Você já parou para pensar como temos facilidade de atirarmos pedras? Isso não é uma coisa que fazemos por simples maldade ou arrogância humana, na verdade, às vezes isso parte de nossas melhores intenções. Atiramos pedras porque julgamos ser o mais certo a fazer. Atiramos pedras porque queremos ser zelosos. Atiramos pedras porque não queremos pecar contra Deus. Mas para entrar em parceria com Cristo há algo que precisamos aprender, temos que deixar as pedras de lado e olhar através dos olhos do amor para: livrar “os que estão sendo levados para a morte, e salva os que cambaleiam indo para serem mortos.” (Provérbios 24.11).

Como intercessores que buscam o coração do Pai, não podemos ser simplistas em nossas orações, mas precisamos aprender o coração de Cristo de forma profunda. Tenho pensando na história narrada em João 8.1-11. Diz a Bíblia, que os escribas e fariseus trouxeram até Jesus uma mulher surpreendida em adultério. Esses homens não desejavam que justiça fosse feita. O que eles realmente queriam era testar a resposta de Jesus e deixá-lo em uma situação difícil. Porque qualquer resposta dada naquela circunstância poderia quebrar tudo o que Jesus estava ensinando sobre o amor. Jesus não poderia ser a favor do pecado, não poderia consentir com o adultério. Mas também não poderia ser a favor da morte daquela mulher.

“Isto diziam eles tentando-o, para terem do que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo.” João 8.6

A história, então, continua dizendo que aqueles homens insistiam em perguntar o que deveria ser feito àquela mulher, e Jesus com toda sabedoria lhes respondeu: “Aquele dentre vós que estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a pedra.” (João 8.7b). Ao ouvirem o que Jesus lhes respondeu, eles foram acusados por suas próprias consciências e deixando as pedras partiram daquele lugar.

“Abre a boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados. Abre a boca, julga retamente e faze justiça aos pobres e aos necessitados.” Provérbios 31.8-9

Jesus tem levantado um movimento de oração mundial sem precedentes na história da humanidade. Jesus tem nos convidado a entrar em parceira com Ele e clamar a favor da justiça. Ele quer que entremos em concordância com o seu coração. Mas precisamos aprender com sua ternura a orarmos a partir desse lugar de intimidade e discernimento. Só poderemos julgar retamente se tivermos em nós o coração de Cristo e a sua Palavra revelada, arraigada em nós, para não orarmos com as pedras nas mãos e não julgarmos precipitadamente.

Oremos: “Senhor, hoje escolhemos deixar as pedras. Queremos ser sensíveis a tua voz. Queremos orar para que venha o teu reino e sua vontade seja feita aqui na terra, como é no céu. Oramos para que nos dê um coração amoroso como é o Teu. Senhor, nós não queremos ter aliança com o pecado, mas nos ensina a julgar retamente. Enche o nosso coração de ternura e de discernimento do Espírito Santo para que possamos viver de forma digna do nosso chamado. Te amamos e nos entregamos a Ti.”

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Atualmente dedica uma parte do seu tempo para ensinar artes para crianças em uma ONG em Florianópolis e outra parte do tempo para trabalhar com justiça social, com foco em tráfico humano. Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.
×
×

Carrinho

Fechar