa.

Usamos nosso tempo, nossa energia, nossa mente. Nós nos submetemos à ação do Espírito Santo, consciente disso. Qual é o mínimo que se espera de um cristão? Que ele ao menos leia a bíblia e tenha uma vida de oração. Essas duas são as principais disciplinas espirituais de onde todas as outras se desenvolverão.  Não há desculpas para o exercício das disciplinas espirituais. 

Disciplinas Espirituais individuais e coletivas

Existem disciplinas que praticamos individualmente, como o silêncio. Para uma boa leitura e meditação da palavra, precisamos do silêncio. A solitude, onde nos retiramos para um tempo de oração a sós. Vemos no evangelho de Lucas, Jesus fazer muito isso. Uma disciplina que eu acho muito interessante é a simplicidade. Ela tem a ver com escolhas que fazemos. Porque temos a tendência de complicarmos e nos ocuparmos com tantas coisas ao invés de simplificar. O descanso é também uma disciplina que muitas vezes ignoramos.  

Temos disciplinas que praticaremos em conjunto, como o servir e a submissão. Praticamos elas quando ajudamos e nos submetemos uns aos outros no serviço mútuo. A memorização  e o estudo da palavra também são disciplinas que praticamos no coletivo. Enfim, são muitas opções para nos ajudar a abranger uma vida de devoção para todo o nosso dia, para toda a nossa semana. E não apenas no domingo ao irmos para o culto, por exemplo. Tem a ver com a nossa rotina de vida. Afinal, somos cristãos em tempo integral e não apenas aos domingos.

Exercer as disciplinas de forma errada

O que dá sentido ao nosso tempo? Como enxergamos a realidade de nossa vida? O que buscamos para trazer felicidade à nossa vida? Se essas questões não estiverem baseadas na revelação de Deus na palavra, tudo o que fazemos ao longo do nosso dia estará distorcido. E a nossa prática das disciplinas estará também. Sabe como? Quando praticamos as disciplinas como barganha com Deus. Por exemplo: vou fazer jejum porque eu quero que Deus faça tal coisa por mim.  

Essas distorções nas práticas espirituais estão ligadas a uma compreensão errada. Talvez hajam pensamentos assim: eu sou uma pessoa boa, então vou fazer tal disciplina porque Deus vai se comprometer comigo no que eu quero. Em retorno ao que eu faço, Ele me dá algo. Como se as nossas obras mudassem a ação de Deus e o desejo dele em nos abençoar ou não. Corrija esse pensamento. Pois as disciplinas são recursos que usamos para nos moldar ainda mais a imagem de Cristo. Jesus é o nosso exemplo. Ele nos ensinou como nos relacionarmos com o Pai através de sua vida aqui. 

A prática das disciplinas nos molda à imagem de Cristo

A palavra nos ensina que Deus é Senhor sobre tudo e que Ele está agindo agora mesmo, redimindo todas as coisas, inclusive a nós mesmos.  Que Jesus veio, invadiu nossa realidade, morreu e ressuscitou e está à direita do Pai já reinando com poder sobre todas as coisas. Deus não está distante. Então até a redenção total, cada ação nossa importa porque está relacionada com a ação de Deus no mundo hoje. 

Por isso, praticar as disciplinas no dia a dia, nos molda à imagem de Cristo. Deus está conosco ao longo do nosso dia. Compreender isso é o primeiro passo para uma grande mudança em nossa renovação de mente. Não fazemos isso sozinhos, isso nos leva ao segundo passo, a nossa participação em uma comunidade de fé. A comunhão dos santos, pessoas que compreendem essa narrativa, essa realidade de vida, que ensinam umas às outras e incentivam umas às outras. Com o encorajamento mútuo, o carregar os fardos uns dos outros. Nos levando às práticas das disciplinas espirituais e assim estamos sendo moldados à imagem de Cristo. Refletindo a sua imagem ao servir a ele e ao próximo.

Que Deus ajude todos a viverem de forma digna ao chamado dele. Que possamos refletir sua imagem, sendo moldados pelo Espírito Santo. Deus está ativo nesse processo de nos transformar. Que alegria saber disso.

Originalmente publicado em 06 de Agosto de 2021

Qual o objetivo de se praticar as disciplinas espirituais uma vez que já estamos salvos em Jesus Cristo? A resposta para este questionamento já levou muitos de nós para algum desses caminhos diferentes em um momento da nossa vida: o de condenação e o de espiritualidade sadia.

O caminho da condenação nos fez acreditar que poderíamos ser salvos e justificados pelas nossas próprias obras, ao praticar as disciplinas espirituais. Nos sentimos orgulhosos e poderosos, porque “parecíamos” mais santos do que os outros. Isso é semelhante aos fariseus que Jesus descreveu, orando e jejuando com um coração cheio de orgulho pelo seu sacrifício espiritual.

Por outro lado, podemos aprender com o Senhor Jesus que nos tornamos cada vez mais maduros em nosso relacionamento de intimidade com Deus quando praticamos as disciplinas espirituais, diferentemente dos fariseus que usavam as  disciplinas com o interesse de se autopromover.

 

Disciplinas espirituais: um caminho para a maturidade

 

Quando pensamos na palavra “disciplina”, geralmente, o que vem à nossa mente de imediato é uma ideia de sacrifício e perseverança. E logo nos lembramos da disciplina empenhada por atletas que precisam de alta performance para alcançar seus objetivos.

Eles se exercitam para que seu corpo seja capaz de corresponder ao máximo em curto tempo e sob pressão. Sua alimentação é balanceada e sua rotina é bastante abnegada, para serem capazes de ganharem um prêmio.

Nesse caso, eles entendem que o resultado não será imediato, mas demandará tempo e repetição no secreto, longe dos olhos das pessoas. Exigirá mudança de hábitos e constância para se aperfeiçoarem a cada dia. 

Aprendi com um querido pastor que assim também funciona a nossa vida espiritual. As disciplinas espirituais funcionam como esse preparo físico do atleta. Ela é o caminho para a maturidade. A maturidade espiritual não é medida pelo muito saber, mas pela obediência, por um coração que ouve as palavras de Cristo e as pratica.

Da mesma forma que ocorre com os nossos músculos ou com novos hábitos que desejamos agregar e que exige repetição, assim também a precisamos exercitar a nossa vida espiritual. Mas para qual objetivo?

 

Disciplinas espirituais: fortalecidos em nosso homem interior

 

Jesus tinha uma vida exterior e pública capaz de atender aos necessitados e de conversar com os doutores da lei, nutrida por uma vida interior prática. Ele só poderia fazer milagres e transmitir a sabedoria e a salvação do Reino de Deus, depois de anos praticando sua espiritualidade no secreto, ou até mesmo antes de tomar algumas decisões ou de falar. 

Pois Eu não tenho falado por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me deu ordens sobre o que Eu deveria dizer e o que proclamar. João 12.49

Ele nos ensinou a ouvir as suas palavras e as praticar comparando com alguém que constrói a sua casa na rocha. Os cristãos que não praticam as suas palavras constroem sua casa na areia. As tempestades da vida virão e eles estarão suscetíveis a cair por qualquer vento.

O objetivo de praticar as disciplinas espirituais é fortalecer nosso homem interior.

Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia. 2 Coríntios 4:16

 

Disciplinas espirituais: uma vida de intimidade com Deus

 

Praticar as disciplinas espirituais não é uma caminhada solitária, mas intencional. É uma jornada que percorremos na companhia do Espírito Santo de Deus nos levando à estatura do varão perfeito que é Cristo.

Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Efésios 4:13-15

Não se trata de práticas para obter salvação, porque já somos filhos amados de Deus. Também não se trata de uma tentativa de sermos mais amados por Deus, porque já fomos comprados pelo seu sangue. Trata-se de uma graça divina, que apesar de gratuita, é de alto preço. 

Praticar as disciplinas espirituais é um convite de Cristo para todo cristão que deseja seguir os passos de seu Mestre e vivermos a vida abundante, pisando em cada pegada deixada pelo caminho, até nos tornarmos como ele e nos encontrarmos na glória.

 

Conclusão

 

A prática das disciplinas espirituais não tem o objetivo de nos tornar introvertidos ou alienados do mundo, mas de despertar nosso interior para saborearmos melhor a realidade que Deus criou. Neste processo, a Shalom de Deus equilibra os amores do nosso coração para buscarmos a Deus acima de todas as coisas e amarmos o nosso próximo como a nós mesmos.

Não percebemos o quanto os amores constantemente moldam nossos desejos. Por mais que saibamos o quanto nossa cultura imediatista preza pelo consumismo, não nos damos conta do quanto nosso interior é orientado por esses padrões. As disciplinas espirituais vão na contramão disso. Quanto mais buscamos viver os passos de Jesus, mais encontramos nele o tesouro da vida.

Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo. Gálatas 6.14

 

O principal objetivo das Disciplinas Espirituais é nos fazer parecidos com Jesus. A verdade é que não precisamos “adivinhar” quem Deus É, como Ele age e qual é o seu caráter. Mas podemos conhecê-lo se andarmos com Ele. As Disciplinas Espirituais ajudam nesse processo, que também é possível chamar de santificação.

Boa parte de nós teme a palavra disciplina! Talvez por ela ter sido aplicada em um contexto de injustiça. Por exemplo, quando eu era criança, levei algumas surras e era natural ouvir minha mão dizendo: “Estou te disciplinando porque te amo e não quero ver você sofrendo!”. Sim, eu sei que essa era a verdade profunda do coração dela, mas isso não anula as surras que foram dadas de forma injusta. Por outro lado, posso dizer que em outros momentos, a disciplina aplicada trouxe grande ensino e me fez crescer em maturidade.

Antes de mais nada, é importante entender que a disciplina não é um castigo e nem precisa ser um suplício. Afinal, quantas pessoas têm sido extremamente disciplinadas quanto a sua vida profissional a fim de realizar seus objetivos particulares e de negócios? E por que boa parte dos cristãos encontram grande dificuldade para se esmerar em sua vida com Deus? Simples: a luta contra carne continua por aqui! Saiba, porém, que as Disciplinas Espirituais é um meio de graça que o Senhor nos deixou para crescermos em nosso relacionamento com Ele.

 Quais são as Disciplinas Espirituais?

“Disciplinas Espirituais são as disciplinas pessoais e corporativas que promovem crescimento espiritual. São hábitos de devoção e cristianismo experimental que têm sido praticadas pelo povo de Deus desde os tempos bíblicos.”  Donald S. Whitney

Quando nos referimos a este termo, estamos falando a respeito de: leitura e estudo da palavra, oração, jejum, solitude, doar generosamente, comunhão e adoração. São ações práticas da fé que motivadas por amor profundo a Deus gera transformação pessoal.

Segundo Donald S. Whitney, “Deus usa três catalisadores básicos para nos mudar e nos conformar à semelhança de Cristo, mas somente um pode ser amplamente controlado por nós.”

Catalisadores de transformação:

O primeiro catalisador destacado por Donald são as pessoas: “Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro (Provérbios 27:17). O Senhor usa os relacionamentos nos ensinando a amar até mesmo os nossos inimigos. Somos aperfeiçoados e crescemos através da comunhão dos santos. Aprendemos a receber perdão e a perdoar.

O segundo, são as circunstâncias: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito” (Romanos 8:28). Nada acontece sem a permissão do Senhor e mesmo em meio às pressões do dia a dia e aos problemas que enfrentamos, temos esperança e convicção de fé. Entendemos que nada pode nos separar do amor de Deus e sabemos que o Senhor está sempre conosco.  

Estes dois catalisadores são externos e não é possível ter controle sobre eles. Porém, quando se trata do terceiro, das Disciplinas Espirituais, Deus age em nós de dentro para fora. Além disso Donald afirma:

“As Disciplinas Espirituais também diferem dos outros dois métodos de mudança porque Deus nos concede uma medida de escolha a respeito do envolvimento com elas. Nós muitas vezes temos pouca escolha em relação às pessoas e circunstâncias que Deus traz às nossas vidas, mas podemos decidir, por exemplo, se iremos ler a Bíblia ou jejuar hoje.”

 Buscando santidade através das Disciplinas Espirituais

“Não devemos simplesmente esperar pela santidade, devemos buscá-la.” Donald S. Whitney

Não podemos pensar que a santidade cairá de paraquedas sobre nós ou que fluirá milagrosamente do nosso interior sem que Cristo seja a nossa primazia. Em The Cost of Discipleship (O Custo do Discipulado), Dietrich Bonhoeffer deixa claro que a graça é grátis, mas não é barata. Além disso, existe um propósito para a manifestação da graça.

“Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos. Ela nos educa para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos neste mundo de forma sensata, justa e piedosa, aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo. Ele deu a si mesmo por nós, a fim de nos remir de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, dedicado à prática de boas obras. Tito 2:11-14

Jesus pagou um alto preço para que tivéssemos acesso ao Pai. Nós podemos nos relacionar com o Senhor e isso acontece através da meditação (estudo e leitura da Palavra), da oração, da adoração, e de uma vida de fé condizente com as escrituras. Sim! Não é pelo nosso esforço humano que chegamos a Deus, é pela fé, e pelo mover do Espírito Santo em nós. Mas, é neste lugar de ligação que o Senhor deseja nos manter.

Jesus afirmou que só daremos frutos se permanecermos ligados na videira (João 15). Mas lembre-se, o propósito de seu coração é que sejamos seu povo exclusivo e dedicado à prática de boas obras. As Disciplinas Espirituais são importantes para crescimento em santificação. Por este motivo, apresentarei algumas delas neste devocional.

Disciplinas Espirituais: Meditação na Palavra

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o servo de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” 2 Timóteo 3:16,17

A Bíblia é o Livro de Deus. Com ela podemos conhecer o Senhor. Podemos aprender sobre o caráter e o coração do Pai e a respeito do Filho. A Bíblia exorta, mas também consola. Ele refrigera a nossa alma e nos ensina como proceder em amor. 2 Coríntios 3:6 nos diz que a letra mata, mas o Espírito vivifica. Não se pode compreender a Palavra sem a revelação do Espírito Santo.

