Os bastidores da missão

Quando se fala da vida em missão, a primeira coisa que se passa pela nossa cabeça é a imagem pré-concebida do missionário transcultural que adentra um outro país, uma outra cultura e outra língua para ali, levar o evangelho. Realmente, essa era a minha visão antes do Senhor compartilhar ao meu coração o desejo de dedicar um tempo da minha vida em um treinamento missionário. Porém, desde então, minha visão foi completamente ampliada e muitas chaves foram viradas sobre essa imagem.

 

Entendendo o chamado à missão

Eu tinha acabado de me formar em Letras, e estava desbravando o mercado de trabalho. Paralelamente, estava em um processo de conversão, me aprofundando no conhecimento de Deus pela Palavra e na vida em comunidade. Depois de quatro anos sem orar e ler a Bíblia direito, estava completamente apaixonada por Jesus e não conseguia pensar ou falar de outra coisa.

Enquanto me capacitava e tentava, sem sucesso, encontrar trabalhos no mercado editorial, também pesquisava por escolas e treinamentos missionários que eu pudesse fazer nas férias ou algo parecido. Na mesma época, conheci o movimento de oração e o que a FHOP estava fazendo em Florianópolis. Além disso, foi quando conheci o Intensivo Fascinação.

 

Por trás das cortinas

Alguns anos depois, me inscrevi para a escola, que estava oferecendo vagas para bolsistas. Inclusive, uma das vagas era justamente para servir no departamento editorial da FHOP, com tradução, revisão e produção de texto. Eu pensava estar me inscrevendo para viver um tempo de treinamento missionário para o campo transcultural. Porém, o Senhor me mostrou que Ele usaria esse tempo para também afirmar minhas habilidades e me capacitar como profissional. Nesse período de Fascinação, o Senhor também me fez entender mais claramente o papel do intercessor na Grande Comissão e como tudo começa com a intercessão, principalmente em nossos próprios corações.

Hoje, já se se completaram quase dois anos que estou servindo como missionária em tempo integral. Tenho dividido meu tempo entre a sala de oração e o escritório do departamento. Durante esse período, aprendi que para a missão continuar, seja ela qual for, é preciso de pessoas nos bastidores. É preciso pessoas nos escritórios, fazendo ligações, mandando e-mails e fazendo reuniões. Há uma parte mais administrativa da missão que é necessária para que a base missionária funcione e, basicamente, exista. Todos esses trabalhos colaboram para a missão da mesma forma e eles tocam as pessoas e as nações, indiretamente. 

 

Todos podemos fazer parte da missão

Talvez você não se sinta chamado para estar desbravando outro continente, outra língua e plantando igrejas onde ainda não existem. Mas você pode colaborar com a missão do Senhor. Primeiramente, a partir de onde você já está e também com a sua profissão e as suas habilidades. Por exemplo, você pode ser aquele que irá ajudar uma base missionária a melhorar a sua logística, a se organizar financeiramente ou a divulgar os trabalhos feitos e captar recursos. Talvez, em estações diferentes de nossas vidas, seremos um ou o outro. O importante é saber que há outras possibilidades de fazer missão além daquela imagem pré-concebida. Dito isso, as possibilidades são muitas quando o desejo é servir. Afinal, a missão é feita daqueles que estão no campo, na linha de frente, e daqueles que estão na base, ajudando a preparar, capacitar e enviar. 

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário