Iniciar o novo ano com esperança de novos começos é decisivo. Por isso, refletir no que passou e fazer uma espécie de balanço é inevitável e indicado. Contabilizar acertos e erros, separando o positivo do negativo pode ser de grande ajuda.

Porém, doses exageradas de culpa, frustração e quem sabe desesperança, precisam ser descartadas. Colocar o foco nas falhas não é adequado. Toda introspecção alimentará nossa desesperança, visto que não carregamos em nós mesmos as respostas.

No entanto, doses excessivas de expectativa, esperança e o otimismo nunca serão exageradas, já que são a mola propulsora da vida. Metas não atingidas são menos nocivas do que a ausência delas.

“Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz na vossa fé, para que abundeis na esperança pelo poder do Espírito Santo.” Romanos 15:13

A esperança não confunde

“…sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.” Romanos 5:3b-5

Um coração esperançoso é um coração saudável. Já que, a desesperança denuncia algum nível de desajuste em nosso foco. O Espírito Santo é quem garante que os níveis de alegria e expectativa de nosso coração estejam equilibrados.

Nossa esperança não está no novo governo, no novo emprego, em um novo relacionamento ou em qualquer novidade. Pelo contrário, nosso otimismo está alicerçado no caráter de um Deus que não muda. Porque nosso Deus tem compromisso conosco.

As promessas de Deus não falham

“Pois eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.” Malaquias 3:6

Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.” Jeremias 29:11

Nossa fidelidade e confiança podem oscilar, mas o compromisso de Deus conosco não oscila. Ainda que as ondas façam nosso barco balançar, nenhum barco com Jesus dentro afunda. Ele nos convida a andar sobre as águas e nos dá autoridade contra qualquer tempestade.

Deus não se ofende com nossa indiferença ou falta de fé. Ele sabe do que somos feitos. Aliás, nossa jornada está fundamentada na obra da cruz, no preço pago, não em nossa essência que é falha.

A obra da cruz nos sustenta

A obra da cruz é a garantia de que nossa jornada será concluída. Nela nossos inimigos foram derrotados. Por causa dela podemos ter esperança. A expectativa de vitória não está fundamentada em mérito próprio e sim na obra eterna do Filho.

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” Gálatas 6:14

“e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz;” Colossenses 2:14

O ano de 2019 será um ano de novos começos. Um ano de restituição, de avanços e de conquistas de novos territórios. Nossa fé não está fundamentada em nossos acertos e muito menos em nossos erros. Nossa fé está fundamentada em um Deus que não muda e que nos ama.

As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.” Lamentações 3:22,23

Grace

Grace Wasem, gaúcha, atuou como secretária no mercado de trabalho por 30 anos. Em 2016 vinculou-se ao FHOP como missionária tempo integral. Sonha ver e contribuir para o treinamento de uma noiva apaixonada que clama: Maranatha!

Deixe uma resposta

×

Carrinho