Para ter consistência no relacionamento com as Escrituras é importante encontrar tempo para a leitura. Sabia que se ler 15 minutos por dia, terá lido a Bíblia toda em menos de 1 ano? E se ler 5 minutos por dia, lerá a Bíblia toda em menos de três anos. Ter um plano de leitura te ajudará a manter o foco. Além de lê-la, aprenda a meditar nela. O que isto quer dizer? É preciso parar para refletir sobre o ensino.

Saiba, porém, que a Bíblia foi escrita por homens usados por Deus, em um determinado tempo e para pessoas e situações específicas. No Método Indutivo do Estudo Bíblico, por exemplo, aprendemos a:

  • Observar – o que o texto diz
  • Interpretar – o que o texto significou para os ouvintes primitivos e,
  • Aplicar – o que o texto significa para nós hoje.

Apenas se lembre que, como descrito no Salmo 1, aquele que tem prazer na lei do Senhor e nela medita de dia e de noite, será como uma árvore plantada junto a corrente de águas, que dará fruto.

Disciplinas Espirituais: Oração

“Dediquem-se a oração” Colossenses 4:2

“Orem continuamente”1 Tessalonicenses 5:17

Orar é uma forma de amar. Pois, quando nos colocamos diante do Senhor, nós falamos sobre o que pensamos, sentimos, desejamos, mas também aquietamos a nossa alma para ouvir o Pai, e aprendemos a orar com o Espírito Santo. Além disso, Jesus já esperava nossas orações, assim como os nossos jejuns. Afinal, está escrito:

“E quando vocês orarem…” Mateus 5:5

“Mas quando você orar…” Mateus 6:6

“E quando orarem…” Mateus 6:7

“Vocês, orem assim…” Mateus 6:9

 “Por isso lhes digo: Peçam;… busquem;… batam…” Lucas 11:9

“Então, Jesus contou aos seus discípulos… que eles deveriam orar sempre…” Lucas 18:1

Mais que uma imensa lista de pedidos egoístas, a oração nos dá oportunidade de entrar em parceria com Deus para orarmos segundo a sua vontade e conforme a sua Palavra. Falamos de volta para Ele o que Ele já tem falado sobre nós.

Disciplinas Espirituais: Jejum

“Quando vocês jejuarem, não fiquem com uma aparência triste, como os hipócritas; porque desfiguram o rosto a fim de parecer aos outros que estão jejuando. Em verdade lhes digo que eles já receberam a sua recompensa. Mas você, quando jejuar, unja a cabeça e lave o rosto, a fim de não parecer aos outros que você está jejuando, e sim ao seu Pai, em secreto. E o seu Pai, que vê em secreto, lhe dará a recompensa.” Mateus 6:16-18

Outra Disciplina Espiritual é o jejum, o que não é apenas se abster de alimentos para perder alguns quilinhos. A abstinência voluntária tem um propósito espiritual. Na Bíblia, existem jejuns particulares, congregacionais e até nacionais, chamados por uma liderança e com o fim de arrependimento, por exemplo.  Mas, existem outros exemplos bíblicos de jejum e te encorajo a pesquisar sobre eles.

Jesus disse que os seus discípulos jejuariam quando chegasse a hora. Ele também nos ensinou um padrão de jejum, que como tudo que diz respeito às Disciplinas Espirituais, tem a ver com a motivação do coração. Se orarmos, lemos a palavra ou jejuarmos apenas para sermos vistos pelos homens ou para cumprir uma regra, então, já recebemos a nossa recompensa. Entretanto, tudo que for feito em secreto será recompensado pelo próprio Deus.

Originalmente publicado em 13 de agosto de 2021

“Quem creu na nossa pregação? A quem se manifestou o braço do Senhor?” Isaías 53:1

 

Isaías 53 já começa sugerindo que a incredulidade é a resposta natural do homem ao evangelho. Ou seja, o motivo pelo qual nós precisamos de um Salvador é porque a natureza humana naturalmente não crê em Deus. Isso não serve apenas para aqueles que não conhecem Jesus. Por isso precisamos entender que a incredulidade é tragicamente normal. 

 

A vinda de Jesus ao mundo foi anunciada por anjos, as boas novas que traziam alegria. Logo, era esperado que todos abraçassem essa notícia com alegria. Mas a verdade é que ao redor do mundo, em toda cultura, a resposta dominante ao evangelho é a incredulidade. 

 

Um jovem universitário que prega para seus colegas, um pastor que abre uma igreja em lugares onde ninguém quer ir, irão enfrentar a incredulidade do coração humano, pois naturalmente as pessoas não querem Jesus. 

 

O homem natural não aceita as coisas de Deus

O homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, pois lhe são absurdas; e não pode entendê-las, pois se compreendem espiritualmente. 1 Coríntios 2:14

 

Nós vivemos em um mundo de incredulidade e isso não deveria nos surpreender, pois o homem natural não consegue aceitar as coisas de Deus pois elas são absurdas. Se um homem debaixo da inspiração direta do Espírito Santo, como Isaías, teve a sua mensagem rejeitada, quanto mais o ministério da pregação nos dias de hoje.

 

Como disse o profeta Isaías

Quando Paulo vai a Roma pregar o evangelho ele diz, “Quão belos são os pés daqueles que anunciam as boas novas”  (Romanos 10:15b). Mas Paulo, mesmo sendo o principal missionário de seu tempo e pregando o evangelho debaixo do poder do Espírito, ainda assim percebeu que a resposta imediata à sua pregação era a incredulidade. Assim, ele cita o texto de Isaías:

 

“Mas nem todos deram ouvidos ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem deu crédito à nossa mensagem?” Romanos 10:16

 

Até mesmo Jesus, no capítulo 12 de João vai dizer que mesmo tendo feito tantos sinais, as pessoas não creram nele, para que assim, pudesse se cumprir o que o profeta havia dito.

 

Logo, ninguém poderia ter ouvido de forma mais convincente do que os que ouviram Isaías. Assim como ninguém poderia ter percebido o evangelho do Reino de Deus de maneira mais convincente do que os que viram os milagres pelas mãos do próprio Cristo e também, ou até mesmo os que ouviram a pregação do missionário Paulo. Contudo, mesmo diante disso, a resposta dominante ao Ministério desses três homens foi a incredulidade.

 

A incredulidade é ofensiva para Deus

Mas, quanto aos covardes, incrédulos, abomináveis, homicidas, adúlteros, feiticeiros, idólatras e todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte. Apocalipse 21:8

 

A grande verdade é que aqueles que permanecerem na incredulidade estarão perdidos para sempre. Assim, não importa o quão perfeita seja a minha conduta, o incrédulo não herdará o Reino de Deus, pois a incredulidade é ofensiva para o caráter de Deus.

 

Em 1 João 5:10 vemos que aquele que não crê no testemunho do Filho torna o próprio Deus mentiroso, pois não crê no testemunho que Deus dá de seu Filho. Aquele que não crê, diz em outras palavras “não creio, porque acho que a sua mensagem é mentira”. 

