Você considera seu tempo sagrado? Hoje eu quero refletir junto com você sobre o tempo. É engraçado como cada pessoa  cuida de forma diferente desse “tempo”. Como estamos vivendo nossos dias? Qual data é tão esperada por nós? O que estamos esperando? 

Os mais atarefados vão circular em seus calendários e agendas as datas de reuniões importantes. Os que gostam de viagens vão circular os dias de suas férias. Os mais familiares vão circular em seus calendários as datas de aniversários. E isso mostrará o valor que o tempo tem a cada um de nós.

É importante notarmos também, que às vezes temos a sensação de que o tempo parou. Fazemos as mesmas coisas ano após ano, dia após dia. Como C. S. Lewis disse: “Não é engraçado como dia após dia nada muda, mas quando olhamos para trás, tudo está diferente?” Intrigante não é mesmo? Esses detalhes são importantes para analisarmos como essas coisas rotineiras são o quê de fato estão definindo o que nos tornaremos em breve. Consegue perceber?

Enxergando o comum como um tempo sagrado

Portanto, cada dia, por mais comum que pareça, é carregado de sentido. E se todo o nosso tempo fosse sagrado? Temos a ideia de que sagrado é somente o tempo que temos lá no culto ou nas reuniões que fazemos em casas com os grupos das nossas igrejas. Mas, e todo o restante dos nossos dias da semana?

Eu sei que é difícil ver como sagrado as coisas dos nossos cotidianos, tais como: dormir, arrumar a cama, escovar os dentes, nos alimentarmos, participar de reuniões no escritório, visitar clientes, ficar preso no trânsito, enfrentar ônibus lotados, levar as crianças na escola, ir para faculdade, lavar roupas, tomar banho e por aí vai…

E se Deus se importasse por cada uma dessas tarefas? Será que nós não mudaríamos nossa percepção a tal ponto de não mais deixarmos para o final da noite, nas nossas últimas forças, o tempo da oração?

É involuntário, eu sei, mas talvez nós pensamos no nosso inconsciente que o processo da santificação só acontece nos momentos de jejum ou de adoração nos cultos. Mas o processo de santificação durará nossa vida inteira, e isso inclui nosso tempo nas atividades do nosso cotidiano ( II Cor. 3:18). Não devemos desconectar do nosso dia a dia o processo de transformação que Deus está operando em nós. Que por sinal é onde mais gastamos o nosso tempo: nas atividades cotidianas.

Estamos sendo moldados

Ademais, perceba que muitas vezes nós não nos sentimos tão produtivos assim, por vezes é tão difícil levantar e sair da cama! Estamos cansados e é normal, pois nem todos os dias são iguais. Não são todos os dias que queremos acordar cedo, que queremos resolver conflitos no trabalho. Mas são nessas disciplinas calmas e repetitivas do dia a dia que a vida do cristão deve ser pautada. Observe como o fato de precisarmos cuidar do nosso corpo, por exemplo, nos alimentar e descansar, demonstra nossa finitude. Precisamos de um cuidado diário. É como um reflexo de nossa fé, de como somos dependentes em nossa obediência diária a Deus, momento a momento. Somos moldados pelo que fazemos diariamente. 

Jesus viveu uma vida cotidiana

Agora perceba algo interessante: pouco sabemos do que Jesus fez em 30 anos. Sem dúvidas, ele viveu nesse tempo uma vida cotidiana. Jesus trabalhou como carpinteiro, que sabemos que ele foi. Então nós vemos que o trabalho diário tem seu valor em nosso processo de transformação, ele é santificado e consagrado. Se Jesus passou a maior parte de sua vida de forma cotidiana, fazendo o que achamos comum como dormir, comer, tomar banho, bocejar, acordar de bom ou de mau humor, então há de se observar que a vida toda está sob o senhorio Dele.

Não há atividades rotineiras pequenas demais que não possam refletir a glória de Deus. Vale ressaltar que quando Jesus foi batizado e Deus declarou seu amor sobre Ele, Jesus ainda estava no anonimato. Ele não havia feitos grandes milagres e nem tinha ainda sido tentado no deserto. Mas a identidade Dele foi dita: “És meu filho amado”. Em seguida, uma voz dos céus disse: “Este é meu Filho amado, em quem muito me agrado”. Mateus 3:17

O tempo é sagrado e o nosso cotidiano é importante

Afinal, não somos definidos primariamente pelo quão produtivos somos ou pelas nossas capacidades, por nosso estado civil, nem pelo nosso histórico de sucesso ou fracassos, mas pelo fato de sermos Selados no Espírito Santo e amados pelo Pai.

Se conseguirmos mudar nossa visão a respeito do nosso dia a dia, vendo–o como sagrado, e o quanto o “nosso tempo” aqui é importante para produzir em nós raízes profundas de transformação e santificação, aprenderemos a encontrar alegria e a rejeitar desesperos em momentos difíceis que já passamos ou que ainda passaremos.

Todavia, falamos que cremos na soberania de Deus, mas é necessário mais que isso. Precisamos viver a experiência das pequenas coisas de um longo dia comum. E, assim, viver cada momento do nosso dia se relacionando com Deus, pois Ele é o Emanuel, “O Deus Conosco”.  Mas como fazer isso sem ter a sensação de que estamos desperdiçando nosso tempo? Por meio da oração, aprenda a orar desde o acordar até se deitar para dormir. Faça da sua vida uma oração constante. 

Que Deus te abençoe!

 

Angela Tartas

Angela Tartas é uma escritora apaixonada pelas escrituras. Dessa paixão, surgiu a vontade de dedicar parte do seu tempo ao estudo da Palavra. Atualmente ela é aluna da nossa escola de teologia e ministério (ETM). Formada em contabilidade, Angela serve como missionária, onde atua no departamento financeiro da fhop.

Este post tem um comentário

  1. Muito inspiradora essa mensagem, muito vezes queremos viver todos os dias, dias extraordinários, mas dias extraordinários só acontece poucas vezes, e temos que ter em mente que tudos que fizermos, temos que fazer para o Senhor, Na rotina do nosso dia a dia.

Deixe uma resposta

×

Carrinho