A humanidade de Jesus é um dos aspectos mais impressionantes do evangelho. Você já parou para pensar sobre isso? No que significa Deus se fazer homem e habitar entre nós? A Bíblia nos afirma que Jesus é a Palavra e que por meio dele todas as coisas foram feitas. Sem Ele, nada existiria. Mas, sendo Ele Deus, tomou a forma de servo e se despindo de sua glória, habitou entre os homens.

“Ele, a Palavra, estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas através dele, e, sem Ele, nada do que existe teria sido feito.” João 1.2-3

“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, tendo plenamente a natureza de Deus, não reivindicou o ser igual a Deus, mas, pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo, assumindo plenamente a forma de servo e tornando-se semelhante aos seres humanos. Assim, na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, entregando-se à obediência até a morte, e morte de cruz.” Filipenses 2.5-8

Tão pequenininho, Jesus se mexia no ventre de Maria. Tão pequeninho, ele crescia. Mas, havia um propósito ao vir. Ele veio para resgatar o homem pecador. Veio para trazer salvação. Jesus não é como o ladrão destruindo e roubando tudo à sua volta. Ele é o Bom Pastor que dá a vida pelas ovelhas. 

A humanidade de Jesus gera esperança

A humanidade de Jesus gera muita esperança em meu coração. Pois, aqueles que se encontravam presos, podem ser livres e dispor de uma vida abundante. Jesus nos afirma que Ele e a porta para salvação, e as ovelhas que entrarem pela porta serão supridas, pois encontrarão pastagens. (João 10.1-18)

Jesus dá a vida de forma generosa, sem nem um tipo de avareza para conosco. Seu coração é gentil e belo. O cuidar de suas ovelhas atravessa gerações. Ele não estava apenas preocupado com os seus 12 discípulos judeus. Ele disse que haveriam outras ovelhas que ouviriam a sua voz e elas também serão conduzidas.

“Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, elas me conhecem a mim, assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me provém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor.” João 10.14-16

Sendo assim, existe esperança porque Jesus se tornou homem. Portanto, nós não estamos abandonados ao acaso. Mas temos um pastor para nos mostrar o caminho que devemos seguir. Há uma voz a nos guiar quando abrimos nosso coração para Jesus. Resta-nos perguntar: Temos ouvido a voz do Senhor? Temos sido conduzidos por Ele? Ou independentemente tomamos nossas próprias decisões sem nos importarmos com a vontade de Deus? A humanidade de Jesus nos dá esperança?

Em humanidade Jesus se identifica com o homem

Sim! Jesus sabe! De todas as nossas questões, Ele sabe! Nossas lutas internas, tentações, dores. Nossas emoções como seres humanos. Jesus sabe. Ele se identificou conosco quando se despiu de sua glória para se tornar um homem como nós. 

A humanidade de Jesus demonstra tal realidade, pois Ele sentiu fome (Mateus 4.2), sede (João 19.28) e cansaço (João 4.6). Ele chorou pela morte de seu amigo Lázaro (João 11.35) e lidou com rejeição e perseguição. Conheceu a morte ao derramar sua vida na cruz (João 23.46). 

Enfim, este é um motivo dele nos tocar tão profundamente. Mesmo quebrando paradigmas culturais Jesus tocava as pessoas literalmente, mesmo aqueles que não poderiam ser tocados como os leprosos por serem considerados impuros. Do mesmo modo, Jesus falava com as mulheres em uma época onde elas não eram contadas como parte da estatística de pessoas. Ele amou os samaritanos quando estes eram rejeitados pelos judeus. Jesus sabe como nos sentimos. Ele conhece a nossa história.

Deus enviou o seu filho

“Todavia, quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido também debaixo da autoridade da Lei, para resgatar os que estavam subjugados pela Lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos.” Gálatas 4.4-5

No Éden, quando o homem pecou, Deus estabeleceu um rito porque não poderia admitir o pecado, pois Ele é Santo. “Trareis também um bode expiatório em sacrifício pelos pecados, para cumprir o rito de expiação por todos vós.” Números 28.22. Deus enviou o seu Filho para que, de uma vez por todas, o sacrifício fosse pago pelos nossos pecados. E por isso, nós obtemos liberdade, pelo sacrifício de Cruz de Jesus.

“Em verdade, no devido tempo, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu por todos os ímpios.” Romanos 5:6

“Porquanto, aquilo que a Lei fora incapaz de realizar por estar enfraquecida pela natureza pecaminosa, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do ser humano pecador, como oferta pelo pecado. E, assim, condenou o pecado na carne,” Romanos 8:3

Se hoje somos livres é porque Jesus veio como um homem. Sua humanidade nos traz liberdade. Mesmo sendo Deus, se revelou em amor profundo assumindo nossa forma frágil de ser humano. Mas, Ele continua sendo 100% Deus assim como é 100% homem. 

Conclusão – Celebrando o Filho de Deus

“Eu vim para que as ovelhas tenham vida, e vida em plenitude.” João 10.10b

Afinal, agora que nos aproximamos do Natal, a data em que celebramos o Nascimento de Jesus, também celebramos a sua humanidade. Desde criança ouço muitas histórias sobre os natais. Sobre como podemos comemorá-lo e o que devemos excluir de nossas comemorações.

Os ciclos e rituais são importantes para os homens e simbologias fazem parte da cultura, mas eu quero uma revelação pessoal do Natal e do que significa a humanidade de Jesus para minha própria história. Então, fico pensando que: Deus amou tanto o mundo que deu o seu único filho para que os que creem não pereçam, mas tenham a vida eterna (João 3.16). Jesus é a porta para a salvação, Ele é o bom pastor que deu a vida pelas ovelhas e Ele as guia com sua voz. Ele ainda nos afirma que Ele dá a vida e a dá em abundância. 

Sendo assim, meu desejo neste tempo de recomeços e reflexões é que 2021 seja cheio da vida de Deus em nós. Que sua identificação conosco nos eleve à um novo nível de relacionamento e nos encha de esperança para prosseguir com muita alegria em nossa jornada na Terra. 

Feliz Natal!

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Este post tem 2 comentários

  1. carolina

    Glória Deus por essa mensagem que me recuperou o fôlego!

Deixe uma resposta