Mais uma segunda-feira fria e chuvosa, seu celular desperta com o toque que você não quer ouvir após um final de semana incrível. São seis da manhã. “Soneca”. Você sabe que precisa se levantar, estudar, trabalhar, tocar sua vida em frente… “soneca”. Mas a cama nunca pareceu tão macia e atraente como naquele momento, muito menos o cobertor. “Soneca”. Faltar um dia de aula, receber uma advertência no trabalho. Seja lá o que for, essas coisas por mais erradas que sejam, nunca pareceram tão certas naquela hora do dia. Vai por mim: eu sei bem como é sair da zona de conforto.

Existem situações na vida de qualquer pessoa que podem ser chamadas de “situações- buraco-negro”. São condições preocupantes em que podemos nos encontrar facilmente (devido a um simples descuido). As quais, por sua vez, nos sugam para dentro de si; muitas vezes sem que percebamos. Entre as mais conhecidas está a grande inimiga do crescimento: a zona de conforto.

Geralmente, ao nos encontrarmos acomodados com as coisas que nos rodeiam, somos logo tomados pelo senso de satisfação. Tudo está confortável, tudo está bem. Não há problemas passarmos por períodos em que as coisas estejam realmente confortáveis. E que você queira desfrutar um pouco disso (principalmente se você acabou de passar por uma fase difícil). Deus também quer que você se sinta assim. Porém, a jornada cristã diz respeito à transformação, o que pode ser definido como movimento contínuo de um estado a outro superior.

A zona de conforto na vida do Cristão

Quando começamos a desenvolver um relacionamento íntimo com o Senhor, somos alimentados com Suas verdades ao nosso respeito. E tudo o que queremos é estar com Ele o tempo todo; esse é também o período em que mais somos tomados de ousadia, e queremos ir por onde Ele for. No livro de Cantares podemos ver o exemplo perfeito para isso: a jovem Sulamita ouve as declarações do rei Salomão sobre sua beleza (mesmo não enxergando tudo isso) e apaixonada, quer tê-lo o mais perto possível.

Veja bem: não há problema na ousadia em servir a Deus e querer estar integralmente em Sua presença — muito pelo contrário. A questão é: a jornada cristã não se resume em somente ouvir as declarações de Deus ao seu respeito e contemplar a Sua beleza. Existem momentos-chave em que a situação se transforma por completo, que são quando o Senhor vê que estamos estabelecidos nas Suas verdades (para aquele período). E, então nos convida a seguir em frente e enfrentar desafios que testarão nossa fidelidade. Ele está nos convidando a sair da zona de conforto, e há duas reações para esse convite: aceitar ou rejeitar. Simples (só que não).

Confrontando as mentiras baseado nas verdades de Deus

Esse dilema confrontador é mais complicado do que se parece: rejeitar o convite implica duas intenções: ou você está rejeitando por falta de maturidade (hesitando por medo), ou por rebelião (duvidando da capacidade de liderança do Senhor, sem a intenção de obedecê-lo), porém o que torna isso realmente complicado é que o inimigo faz, sutilmente, a imaturidade parecer rebelião quando estamos lutando contra o medo e, por isso, muitas das vezes, as pessoas se deixam ser enganadas, assumindo a intenção de revolta contra Deus. Entretanto, algo com o que o pai da mentira não nos conta é que Aquele que é verdadeiro reconhece cada uma dessas situações, e no meio delas Ele vê nossa hesitação, e estende a mão para nos ajudar, lançando fora o medo ao nos lembrar das verdades que Ele mesmo declarou sobre nossa identidade.

O segredo para vencer a zona de conforto na jornada cristã não é lá tão secreto. Deus nos capacita a confrontar as mentiras baseando-se em Suas verdades, para que aceitemos o convite Dele de prosseguir, sabendo que, independente dos desafios que estarão a frente, Ele estará conosco.

Deixe uma resposta

×
×

Carrinho

Fechar