E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie, e a árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.” Gênesis 1:12

O princípio da semeadura está presente na criação. Esse princípio natural é também um princípio espiritual. Portanto, tanto no natural quanto no espiritual, a semente produz segundo sua espécie.

O solo do nosso coração absorve a semente que depositamos e produz de acordo com sua espécie. Existe poder em cada semente para gerar e multiplicar sua essência. No entanto, a qualidade do solo também determina que tipo de colheita teremos. Não basta a semente ser adequada, quando o solo é rochoso ou espinhoso.

Inegavelmente, todos gostariam que 100% dos nossos frutos fossem bons. Mas, a realidade aponta numa direção inversa. Nem sempre a colheita é de apenas bons frutos. Muitas vezes ao regar o solo, onde semeamos boas sementes, regamos também sementes ruins.

A semente do joio e do trigo

O joio e o trigo crescem ao mesmo tempo, e como explicou Jesus, precisamos permitir que cresçam juntos, e então a distinção do que deve ser descartado fica evidente. Pois, quando antecipamos o processo, corremos risco de danificar o trigo.

Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo; Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu, no teu campo, boa semente? Por que tem, então, joio?

E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? Ele, porém, lhes disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele.Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas, o trigo, ajuntai-o no meu celeiro.” Mateus 13:24-30

O Espírito Santo é nosso aliado na tarefa de descartar o joio. Toda má semente pré-existente em nosso solo, e que carrega potencial de produzir segundo a sua espécie (nossa velha natureza), será descartada a seu tempo.

A semente eterna do Filho que acolhemos

A semente do Filho que acolhemos é eterna. Ela tem potencial de produzir frutos abundantes em nosso interior. Temos garantia que, à medida que for regada, florescerá. A vida dEle em nós foi acolhida em formato de semente e certamente dará frutos.

“A sua semente durará para sempre, e o seu trono, como o sol diante de mim.” Salmos 89:36

“A sua alma pousará no bem, e a sua semente herdará a terra.” Salmos 25:13

Por isso, nossa tarefa é regar o solo e limpá-lo, removendo as pedras e tudo que compete com o projeto de Deus para nossas vidas. Temos certeza que a seu tempo, a colheita será abundante, se não esmorecermos.

Portanto, semeie boas sementes. Regue-as e cultive-as com dedicação. No entanto, não estranhe o aparecimento de frutos indesejados. Todo solo que for regado e cultivado gerará uma colheita. As más sementes também produzirão, mas suas raízes serão removidas por completo, no tempo adequado. Assim, não brotarão novamente.

Cuidar do jardim de nosso coração é tarefa de todo cristão. Vigiar em relação ao tipo de semente que acolhemos, garantirá uma colheita farta, de bons frutos. Ao identificar uma semente indesejada, peça ajuda ao Espírito Santo para removê-la. Ele é o agente do Noivo, que prepara nosso jardim. O desejo do Noivo é deleitar-se conosco em nosso jardim.

Jardim fechado és tu, minha irmã, esposa minha, manancial fechado, fonte selada.” Cantares 4:12

Grace

Grace Wasem, gaúcha, atuou como secretária no mercado de trabalho por 30 anos. Em 2016 vinculou-se ao FHOP como missionária tempo integral. Sonha ver e contribuir para o treinamento de uma noiva apaixonada que clama: Maranatha!

Deixe uma resposta

×
×

Carrinho

Fechar