Existe algo que eu amo sobre terminar um jejum, que é o fato de podermos ver toda a jornada que construímos com o Senhor durante esse tempo. É nesse momento que eu olho para dentro de mim e vejo onde minhas expectativas estavam posicionadas. Seja recebendo uma resposta clara e breve ou não vendo absolutamente nada, eu ainda assim posso confiar em Deus plenamente e saber que coisas se moveram quando eu não vi nada. É quando tendo ou não muitas respostas e posso amar Deus de todo coração.

Algo que me chama a atenção, é que quando estamos passando por momentos difíceis nós fazemos orações extravagantes, buscamos de todas as formas ajuda e socorro. Nós aceitamos fazer escolhas sacrificiais e até mesmo jejuamos com esperança de que tudo mude. E realmente, não vejo isso como algo ruim. Nós temos acesso a Deus e podemos fazer esse tipo de coisa. Com certeza. Mas, me atento ainda mais para nossa postura quando então recebemos o que desejávamos.

Os momentos difíceis nos ensinam e produzem tanto em nosso interior, mas o que dizer das bênçãos? Será que temos buscado Deus com tanto fervor e paixão quando estamos desfrutando de seu favor, da mesma forma que o buscamos quando estamos em dificuldade? Acredito que é nesse lugar em que muitos podem perder a visão e o temor, ao tirarem os olhos de Deus e colocá-los no que foi recebido.

Uma das razões pelas quais devemos colocar o ‘ter mais paixão por jesus’ como nosso foco de jejum, é que quando realmente nos apaixonamos por ele nada mais importa. Claro que ainda precisamos de cura para os enfermos, precisamos de romper financeiro, precisamos de salvação em nossas famílias. Sim, ter um propósito ao jejuar é legítimo, mas nós ainda mantemos os olhos na realidade eterna. E saberemos que se nada do que buscamos acontecer, ainda amaremos nosso Deus completamente.

Você pode me dizer que durante o jejum nosso coração se torna mais tenro e então nós “automaticamente” escolhemos Jesus. Mas eu creio que não há nada automático na busca por Deus. Principalmente quando recebemos bênçãos e também favor de divino. Não podemos confiar em nosso coração, mas precisamos fazer como Paulo, colocando os olhos naquilo que era eterno.

Se você recebeu respostas que gostaria durante o período de jejum, então volte-se para aquele que te abençoou. Que a maior resposta desse sacrifício seja ter a eternidade viva dentro de você e seu olhos fixos totalmente em Deus. Quando nós formos uma geração a quem Deus pode liberar tamanho favor e poder, sem nos corrompermos, nós viveremos grandes coisas. E que nossos jejuns tenham fim com nosso coração grato e apaixonado.

“Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.” – 2 Coríntios 4:18

Daniela Teles

Dani, originalmente de São Paulo, é missionária intercessora em tempo integral na Florianópolis House of Prayer. Uma mulher que busca o coração de Deus e que tem o desejo de ver uma geração inteiramente comprometida com Jesus, andando no poder do Espírito e em paixão pela Bíblia.
Fechar