O Livro de Salmos é um dos meus livros Bíblicos preferidos. E, este mês aqui no Blog teremos o privilégio de compartilhar com você um de nossos textos especiais. Dessa forma, vamos falar sobre aquele Salmo que marcou e tem marcado a nossa história com Jesus.

Me lembro que em minha adolescência, nossa classe bíblica decorou o Salmo 139 para uma apresentação teatral. Ainda hoje, me recordo da maior parte daqueles versículos e em momentos difíceis, eles se tornaram como luz em um caminho de trevas.

Sem dúvida, o Livro de Salmos é carregado de poesia, é possível observar o Salmista reconhecendo quem Deus é, e como poderosamente age em favor dos que clamam por Ele. Além disso, é impressionante a forma de expressão dos sentimentos e emoções humanas: angústia, medo, amargura, raiva e até mesmo alegria. Eles são expressos de forma tão honesta pelos seus escritores.

Enfim, são 150 composições poéticas com beleza única.  Suas semelhanças nos possibilitam perceber os gêneros contidos nesses cânticos. Segundo o comentário Bíblico do Estudo de Genebra podemos encontrar seis gêneros. Veja a seguir quais são eles:

Os Gêneros dos Salmos

Hinos de louvor:  Nesses Salmos, Deus é louvado por quem Ele é, e pelos seus poderosos feitos de graça e misericórdia. (Sl 8; 24; 29; 33; 47; 48)

Lamentações (queixas e petições): Nesses textos, os salmistas se revelam de forma intensa, derramando diante de Deus os clamores mais íntimos de seus corações.   Muitas vezes, confessando seus próprios pecados. Mas, também há expressões de confiança e pedido de socorro contra os seus inimigos. (Sl 25, 39; 51; 86; 102; 120)

Salmos de ações de graça:  Entoado após a resposta ao clamor.  Dessa forma, revelam o coração de paz e gratidão dos salmistas. (Sl 18; 66; 107; 118; 138).

Cânticos de confiança (ou fé ou misericórdia):  Geralmente   são curtos e contém uma notável metáfora de confiança. (Sl 23; 121; 131)

Salmos reais:  Este é um tema recorrente que aborda tanto sobre  o Rei Supremo e Senhor Deus, o próprio criador do universo (Sl 24; 47; 95), quanto  metáforas empregadas a Davi como rei humano (20; 21; 45).

Salmos de sabedoria:  – Alguns temas de sabedoria também se destacam neste livro, por exemplo:   o contraste entre o justo e o ímpio descrito no Salmo 1. (Sl 37; 49)

Verdades fundamentais encontrados nos Salmos:

  • Deus é digno de ser louvado;
  • Os justos são protegidos pelo Senhor;
  • Deus abençoa o obediente e julga o rebelde;
  • O Conhecimento de Deus será o fundamento da verdadeira adoração, fruto do relacionamento pessoal com Deus.

Salmo 139 – Deus é Onisciente e Onipotente

Onisciente – que tem saber absoluto, pleno; que tem conhecimento infinito sobre todas as coisas. Onipotente – que pode tudo; que é todo-poderoso; Deus, Altíssimo, Todo-Poderoso

O Salmo 139 é um dos meus Salmos preferidos, pois vem carregado de significado e relevância. Nele, podemos conhecer quem Deus é através de alguns dos atributos destacados por Davi (onisciência e onipotência).

É possível perceber que não importa onde estejamos, Deus sempre estará ali junto a nós. Ele é o nosso refúgio e fortaleza. Não é possível fugir do Senhor, pois Ele nos alcança mesmo quando caímos em um abismo sem fim. Pois, para Deus não há diferença entre trevas e luz, tudo o Senhor pode ver. Antes mesmo das palavras saírem dos nossos lábios, Deus já conhece cada um dos nossos pensamentos. Além disso, Deus não vê tudo sobre nós de um lugar distante e indiferente, mas Ele mesmo nos criou pensando em cada detalhe. O Senhor conhece nossa história, nosso passado e  futuro. O Salmista Davi expressa de forma tão bela:

“Pois tu formaste o meu interior, tu me teceste no seio de minha mãe. Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem; os meus ossos não te forma encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nenhum deles havia ainda.” Salmos 139.13-16

No Livro de Salmos, o capítulo 139 é organizado em quatro partes:

Na primeira parte do capítulo 139, o salmista fala sobre a onisciência de Deus. (Salmo 139.1-6)

Na segunda parte o salmista fala sobre a onipresença de Deus. (Salmo 139.7-12)

Na terceira parte o salmista fala sobre a onipotência de Deus. (Salmo 139.13-18)

Na quarta parte o salmista fala sobre a santidade de Deus.  (Salmo 139.18-24)

Cristo é revelado no Livro de Salmos

Quando lemos ou cantamos os Salmos, encontramos a revelação de Cristo, seu sofrimento vindouro e sua glória como Rei dos reis. Os Salmos podem ser derramados como nossas próprias orações. Sendo assim, eles nos dão linguagem para expressar as nossas emoções a Deus.

O Salmo 139 revela o poder de Deus e  também  o seu cuidado conosco. Já parou para pensar que não precisamos nos sentir solitários porque Deus está conosco em qualquer lugar onde estivermos? E Ele, não é um vigilante controlador que nos persegue com opressão. Mas, é o nosso Rei libertador e nós não precisamos nos esconder e nem fugir de sua presença.

Afinal, se há algo que podemos aprender com esses cânticos é que nossas orações podem ser honestas e simples, independente do que estejamos sentindo. Afinal, o Senhor já nos conhece tão bem. Então, comece a escrever seus próprios Salmos. Tome como referência os seus salmos preferidos e  cante a Ele os seus próprios versos. 

E não se esqueça de nos contar como foi essa experiência para você.

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Deixe uma resposta