O que o conhecimento deve produzir?

A Bíblia, os sermões, o cristianismo e o próprio Deus fazem inúmeros convites a buscarmos conhecimento e sabedoria. Sempre ouvirmos do quão importante é a leitura e o estudo da palavra. Mas não podemos fugir de encarar uma pergunta: o que motiva meu desejo pelo conhecimento? Qual o real combustível da minha fome por sabedoria?

Alinhar as nossas expectativas sobre o que é o conhecimento e a sabedoria que o Senhor nos convida é primordial para mantermos o coração no lugar correto. O que eu espero como fruto desse conhecimento ou o que quero que ele produza em mim certamente revelará muito da minha real intenção.

A SABEDORIA DO MUNDO

Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia. (1 Coríntios 3:19)

Quando Paulo faz tal afirmação já seria de se esperar que o que Deus define como sabedoria não seria algo óbvio para nós. Pelo contrário, é confuso e até mesmo contrário à nossa própria definição.

Tenho a constante impressão que buscamos aprender e conhecer para sermos independentes. Educamos as nossas crianças a aprenderem a fazer coisas sozinhas como tomar banho, comer, estudar, para que não precisem outrora de seus cuidadores. E sempre aplaudimos quando elas são capazes de fazer coisas sozinhas.

Inconscientemente projetamos essa dinâmica na caminhada cristã. Nosso movimento revela que precisamos aprender logo a como sermos cristãos perfeitos com o proposito de não precisar mais do Senhor para viver. A sensação de “para de perturbar Deus” com nossa incapacidade.

SEMELHANTES A ADÃO

Enquanto Deus desmascarava e trazia consciência ao meu coração sobre a dinâmica que eu estava seguindo, constrangedoramente, me lembrei de Adão e Eva no Gênesis. Atente-se ao convite da serpente convencendo Eva de comer do fruto proibido:

Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis.
Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. (Gênesis 3:4-6)

O desejo e a tentação de ser como Deus, autor da história, ainda hoje nos persegue. De forma camuflada, acreditamos que obter conhecimento (mesmo que de Deus), nos coloca mais perto da cabine de comando e governo da nossa existência. Sejamos sinceros, estamos prontos e ansiosos para dar nosso grito de independência. E talvez acreditamos que a semelhança de como quando éramos crianças seremos aplaudidos por Deus por termos feito as coisas sozinhos.

O PLANO DE DEUS

Porém, esquecemos que o desejo e o plano primário de Deus é comunhão. É que vivamos para sua glória. E viver para a sua glória envolve que tudo que fazemos, absolutamente tudo, deve voltar em mérito e gloria para ele. E só a jornada de dependência nele, e consciência que vivemos, nos movemos e existimos (At 17:28) por meio dele lhe rende tal glória (At 17:28).

Para Adão, Deus ia lhe mostrando e dizendo a cada passo sobre o bem e o mal. Depois da queda Adão passa a decretar e categorizar por si mesmo o certo e o errado. Sentiu vergonha do que Deus não se envergonhava, se escondeu quando deveria ser encontrado, teve medo do que antes não era assustador.

QUAL O FRUTO DO CONHECIMENTO E SABEDORIA EM DEUS?

Então afinal, qual é o fruto do conhecimento e sabedoria em Deus? Posso dar alguns nomes: pobreza de espirito, humildade, mas aqui quero usar a palavra dependência.

Quanto mais acessamos o autoconhecimento e entendemos o conhecimento acerca dos processos da vida e do ser humano, o natural é crescermos em consciência da lacuna que há em nós, da limitação e a da ausência de poder em nós mesmo para própria salvação e santificação. E quanto mais conhecimento de Deus, consciência de sua grandeza e soberania, mas certeza deveria vir que Ele deve ter toda preeminência em nossas vidas. O resultado desses insigths devem ser sempre um gemido de “eu preciso de Deus.”

A sabedoria que Deus está disposto a dar a todos os que lhe pedem é a sabedoria que nos une a Ele.

VIVER SABIAMENTE

Viver sabiamente é viver no temor do Senhor (Prov 9:10.) Aliançados em relacionamento e não em um jugo de regras e fórmulas de como viver a vida de maneira que compre nosso lugar na eternidade. A maneira de Deus de trilharmos essa jornada chamada vida, é pela estrada da dependência. Sim, nem sempre é confortável para nosso ego ansioso.

Porém a intenção Dele é caminhar cada passo do viver em relacionamento. Ele não quer nos dar a fórmula da vida ideal. Ele é a vida, a jornada, o caminho. Ele jamais vai nos entregar a chave para existirmos à parte Dele, porque simplesmente não existe essa possibilidade. Tudo foi criado por ele, existe Nele e é sustentado por ele. O máximo que fazemos é passarmos a vida lutando e negando essa verdade, ofendidos com sua Soberania.

Hoje, te convido a avaliar os frutos do seu conhecimento. Considere, e se a medida que você alcança o que chamamos de maturidade você precisa menos de Deus, reavalie que tipo de sabedoria você tem absorvido.Todavia, se a medida que você cresce em conhecimento mais necessidade de Deus você sente, permaneça. Esse é o caminho!

Escrito por: Gabriella Conde – facilitadora Fhop School

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário