Desde o início as escrituras sempre apontaram que o nosso chamado é caminhar sendo luz sobre as nações da Terra. Deus chamou Abraão para se mover em direção ao desconhecido e lhe disse:

“Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. Abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.” Gênesis 12:1-3

Jesus detém toda autoridade nos céus e na terra. Ele nos comissionou a ir pelo mundo fazendo discípulos de todas as nações (Mateus 28.18-20). A luz não deve ser escondida, mas precisa estar em um alto lugar para iluminar todo ambiente. E ela brilha onde há escuridão. Um povo sem o conhecimento de Deus não pode enxergar claramente.

Para ser salvo, o homem precisa invocar o nome do Senhor. Mas, como invocarão aquele que não conhecem e como o conhecerão se não há quem conte as boas novas da salvação?

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? Como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” Romanos 10.13-15

Chamados para iluminar

Como foi sua experiência quando você foi encontrado por Cristo? Lembra-se como seu coração queimava de amor e irradiava a luz de Jesus? Talvez, já tenha até ouvido alguém lhe dizer que você é diferente e que tem uma luz no olhar. Deus nos libertou do império das trevas e nos trouxe para o reino do filho do seu amor (Colossenses 1.13).

Quando somos embriagados por esse amor tão profundo de Deus, sentimos um sol surgindo dentro de nós. Pois a própria luz de Cristo nos ilumina de dentro para fora. E quando somos iluminados também queremos iluminar.

Após um período de trevas em minha vida, Deus começou a me restaurar. E em momentos de oração nos meus devocionais eu via o mapa do mundo a minha frente. Mesmo de olhos fechados aquele mapa gritava. Meu coração queimava pelas nações (a verdade é que ainda queima). Eu sabia que Jesus me amava e agora ele estava compartilhando comigo seu coração amoroso pelas Nações.

Muitas vezes, vivemos um evangelho bairrista que só se preocupa com o seu entorno. Nosso bairro e cidade é o máximo que conseguimos pensar. Só conseguimos olhar evangelismo e discipulado da perspectiva de que nossa igreja local crescerá. Mas, Deus nos chamou para mirarmos as nações, seja: indo, orando e/ou contribuindo.

Somos a resposta que o mundo precisa

A Bíblia afirma que Deus é luz (1 João 1.5). E Jesus é manifestação plena da luz: “ele é a luz do mundo” (João 1.3). Jesus é a Palavra por qual todas as coisas foram criadas e subsistem. Ele é a verdade que liberta o homem das mentiras. E o que é a mentira se não escuridão? Porém, Jesus é a luz dos homens (João 1.9). Gosto muito da versão king James, diz assim: “A Palavra é luz verdadeira que, vinda ao mundo, ilumina a toda humanidade.”

O papel que está intrínseco em nós como Igreja é ser sal e luz. O sal, além de dar sabor também preserva os alimentos da putrefação. E a luz desfaz as trevas. Como cristãos, não devemos nos moldar ao sistema do mundo, mas nos opormos a ele em amor. As nações estão clamando pela manifestação dos filhos de Deus da mesma forma que a natureza. E, nós temos a resposta: Jesus.

Quando somos iluminados, só podemos responder iluminando. Quando amamos a Deus profundamente, também amamos revelá-lo ao mundo. O mundo não possui luz própria, sua fonte de luz é o sol. Da mesma forma, as nações precisam da luz de Deus. A luz que brilha e glorifica o Pai. Precisamos caminhar sendo luz e sal.

Sendo luz: Dicas práticas para quem deseja ser missionário nas nações

Quem sabe você é alguém que tenha sido chamado para servir na esfera da religião como um missionário. Existe várias formas de chegar as nações e cumprir o seu propósito pessoal. Pense um pouco em seus dons e talentos, habilidades e também no povo que você deseja servir? Pesquise sobre o povo, o local, o modo como eles vivem, sua língua e cultura.

Treinamento – é muito importante ser treinado em uma Agência Missionária. Então, busque pesquisar quais são relevantes e tem a ver com o projeto que você deseja desenvolver. Aqui no fhop, por exemplo, você servirá em diversas frentes tendo a Sala de Oração como coração do nosso trabalho. Algumas outras agências são:

JOCUM – Jovens Com Uma Missão tem levado o evangelho a todas as Nações e possuem uma gama de trabalho bem ampla (áreas de influência da sociedade).

Portas Abertas – é marcada pelo trabalho em países onde cristãos são perseguidos. Você pode saber mais sobre as histórias do irmão André e como ele contrabandeava Bíblia para países fechado da cortina de ferro. Já o

Povos e Línguas – atua como um movimento interdenominacional com a missão de mobilizar pastores brasileiros para o envio de missionários. Te dará informações que te ajudaram a orar pelos povos.

Enfim, há uma série de agências e bases missionárias para quem sente o desejo de ir às nações. Além de orar é muito importante pesquisar sobre elas. Além disso, é primordial estudar o idioma local do povo a quem você quer servir e se preparar para os possíveis choques de adaptação cultural.

Seja estratégico – Há países que não permitem a entrada de cristãos, então não temos acesso como missionários. Mas, é possível entrada através do mercado de trabalho e as mais diversas profissões. Você pode ir como profissional liberal, estudante, empresário ou algo do tipo. É importante pensar estrategicamente. Ouvi testemunho de irmãos que tem um café e trabalham como baristas em países fechados para o evangelho.

Outra forma de pensarmos estrategicamente é voltarmos nossos olhos para os refugiados e estrangeiros. Quantos refugiados e estrangeiros temos no Brasil? Eles podem ser alcançados. E quantos árabes, indianos e povos de todas as nações vivem fora de seu país de origem?

Conclusão: Sendo luz para as nações obedecendo ao IDE de Jesus

É preciso compreender que fazer discípulo de todas as nações é uma ordenança e não o que muitas vezes denominamos de chamado. Talvez, alguns nunca pisarão em outros países, mas sempre podemos adotar um povo em oração. Podemos ser parceiros desses missionários que são enviados por Deus aos quatro cantos da terra.

E devemos investir nossos recursos (financeiros e emocionais) e nosso tempo para que o evangelho seja pregado em todos os lugares do mundo e em todas as línguas. Só assim apontamos a luz de Jesus. Sendo luz, nos tornamos a manifestação do amor do Pai.

Você também deseja ser luz nas nações? Como você tem se envolvido com o trabalho missionário? 

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Este post tem um comentário

  1. martins

    deixo aqui o link de uma bíblia, que li de excelente conteúdo, explicada livro por livro e nos da uma nova visão, sobre a bíblia bit.ly/2QHTcZ9bibliaexplicada

Deixe uma resposta