 

Sendo assim, a incredulidade é ofensiva para Deus porque desafia o mandamento de Deus por meio do Evangelho:

 

“Ora, seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo e amemos uns aos outros, assim como ele nos ordenou”. 1 João 3:23

 

A incredulidade não muda o caráter de Deus 

A incredulidade manterá milhões de pessoas fora de uma eternidade redimida com o Senhor. Ninguém pensa na “incredulidade” quando a palavra “pecado” é mencionada, portanto ela vai manter mais pessoas fora do céu do que o homicídio e o adultério, por exemplo. Logo, nenhum veneno é mais mortal do que a incredulidade, pois o mentiroso pode vir a crer, o homicida e o adúltero podem vir a crer, mas para o incrédulo não há saída. 

 

Portanto, não importa o quão intensamente alguém habite na intensidade, isso não mudará nada a respeito de Deus. Isaías 53 começa perguntando “quem vai acreditar”, mas termina dizendo que no fim, Cristo triunfará. Assim, depositando a fé nele, ou não depositando, Ele triunfará.

 

Então, como crer?

Como podemos ter fé em Cristo Jesus e crer que ele é capaz de mudar circunstâncias na nossa vida? Como crer que Ele é capaz de trazer redenção para o coração do pecador? A resposta está também no versículo 1:

 

A quem se manifestou o braço do Senhor?” Isaías 53:1b

 

Precisamos entender que a fé é formada pelo braço do Senhor. Ele é quem trabalha em prol do seu povo e é o braço do Senhor que nos ajuda a crer na Sua obra.

Antes de tudo, nós sabemos – teologicamente – que Deus é Espírito. Então, isso quer dizer que Deus não tem literalmente um braço como o meu ou o seu. Logo, quando Isaías fala sobre manifestar o braço do Senhor, na verdade, nós estamos sendo agraciados por Deus ter escolhido falar em uma linguagem que nós pudéssemos entender.

 

O braço do Senhor

Nós temos referência do braço do Senhor várias vezes na Bíblia, todas apontando para poder, força, cumprir a vontade de Deus. Por exemplo, quando Deus libertou seu povo do Egito, Deus diz a Moisés:

Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o Senhor, e vos tirarei de debaixo das cargas dos egípcios, e vos livrarei da servidão, e vos resgatarei com braço estendido e com grandes juízos. Êxodo 6:6

 

Assim, Deus falou com Moisés em uma linguagem que o povo pudesse entender. E isso significava que Deus faria algo, e que se Ele não fizesse, seria impossível sem o seu intermédio.

Quando Isaías fala do braço do Senhor nesse capítulo, ele está claramente descrevendo o que Deus faria por meio do Filho.

 

 A obra do servo sofredor

Os próximos versículos de Isaías 53 vão nos contar sobre a obra do servo sofredor. O Pai executaria a força do forte braço Dele por meio do Filho. Isaías 53 é sobre como o Filho abraçaria a vontade do Pai.

Então, quando o povo crê em Jesus, isso acontece porque o Espírito Santo revelou o braço do Senhor.

 

Peça por fé

Assim, quem luta com a incredulidade, saiba que o braço do Senhor está estendido, e a salvação vem do Senhor.

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Efésios 2:8

Logo, se a salvação é por meio da fé, o que acontece com a pessoa que tem incredulidade para crer? Acontece que a  é um presente, é um dom, é algo que Deus dá. Isto é, a fé é algo que Deus oferece para que possamos vir a Cristo.

Então, se a incredulidade é a nossa resposta natural, resta-nos pedirmos ao Senhor: “Dá-me o dom da fé”, assim poderemos ter a capacidade de crer.

Peça ao Senhor que Ele estenda o Seu braço sobre sua vida, e peça por fé, pois o Espírito de Deus é capaz de lidar com a nossa incredulidade.

 

Que Deus te abençoe!

 

>> Assista a pregação completa clicando aqui

Sabe aquele elefante no meio da sala? Aquele assunto que quando tocado pode deixar o ar mais rarefeito e pesado? Capaz de instigar a hostilidade ou defesas em algumas pessoas? O papel, a visão e a dinâmica da mulher no meio cristão e não cristão, é um desses assuntos. Homens falam “pisando em ovos” para não se expressarem de maneira que desagrade o sexo oposto. Mulheres, por outro lado, se armam mantendo a defensiva e esperando que alguém diga algo que as inferioriza pelo seu gênero. 

Todavia, precisamos falar de algo superior a visões e interpretações sobre a feminilidade contemporânea e nossa própria opinião. 

E essa conversa é diretamente para nós, mulheres. Para comemorarmos esse dia, resta a pergunta: 

O que ainda nos ofende com relação a quem somos? Qual realmente é o problema com o papel que Deus nos deu na história Dele?

Esse texto é um convite para sondar o coração, fazer as pazes com a forma como você foi criada e te chamar à liberdade de estar satisfeita com o olhar do Senhor 

É inegável que a mulher durante a história da humanidade tenha sido abusada, agredida, e diminuída – é realmente lamentável. Logo, isso causou um efeito rebote que nos traz o senso que precisamos nos defender, que seremos atacadas e não seremos vistas. Porém, alguns cenários bíblicos tem grande potencial de trazer paz sobre isso. 

 

O PONTO DE TENSÃO

Primeiramente vamos identificar qual o ponto de tensão nesse assunto. Quando se trata da visão sobre o que é a mulher, a Bíblia nos dá características como: ajudadora, virtuosa, maternal e auxiliadora. Foram as mulheres que mais apareceram abençoando o ministério de Jesus. Elas também são convidadas a submissão, enquanto são amadas e zeladas por seus maridos. As mulheres também foram as escolhidas para gerarem filhos, por causa disso uma mulher carregou Deus Filho em seu ventre, e as descrições ainda vão longe.

Porém, mesmo com uma longa lista de qualidades, ainda existem mulheres que se ofendem com o fato de não terem recebido os encargos e características que os homens têm. Ou seja, ofendem-se com o fato de que existe uma outra lista de caracteristicas que Deus decidiu distribuir ao sexo masculino. Mas nem A Bíblia e nem mesmo Deus, classifica essas características como superiores ou inferiores. Pelo contrário, são complementares, interdependentes e divinamente orquestradas.

 

O ORGULHO DA FEMINILIDADE FERIDA

Se analisarmos bem, a ofensa e a tensão podem surgir de um lugar de orgulho e prepotência em sermos auto suficientes e completas em nós mesmos. Mas, esse não é o plano e o padrão de Deus, nem para homens e nem para as mulheres. Nesse anseio, regredimos à tentação do Éden de querermos ser iguais a Deus. A frustração nasce da insatisfação de achar que Deus não nos criou suficientes e nem nos deu a melhor parte – isso é nitidamente uma mentira.

Em outras palavras, o que essa ofensa aponta é a crença prepotente que Deus errou. Pensar que  foi injusto e que faríamos melhor decisão se estivéssemos no lugar Dele. Atitude bem parecida com a que levou Eva comer o fruto e dar para Adão. 

O que nosso ego vazio e orgulhoso tem dificuldade de lidar é com a ideia de que exista algo melhor ou superior a nós. E como cristãs, devemos rejeitar essa tendência egóica que nos faz crer que para o nosso valor ser validado precisamos ser superiores.

Dessa forma, o principal problema que isso nos causa é o peso de termos que lutar por nós mesmas e sermos redentoras de nós mesmas. Isso não funciona!

 

JESUS E AS MULHERES

Frequentemente, vemos nos Novo Testamento as histórias dos encontros de Jesus com algumas mulheres.  E sabe o que não vemos em nenhum momento? Ele as inferiorizando, abusando ou oprimindo. Jesus é o homem perfeitamente de acordo com o plano original de masculinidade, tratando mulheres imperfeitas perfeitamente de acordo com o plano original de feminilidade. 

Jesus é amigo de mulheres das quais ele ama (como Marta e Maria). Ele dá lugar a Maria junto a Ele (Lc 10:42), o vemos defendendo uma mulher das más línguas (Jo 8:1-11). Como filho, provê  companhia para sua mãe na hora da cruz (Jo 19:26-27). Ressurreto, aparece primeiramente as mulheres e ainda as envia a proclamar boas novas (Jo 20:11-18). Jesus se emociona junto com a emoção delas (Jo 11:33), aponta seus erros para transformação (Jo 4), lhe cura de doenças femininas sem envergonhá-la – como a mulher do fluxo de sangue (Mc 8:28-34).

E sabe o que não acontece em nenhum desses episódios? Ele não milita em favor da valorização das mulheres, ele não justifica seus atos por estar agindo em favor de mulheres. Porque parece ser muito óbvio para ele a forma como ele as vê e como elas devem ser tratadas. Ele se encarrega de valorizá-las sem ter que superiorizá-las. Elas são únicas, pessoalmente especiais e dignas por causa de quem as criou. Ele não justifica o óbvio, apenas o vive e expressa seu lugar.

O OLHAR DE JESUS É SUFICIENTE?

Para combater a ofensa egoísta, o convite hoje é se satisfazer com o olhar do Senhor sobre você, mulher. Ele tem uma opinião tão doce e firme sobre a forma como ele  criou você. Que tal abrir mão do orgulho e do encargo de se auto afirmar e se satisfazer na suficiência do seu olhar? A opinião dele te basta? Paulo aprendeu sobre isso e descreve:

 

Pouco me importa ser julgado por vocês ou por qualquer tribunal humano; de fato, nem eu julgo a mim mesmo. Embora em nada minha consciência me acuse, nem por isso justifico a mim mesmo; o Senhor é quem me julga. 1 Coríntios 4:3,4

Nos episódios em que Maria é criticada por estar aos pés de Jesus ou ouvindo suas palavras (Lucas 10:39-42) ou lavando seus pés (João 12:3), ela não abre a boca para se defender. Seus críticos achavam que ali não era o lugar dela, ela deveria ir pra cozinha ajudar na refeição e também não deveria desperdiçar o perfume caro daquela maneira. Todavia, quem a defende é Cristo. E seu olhar e validação sobre ela é suficiente para que ela permaneça onde estava, sem se ofender com os que a criticavam.

VOCÊ NÃO PRECISA SER SUFICIENTE

O convite aqui não é uma negligência às lutas sociais contra feminicídios, abusos e opressões direcionados às mulheres. Isso é injustiça e o Senhor se compadece e luta contra isso. O chamado é para que se tratando do seu valor, você descanse no olhar daquele que te criou e se deleita em você. 

É um chamado para não mais lutar pela autopreservação do seu ego. É um encorajamento a desfazer amizade com a ofensa e fazer amizade com o plano de Deus para a forma como você foi criada.

Nosso valor e dignidade não estão em sermos mulheres ou homens, em sermos superiores ou inferiores, nosso valor consiste em Quem nos criou – homem ou mulher. É obra da Graça e não do nosso gênero. Não precisamos ser suficientes, porque Ele já é.

Quero apresentar para você a Bíblia, uma amiga da alma, uma das melhores amigas que você pode ter para o seu desenvolvimento e crescimento espiritual. Portanto, se cuidamos tão bem dos nossos bens, das nossas carreiras e nossos sonhos, deveríamos cuidar ainda mais da nossa alma, daquilo que traz crescimento verdadeiro para nós. 

Vemos que Paulo, em Colossenses 3:16, faz um pedido para a igreja:

“A palavra de Cristo habite ricamente em vós, em toda a sabedoria, ensinai e aconselhai uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando Deus com gratidão no coração”. 

Aqui, ele fala a respeito da Palavra de Cristo, sendo assim, é preciso entender a relevância de termos a Palavra de Cristo habitando em nós, não de forma mediana, mas de forma rica, abundante, exagerada. É isso que Paulo está falando:

“que a Palavra de Cristo esteja em vocês, dentro de vocês. Que seja experimentada e vivida no coração e na alma de vocês – intimamente, ricamente – para que quando vocês se reunirem como igreja, como família, como corpo, vocês deem glória a Deus, aconselhem uns aos outros com sabedoria, louvem a Deus com gratidão”. 

Paulo eleva o padrão de ser crente e diz que conhecer Jesus é ter a Bíblia habitando dentro de vocês de forma rica. 

O que é Palavra de Deus?

Mas quando as pessoas falam “Palavra de Deus”, qual é o real significado? 

Hoje, a Bíblia é para muitos um manual de autoajuda, um livro de dicas de como viver a vida. Todavia, se a Bíblia é tratada dessa forma por nós, precisamos rever o que pensamos dela e que papel ela tem tido em nossas vidas.

Há quase 2 mil anos a igreja acredita que a Bíblia é a Palavra de Deus inspirada, inerrante e perfeita para nós. 

Mas além de projeções de carreira e de sonhos com o futuro, que possamos amadurecer espiritualmente na Palavra de Deus e que a Bíblia tome um lugar de importância e prioridade na nossa vida individual.

Nosso pastor é Jesus e precisamos conhecê-lo através da palavra 

No livro de Hebreus vemos que antes, Deus falou conosco por meio dos profetas, mas hoje Ele fala por meio do Filho. Deus fala por meio de Jesus! Como você conhece Jesus? Conhecendo a história de Jesus, o seu comportamento, as suas palavras. Como ele reagiria nessa situação? O que será que ele tem para falar sobre a minha vida, minha circunstância, minha caminhada, minha jornada, minhas escolhas e meus relacionamentos? Assim você conhece a Jesus, falando para Jesus: “Senhor, me leva nessa aventura de conhecer o que o Senhor pensa a respeito da minha vida e de quem eu sou”. 

Medite na Palavra de Deus 

Jesus, em João 15, quando fala aos discípulos, diz assim: “permaneçam em mim e nas minhas palavras”. Ele diz: “a prova que vocês me amam é vocês obedecerem às minhas palavras”. Eu não tenho como obedecer a algo que não conheço, não medito, não leio, não vivo, não como. Logo, a Palavra de Deus precisa, de fato, se tornar a Palavra de Deus para nós. Nós precisamos ouvi-la e meditar nela. 

A Palavra tem poder para mudar nossos destinos hoje. Mas não podemos esbarrar nela de vez em quando, não podemos tratar ela como um livro de autoajuda. Não podemos tratar a Bíblia como um pesque-pague, no qual você pega o que lhe agradou e o que não agradou, você solta. Contudo, nós precisamos nos comprometer e nos submeter à plenitude do que a Palavra diz. Precisamos nos submeter à tudo o que ela nos chama a viver. 

