Chegamos ao fim de mais um ano. Não um ano qualquer, pois com certeza ele ficará em nossa memória. Talvez por perder pessoas queridas e amadas por nós, por precisar lidar com luto, com a frustração e o medo. E agora, você pode estar se perguntando: como prosseguir para 2021? Será que o próximo ano não vai ser uma continuação de 2020? O que espera por nós? 

Definitivamente não é possível nos apoiarmos em circunstâncias tão instáveis. Mas, hoje eu quero te ajudar a trazer à memória algumas verdades que têm consolado meu coração nesse último mês do ano. Não são verdades apoiadas em pensamentos humanos, em auto ajuda. Quero te relembrar sobre as verdades da Palavra de Deus, a respeito de esperança, fé e coragem.


Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar. Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim. Todavia, lembro-me também do que pode me dar esperança: Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis.” Lamentações 3:19-22

 

Olhando para a história 

Analisando o contexto histórico do texto de lamentações vemos que o livro foi escrito pelo profeta Jeremias. E ao longo dele, o foco central é descrever o sofrimento que sobreveio a Jerusalém, após os exércitos de Nabucodonosor, da Babilônia, invadirem a cidade, em 586 a.C. 

Jerusalém foi devastada e levada a completa ruína. 

Além disso, Jeremias, já  havia profetizado durante muito tempo o que haveria de acontecer, caso o povo não se arrependesse e voltasse aos caminhos do Senhor. Porém, o povo não ouviu e tampouco abandonou a rebeldia. Tanto o rei Zedequias como seus filhos, seus homens de confiança, o sumo sacerdote e os líderes da cidade foram levados para o cativeiro. 

E, agora? Como estava o coração do profeta? Ele havia avisado e falado tanto para o povo de Deus se arrepender. Porém, Jeremias foi movido por grande compaixão e, então, o que lemos no livro de Lamentações é a sua profunda agonia e tristeza diante da destruição de Jerusalém. Além disso, lemos a respeito do seu clamor ao Senhor, para que Ele não rejeite seu povo para sempre e volte seus olhos para ele. 

 

O Clamor de Jeremias 

Há algo interessante quando analisamos o capítulo 3 de Lamentações. Ele começa em tom de profundo lamento:

“Eu sou o homem que viu a aflição trazida pela vara da sua ira. (…) Fez que a minha pele e a minha carne envelhecessem e quebrou os meus ossos. Ele me sitiou e me cercou de amargura e de pesar.” Lm 3:1,4-5 

Mas, ao longo do capítulo vemos uma mudança de narrativa, chegando no ápice, no verso 21: “Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança” Lamentações 3:21

É sobre esse trecho que gostaria de me ater por um momento. Mesmo diante das adversidades que o povo de Jerusalém estava vivendo, mesmo com a ruína e destruição, o profeta tem fé. Em uma postura diante do Senhor, ele diz que quer lembrar o seu coração aquilo que pode dar esperança. 

Como vemos e estudamos na Palavra de Deus, o povo de Israel carrega muitas promessas do Senhor. Mesmo com todas as manifestações da graça de Deus, os livramentos que eles tiveram no Egito, e tudo que a história nos relata durante as gerações, isso não foi suficiente para que eles se mantivessem firmes no Senhor. 

E agora eles se encontram em ruína e no cativeiro. Como prosseguir diante dessa realidade? Jeremias entende e nos ensina nesse momento do versículo (Lm 3:21) uma importante lição sobre esperança e como podemos lidar com as adversidades a nossa volta. 

O profeta se lembra de trazer à memória o coração de Deus, quem Ele é, seus atributos imutáveis. 

Olhando para o Senhor

 

Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança: Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade!  Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança.  O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam; é bom esperar tranqüilo pela salvação do Senhor. “ Lamentações 3:21-26

Jeremias entende que ele precisa lembrar ao seu coração, não sobre as coisas do passado, mas lembrar sobre as que estão adiante e sobre quem o Senhor é. Ao longo dos versos (21-26), vemos os atributos de Deus serem descritos: sua misericórdia, compaixão, fidelidade, bondade e salvação. 

Lembrar e informar a sua mente sobre quem o Senhor é, foi o segredo de Jeremias. Isso que trouxe esperança. Lembrar sobre o caráter imutável de Deus, a sua soberania e misericórdia, traz descanso, consolo e paz ao coração. 

Deus é totalmente digno de confiança, pois ele não pode negar a si mesmo e sua natureza. É por isso que podemos nos apegar nesta rocha eterna, que não muda diante das imprevisibilidades da vida e do nosso coração frágil e instável.

O Deus que intervém na história

Depois, ao lermos a história do povo de Israel, vemos que o Senhor se voltou para o Seu povo. E declarou diversas promessas sobre restauração, livramento e cura para eles.

Pois, o Senhor, sempre se mantém no controle diante do caos. E provê um escape para o seu povo. Ele é especialista em reverter o mal em bênção. Porque Ele é rico em bondade e misericórdia. 

 

Trazer à memoria: a nossa verdadeira Esperança

Quanto a nós? Esse deve ser o nosso segredo também, devemos aprender com o profeta Jeremias. E lembrar de voltar o nosso coração e mente para quem é o Senhor, sua natureza infalível. 

Nós somos um povo que carrega promessas. A confiança de que o Senhor voltará para reinar na Terra. Ele irá  governar com justiça e retidão. O Rei enxugará todas as nossas lágrimas e vai restaurar todas as coisas (Ap.21:4). Ele encherá o nosso coração de completude e seremos plenos diante Dele. 

A nossa viva Esperança para os dias que estamos vivendo é o próprio Jesus. 

É estabelecermos nossas raízes no que Sua Palavra nos diz e relembrarmos todos os dias dela.

 

Olhos confiantes em 2021 

Nós podemos caminhar para o próximo ano, pois sabemos quem é o nosso pastor. Faça o exercício, e volte os seus olhos para Ele, hoje mesmo. Relembre sobre a fidelidade, bondade e paz do Senhor. 

Tenha expectativas em seu coração, pois você sabe o final dessa história: o Rei voltará em breve!

 

“Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz. “2 Pedro 3:13,14

 

Maranata, Ora Vem! 

Nadja Nobre

Nadja é jornalista e missionária intercessora em tempo integral na Florianópolis House of Prayer. Ama escrever sobre arte, cultura e aquilo que o Senhor tem feito através do movimento de oração global.

Este post tem um comentário

  1. Theófanes

    Gostei. Muito bom a gente ter e colocar a nossa esperança nEle, a Rocha que nunca é abalada.

Deixe uma resposta