Há muito tempo, mas não muito distante da nossa realidade, existiu uma mulher que deu tudo de si para viver os sonhos de Deus. Ela se chamava Marie Dentirère, mas poderia facilmente ser reconhecida como “filha ousada e corajosa”. Era assim que Deus a chamava todos os dias.

Marie nasceu em uma cidadezinha nobre conhecida como Flandres, localizada na Bélgica, no ano de 1495. Poderia ter sido mais uma mulher que nasceu naquele dia, mas a sua vida foi de pura dedicação à palavra do Senhor.

Essa corajosa mulher de Deus já foi católica, freira e por isso, passou boa parte de sua vida em um convento agostiniano. Apaixonada por literatura, Marie tinha livre acesso às bibliotecas o que a fez descobrir alguns escritos de Martinho Lutero, convertendo-se à Reforma Luterana em 1524.

Uma vida nada ordinária

Quando se converteu à Reforma Luterana, Marie abandonou o convento que ela morava e fugiu para Estrasburgo. Um lugar de encontro dos protestantes franceses, e de outros protestantes que também eram perseguidos em suas respectivas nações. Marie ficou durante quatro anos em Estrasburgo com o seu amigo Guilherme Farel, um dos líderes da Reforma Protestante, acompanhando-o nas evangelizações.

Em 1528, casou-se com o ex-padre Simon Robert com quem teve dois filhos. Após cinco anos de casamento, Marie perdeu o seu esposo. Ela casou novamente com Antoniere Froement, um jovem pregador da palavra de Deus.

Após se mudar para Genebra em 1535, Marie se tornou a primeira mulher teóloga na Reforma. Onde também enfrentou fortes oposições do Duque de Saboia. E diversas outras oposições vindas de diferentes líderes católicos que não possibilitavam publicações escritas por mulheres.

Vivendo à luz da verdade

Mesmo sendo uma mulher que amava a Deus de todo o seu coração e viveu João 8:32 conhecendo a verdade que liberta, Marie não ficou livre de dificuldades  e perseguições, muito pelo contrário, as coisas em sua vida se intensificaram todas as vezes que ela se posicionava.

Marie Dentière escolheu ser a mulher que levantava a coroa de outras mulheres. Ela sempre encorajou suas irmãs em Cristo a não perderem sua fé. E nem terem medo de serem rejeitadas por pregarem a palavra de Deus. Ela escreveu um prefácio para o sermão de Calvino sobre as vestes das mulheres e como elas deveriam guardar a sua santidade. Esse sermão foi impresso, porém confiscado pelo governo de Genebra e o gráfico responsável por sua impressão foi preso.

Em uma visita ao convento de Jussy, numa ida para tentá-lo converter à Reforma, ela professou uma das mais fortes declarações sobre a sua fé: “Passei muito tempo na escuridão da hipocrisia. Mas somente Deus foi capaz de fazer-me enxergar minha condição e conduzir-me à luz verdadeira”.

Uma grande encorajadora

Em sua carta de Defesa das Mulheres, Marie escreveu uma carta para a rainha Marguerite de Navarra, fazendo um apelo para que ela intercedesse junto ao seu irmão e Rei da França, para que a divisão entre homens e mulheres fosse eliminada, pois elas também recebiam revelações que não podiam ficar apenas em secreto.

Marie em todo momento foi perseguida e caluniada, mas nunca deixou de fixar os seus olhos no Autor e consumador de sua fé. A história dela talvez não seja tão diferente da que você vive hoje. Possivelmente você se vê na posição de Marie, e tudo que Deus precisa é de mulheres como você. Mulheres que estão dispostas a não largar a mão de seu Pai. Corajosas para viverem distintas dos que são maioria e viverem à luz da Bíblia.

Em uma era de comparações e pressões, escolha ouvir as verdades de Deus sobre você. Acredite que você nasceu uma mulher pronta para vencer. Ter ousadia para proclamar o Reino. Corajosa o suficiente para viver uma realidade de entrega. Deus te fez a imagem e semelhança dEle, por isso, viva nessa plenitude.

Imagine se empoderar das verdades contidas em Deus sobre você. Silencie os ruídos e as palavras contraditórias. Ouça apenas o comando do seu Pai te guiando para uma jornada de aventuras e sem medo ao lado dEle.

Deixe uma resposta

×

Carrinho