A oração de Paulo aos colossenses era: “que a Palavra de Cristo esteja dentro de cada um de vocês de forma rica”.

João, em 1 João 2:14, diz assim:

“Filhinhos, eu lhes escrevi porque vocês conhecem o Pai. Pais, eu lhes escrevi porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno”.

Logo, você quer vencer tentação do pecado na sua vida? João deu o segredo: vocês são fortes não porque vocês são bons, justos ou corretos. Vocês são fortes porque permitiram que a Palavra de Deus habitasse em vocês e a força que vocês têm vem do habitar e do viver a Palavra de Deus dentro de vocês; do conhecer a Palavra da Verdade. Então, quer uma solução para vencer o pecado na sua vida? Se encha da Palavra de Deus, se encha da riqueza da Palavra de Deus. Permita que a palavra de Deus habite em você ricamente. Esse é o segredo de João! 

O que é a verdadeira espiritualidade? 

Não temos nem ideia do quanto podemos ser úteis para o corpo de Cristo se conhecermos a Bíblia. Você procura uma igreja que seja útil para você, que sua família seja bem instruída, que seus filhos possam receber a Palavra. Mas já se perguntou se você é útil ou se tem contribuído para sua igreja local? Você já parou para pensar o que você tem que sua igreja local possa estar precisando? A melhor coisa que você pode fazer para a sua igreja e para o corpo de Cristo é conhecer a Bíblia.

Um dia você pode estar no supermercado e encontrar um irmão da igreja que está com problemas em casa e você, que está com a Palavra habitando ricamente dentro de você, pode levar uma palavra de encorajamento para seu irmão. Muitos problemas iriam embora da igreja se nós conhecêssemos a Palavra de Deus. Há homens de Deus para nos ajudar a caminhar, sim. Mas quanta dor de cabeça evitaria na sua vida, se você conhecesse a Bíblia? Nela há um convite para um diálogo e um relacionamento com Jesus, por meio do Espírito Santo. 

Como saber se você está lendo a Bíblia e orando o suficiente? 

Eu nunca conheci alguém que ama orar, e não ama ler a Bíblia. E nunca conheci alguém que lê muito a Bíblia e não ama orar. Esses dois andam juntos. São as duas asas do mesmo avião. Se você é alguém que ama o lugar de oração – na sua casa, no seu quarto, na igreja local – provavelmente você ama a Bíblia. Se você sinceramente expõe seu coração à Bíblia diariamente, buscando nela conselho, instrução, buscando nela a vida, provavelmente você também ama orar.

Provavelmente, você ama o lugar de se encontrar com Jesus na sua devoção pessoal. Então, você quer saber se você lê a Bíblia o suficiente? Olhe para a sua vida de oração. Se a sua vida de oração está saudável, você está no caminho certo. Jesus falou isso. Ele dá uma solução para uma vida de oração. Ele fala: “se vocês permanecerem em mim e as minhas palavras permanecerem em vocês, vocês pedirão o que quiserdes, e lhes será concedido”. 

É preciso fazer da Bíblia prioridade diária 

Assim como separamos tempo para exercitar o corpo, para redes sociais e para cozinhar, precisamos separar tempo para a Bíblia. Quando me converti, em uma pequena igreja em Londres, conheci dois irmãos ex-muçulmanos, que haviam se convertido recentemente. Certa vez, nosso pastor conseguiu levar o evangelho para alguns familiares deles em seu país de origem. E quando eles recebiam a Bíblia, eles encaravam ela e a escondiam. A Bíblia se tornava alimento diário para aquelas famílias, passando de casa em casa, revezando entre os pais e os filhos. Eles reservavam os dias que eles tinham para conhecerem a Jesus por meio da Bíblia.

Nós, que muitas vezes temos mais de dez Bíblias em casa, achamos ser suficiente apenas esbarrar na Bíblia uma vez por semana. 

Não há presente melhor para sua vida com Jesus do que mostrar seu amor por Ele, conhecendo-o. Pois, do que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Igreja, a Bíblia é a melhor amiga da sua alma. Você quer preservar a sua alma? Conheça a Bíblia. Quer viver livre do pecado? Conheça a Bíblia. Quer saber o que Jesus sonha para você? Conheça a Bíblia. 

Ore por paixão pela Palavra

Oro por nós hoje que a Palavra de Cristo habite em vós ricamente. Peça a Jesus para que Ele te dê mais paixão pela Bíblia, que Ele tire as escamas dos seus olhos. Peça a Jesus para que Ele te leve nessa aventura, que Ele te deixe conhece-lo e conhecer o Espírito Santo. Conhecer sua história e não só o que Ele falou, mas o que Ele está falando agora. Deus quer falar com você por meio da Bíblia. 

 

Somos chamados cristãos por crermos e seguirmos Jesus, o Cristo. Nossa fé consiste em crer que Ele é Deus, encarnado.  Ou seja, se acreditamos que Jesus é além de um homem bom e altruísta que viveu na terra em algum momento, é realmente Deus, o que Criou e o que Sustenta todas as coisas pela palavra de sua boca. Então devemos dar importância e completa obediência a sua palavra e vontade, certo? É inegociável nos posicionarmos em cultivar um pensamento correto sobre Deus.

NOSSA MAIOR FRAQUEZA

Por que então vemos cristãos com o discurso e a prática tão confuso e desconecto? Por qual motivo não estamos mais parecidos com o Filho de Deus? Existe alguma razão para termos dentro da igreja opiniões diferentes sobre assuntos que a Bíblia já solucionou? A sensação que podemos ter as vezes é que cada cristão é seguidor de um Deus diferente.

Nos últimos anos tenho descoberto que o meu fraco entendimento de Deus é também minha maior fraqueza. E acredito que essa seja a resposta as peguntas acima. Assim, parte do processo de santificação tem sido encontrar em Jesus Cristo o conhecimento correto sobre Deus que redime, salva e restaura minha mente. E a resgata para o pensamento correto sobre Deus, sua vontade, sua natureza, obra, caráter e funcionamento. Se tornando a mais sublime fonte de força.

A questão aqui é:  como cristãos precisamos conhecer o nosso Deus. Não existe cristianismos real sem conhecimento de Deus (Jo 17:3). É impossível ter vida de oração consistente sem a beleza de Deus. Não existe obediência verdadeira sem entendimento do Senhor.

Como podemos corresponder a restauração do nosso pensamento sobre Deus? Listei três atitudes que considero importante para engajarmos nessa busca.

1 AJUSTAR A MOTIVAÇÃO

Acho importante tratar disso, pois diz respeito ao fundamento que estamos construindo algo. A pergunta é: por que eu quero conhecer a Deus? Por que eu quero estudar sobre Deus, ler livros, fazer um curso de teologia ou ir em um conferência?

A nossa motivação em conhecê-lo deve se centrar não em nós mesmos, mas Nele. Toda glória do nosso conhecimento deve voltar a Cristo. “Dele, por Ele é para Ele são todas as coisas”. A motivação errada pode nos levar ao orgulho e Paulo é objetivo em afirmar:

“[…] O conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica.Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como deveria. Mas quem ama a Deus, este é conhecido por Deus.” 1 Co 8:1-3

Sendo assim devemos conhecê-lo para amá-lo mais, obedecê-lo corretamente que é vivermos dignos Dele e adorá-lo como Ele é digno de ser adorado (Cl 1:9-10). Essa deve ser nossa motivação!

2 LEITURA CORRETA DA BÍBLIA

Deus já tomou toda iniciativa de se fazer conhecido. A Bíblia é a palavra de Deus. E Jesus é a expressão exata do ser de Deus (Hb1:3), a máxima do seu desejo de se revelar.

Já ouvi muito no início da minha caminhada que precisava ler a bíblia e ter insights, revelações extraordinárias sobre o que estava lendo, que precisava ler o que estava nas “entrelinhas”. Isso é claro trazia frustração na maioria dos dias, pois não funcionava de forma tão romântica assim.

Nada mudou mais minha maneira de ler a bíblia do que crer que o que está escrito e como está escrito é exatamente a palavra de Deus que ele quer que eu entenda, creia e aplique.

É inquestionável o fato que a Bíblia foi escrita em outra época e direcionada para um povo real naquele tempo. Sendo assim é necessário sim que busquemos estudar e conhecer o contexto e a história. Isso para que tenhamos um leitura bíblica correta e aplicável para nós hoje milhares de anos após sua escrita.

Por isso te encorajo: estude a bíblia, leia-a como ela é. Mas também estude cosmovisão cristã. Analise e limpe se for preciso a lente que você tem usado para ler a palavra de Deus. Invista em buscar uma teologia correta.

Lembre-se: como você entende você crer e como você crer você vive.

3 MEDITAÇÃO

A última prática que é eficaz que quero trazer aqui é meditar. Entre inúmeros conceitos sobre o que seja a meditação quero tomá-la aqui como: transformar em oração o conhecimento sobre Deus para assim torná-lo conhecimento de Deus.

É falar com Deus sobre Ele mesmo. Processar junto com o Espírito Santo o conhecimento. (Efésios 1:16-19). O teólogo e escritor J. I. Parker em seu livro O Conhecimento de Deus traz o conceito que cabe bem aqui:

Meditação é o ato de trazer a mente as várias coisas conhecidas sobre os procedimentos, as peculiaridades, os propósitos e as promessas de Deus: pensar, deter-se nelas e praticá-las na própria vida. É a atividade do pensamento santo conscienciosamente apresentado diante de Deus, sob seus olhos, com seu auxílio e como meio de comunhão com ele.

Sendo assim, o convite que vem do coração de Deus aos cirstãos é:

Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor. (Os 6:3). Essa é a vida eterna conquistada por Jesus para nós. 

Todo cristão genuíno deseja crescer em sua vida de oração. Mas, muitas vezes não sabemos como começar e nem qual é o nosso papel como intercessores. A intercessão é um chamado para todos os que amam a Deus, pois ela faz parte das disciplinas espirituais. Além disso, Jesus mesmo disse: “E, quando orares…” (Mateus 6:5). Essa afirmação  desperta  a nos colocarmos aos pés do Senhor e o buscarmos de todo o coração, tendo como óbvio que  não importa se a oração vai ser por duas horas a fio ou por trinta minutos.

Cada um de nós temos vivências e visões de mundo diferentes e como Corpo de Cristo podemos entrar em parceria com Deus para orar as coisas que Ele mesmo já afirmou. Há  um grande privilégio em aquietar e lançar diante dele todas as ansiedades da alma, tanto a nosso respeito como sobre as coisas que estão acontecendo na terra. 

Em Ezequiel 22:30 vemos Deus buscando alguém que se colocasse na brecha para que aquela terra não fosse destruída:

“E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei.” Ezequiel 22:30

Deus está buscando intercessores nos dias de hoje? Mas, como devemos orar?

O princípio da confissão

“Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor secou como no calor do verão. Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Eu disse: “Confessarei ao Senhor as minhas transgressões”; e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado.” Salmos 32:3-5

Neste texto Davi nos ensina como é importante reconhecer e confessar os pecados. Pois, o pecado aprisiona e, é um peso impossível de carregar. A vida se torna seca e não apenas a alma, mas até o corpo físico pode adoecer. Quando Davi se arrepende e reconhece diante de Deus a sua iniquidade ele se torna verdadeiramente livre. O peso é retirado.

Às vezes, nos esquecemos dessa verdade: não há nada que possamos esconder do Senhor. Mas, podemos e devemos ser intencionais em reconhecer quando falhamos e somos rebeldes. Quando confessamos  os nossos pecados, a mesma sensação de liberdade que invadia o coração de Davi encherá nossa alma de alegria. (Você também pode orar o Salmo 51)

Ousadia e fé

“Portanto, meus irmãos, tendo ousadia para entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos abriu por meio do véu, isto é, pela sua carne, e tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos com um coração sincero, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e o corpo lavado com água pura. Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel.” Hebreus 10:19-23

Você e eu temos uma voz diante do Senhor e temos a liberdade de entrar na presença de Deus todos os dias com amor, fé e ousadia. O  imenso sacrifício da Cruz de Jesus foi para nos levar de volta ao Pai e a Sala do Trono. Temos o coração purificado pelo sangue de Jesus, a certeza da salvação em Cristo e de que somos ouvidos por ele. Lembra o que está escrito em I Joãos 5:14? “E esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve.” Então, precisamos aprender sobre sua vontade e podemos descobrir essas verdades em sua Palavra.

Há uma vontade perfeita de Deus para nós e para as coisas que acontecem ao nosso redor e nós podemos acessar essa revelação através da oração e do estudo das Escrituras. Podemos declarar a Palavra da verdade sobre nossa família,  cidade, país e até sobre as nações.

Mas, como devemos orar?
Orações Apostólicas

Como já falamos, algo que faz parte do nosso DNA de Casa de Oração é orar a Palavra. Entre elas estão as orações Apostólicas. Uma de suas características é que as orações são centradas em Deus e não no pecado ou no diabo. São aproximadamente 25 a 30 orações Apostólicas no Antigo Testamento. Além disso, ela está focada na Igreja da cidade. Mesmo tendo o Apóstolo Paulo orado por indivíduos, eles usavam os mesmos termos das bênçãos impetradas às igrejas locais.

Por exemplo, quando oramos Efésios 3:16-21:

“Peço a Deus que, segundo a riqueza da sua glória, conceda a vocês que sejam fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito, no íntimo de cada um. E assim, pela fé, que Cristo habite no coração de vocês, estando vocês enraizados e alicerçados em amor. Isto para que, com todos os santos, vocês possam compreender qual é a largura, o comprimento, a altura e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que vocês fiquem cheios de toda a plenitude de Deus. Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!” Efésios 3:16-21

Pedimos a Deus que nosso bairro seja inundado pela sua plenitude e que nossos vizinhos possam ter a revelação da profundidade do amor de Deus por suas vidas. Oramos pela revelação de Cristo. 

Dicas práticas de como orar:

  • Procure um lugar propício e sem interrupções, que você se sinta à vontade;
  • Tenha um caderno de anotações, canetas e a Bíblia;
  • Providencie água, café ou suco;
  • Não há uma única forma de orar, saiba como você interage melhor com Deus;
  • Não tenha pressa, saiba que Jesus é o seu sábado, isto é: Nele você pode descansar. Se não tiver palavras que expressem o que você sente, ainda no silêncio, Jesus te escuta.
  • Escreva listas de orações e seja perseverante

“Orem sem cessar.” 1 Tessalonicenses 5:17

Conclusão:

Neste devocional refletimos a respeito de como devemos orar confessando nossos pecados  com ousadia e fé. Também falamos sobre a importância de orar a Palavra e as Orações Apostólicas.

Como tem sido sua vida de oração? Apesar dos desafios que nos cercam é muito importante nunca desistirmos e sempre retornarmos ao lugar da oração. Que possamos cultivar um coração que ame a Deus sobre todas as coisas.

Continue a ler sobre oração, aqui.

São 7 horas da manhã, você desliga o despertador e então vê uma notificação no celular. Curiosamente, decide ver o que é, e então, muitos minutos depois você se encontra distraído com a infinidade de conteúdos e acontecimentos do dia que acabou de começar. Logo, você levanta, toma um café, e se prepara para mais um dia. Rotina, horários, prazos, compromissos, reuniões, mensagens para responder, e distrações. Tudo isso te envolve e quando você percebe o dia já terminou e não houve tempo para “uma coisa” necessária: tempo com Jesus

Se você, por acaso, conseguiu se ver neste quadro, não se desespere tanto. Ainda há esperança! Eu amo saber que cada dia é uma oportunidade para mudar esta realidade. De maneira prática, uma forma de mudar isso é colocar na agenda um horário específico para leitura da palavra e oração. Sei que muitas vezes não temos uma hora inteira para isso. Mas temos quinze ou vinte minutos, o que certamente é melhor que não ter tempo algum para ter tempo com Jesus. 

“Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” Romanos 8:38-39

Como começar a fazer devocional

Você pode começar aos poucos e não existe uma fórmula certa para fazer seu devocional. Eu gosto de me assentar à mesa, pegar o meu “kit de devocional”: Bíblia, café, caderno de anotações. Às vezes um fone de ouvido e uma boa playlist de música instrumental. Então, basta escolher um versículo, ler, fechar os olhos e orar aquelas palavras. Vida, luz para o caminho, força, refrigério e direção. Tudo isso pode te envolver no momento em que você para tudo e volta seu olhar e coração para Cristo e Suas palavras.

Assim, a cada dia é possível conhecer um pouco mais, e o desejo de conhecer também aumentará. Quinze minutos viram trinta e de repente uma hora se passa e você se torna aquele que tem o prazer na Lei do Senhor. Tudo o que precisamos é de um começo, e este pode ser hoje mesmo. Entre no seu quarto e, fechando a porta, ore. Sem dúvida, você encontrará o prazer de estar com aquele que tudo sustenta com Sua palavra, e ela certamente te sustentará. 

“O menino ia crescendo e se fortificava: estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele.” Lucas 2:40

Assim, torne o hábito de ter tempo com Jesus sua rotina. Você descobrirá dia a dia quem Ele é. Deus te abençoe!

O que é avivamento? Qual o papel da oração?

Se você é cristão e tem acesso ao Instagram, certamente as notícias a respeito do que está acontecendo na Universidade de Asbury, em Kentucky nos Estados Unidos chegaram a sua timeline.

Na última quarta feira (8 de fevereiro) o que começou como um culto entre os alunos, tornou-se uma reunião de oração que já dura mais de 100 horas.

Ainda que seja cedo para chamarmos de avivamento o que está acontecendo, precisamos estar sensíveis ao despertamento que o Espírito Santo está promovendo e pensar em como devemos nos posicionar.

 

O que é um avivamento?

“não esperamos ver o avivamento de uma pessoa que está totalmente morta, e nós não poderíamos falar sobre reviver uma coisa que nunca viveu antes. É claro que o termo “avivamento” só pode ser aplicado a uma alma vivente, ou que já viveu alguma vez. Pois, ser avivado é uma bênção que só pode ser apreciada por aqueles que têm algum grau de vida. Aqueles que não têm vida espiritual não são, e não podem ser, no sentido mais estrito do termo, os sujeitos de um avivamento. Muitas bênçãos podem vir para o não-convertido em consequência de um avivamento entre os Cristãos, mas o próprio avivamento tem relação apenas com aqueles que já possuem vida espiritual. Deve haver vitalidade em algum grau, antes que possa haver uma ativação da vitalidade, ou, em outras palavras, um avivamento.”

Charles H. Spourgeon (Leia o texto completo aqui)

 

Avivamento não se resume a manifestação de dons, salvação, curas ou barulho. Ainda que todas essas coisas aconteçam como frutos, o avivamento é um novo sopro de vida.

Em II Reis 22 vemos a história do rei Josias, que ao encontrar-se com a palavra, prostrou-se em arrependimento. Isso é avivamento.

Sucedeu, pois, que, ouvindo o rei as palavras do livro da lei, rasgou as suas vestes. – 2 Reis 22:11

O reencontro com a verdade, a certeza e alegria da salvação, a convicção de pecado e arrependimento. Esses serão os frutos primários de um avivamento. O pavio fumegante que é reincendiado.

A importância da Oração

Por seus esforços o homem é INCAPAZ de produzir avivamento. Não há músico ou preletor habilidoso o suficiente, luzes e palcos impressionantes o sufiente ou até um discurso comovente o suficiente para gerar vida. Não é possível marcar data, hora e local para o avivamento. O Avivamento é unicamente obra do Espírito Santo, contudo é nosso papel pedir a Ele que aconteça.

Historicamente, não há avivamento sem oração. Ao olharmos para os relatos de avivamentos, como o da Rua Azusa ou do País de Gales, podemos ver como a oração é parte fundamental do mover de Deus. Vemos homens e mulheres que se posicionaram por anos, clamando por suas igrejas ou sua geração e, a partir de uma reunião de oração, o Senhor os respondeu.

Portanto, nossa resposta diante dos acontecimentos atuais deve ser:

Ore por um avivamento pessoal

Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. – João 17:17

Peça ao Senhor que te dê fome pela Sua palavra e te santifique através dela. Clame por anseio pela Sua presença e por um coração arrependido. Ore por um coração puro e um espírito reto.

Ore para um avivamento na sua igreja e seu país

Torna-nos a trazer, ó Deus da nossa salvação, e faze cessar a tua ira de sobre nós.
Acaso estarás sempre irado contra nós? Estenderás a tua ira a todas as gerações?
Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se alegre em ti? – Salmos 85:4-6

Se posicione como um intercessor diante do Senhor, pela sua igreja, sua cidade ou a igreja do seu país. Peça ao Senhor que encontre os cansados e sobrecarregados, que renove Suas forças, e traga-os para mais perto novamente. Ore por comunidades que amem ao Senhor de todo o coração, alma, força e entendimento.

Ore pelo grande avivamento da igreja

…como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,
Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra,
Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. – Efésios 5:25-27

Portanto, lembre-se, o Senhor vem buscar uma noiva perfeita, viva, e essa deve ser nossa principal motivação ao orarmos por avivamento. Ore para que o Senhor aperfeiçoe Sua igreja, para que ela seja avivada, santa e irrepreensível, afim de estar pronta e o  dia do nosso encontro enfim chegue.