Permanecendo em pé

“Nesse momento alguns conselheiros e astrólogos se aproximaram do rei Nabucodonosor, e denunciaram os judeus, alegando: “Ó rei, vive eternamente!” Tu decretaste que todo homem que ouvisse o aviso emitido pelo som da corneta, da flauta, da harpa, da cítara, do saltério, da flauta dupla, e de várias músicas executadas por muitos instrumentos, todos tocando juntos, deveria imediatamente prostrar-se em terra e adorar a grande estátua de ouro;e qualquer pessoa que não se prostrasse e adorasse seria lançada numa fornalha de fogo ardente. Contudo, há alguns homens judeus que tu nomeaste para zelar pelos negócios da província da Babilônia: Sadraque, Mesaque, Abede-Nego, que não fizeram caso de ti nem de tuas ordens, ó rei; não cultuam aos teus deuses, tampouco adoram a imagem de ouro que tu ergueste!” (Dn 3:8-12)

Acredito que todo cristão já ouviu falar sobre os três homens na fornalha. Se você não ouviu essa história na escola dominical provavelmente a ouviu no refrão de alguma canção. Mas quer saber algo que realmente me chama atenção na vida desses homens? É o quanto eles estavam comprometidos com o que acreditavam, não importando o quanto isso lhes custasse.

Que tal lembrarmos da origem deles? Hananias, Misael e Azarias foram levados cativos à Babilônia quando Jerusalém foi sitiada por Nabucodonosor, além de Daniel e outros jovens, como nos mostra os versos a seguir: 

“Mais tarde o rei ordenou a Aspenaz, seu mordomo e chefe dos oficiais da sua corte, que trouxesse alguns dos israelitas da família real e da nobrezaJovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus”. (Dn 1:3-4)

A questão é que podemos achar linda a história ou nos emocionarmos com as canções, mas estaríamos nós dispostos a irmos tão longe quanto esses homens? Permanecendo em pé enquanto muitos se prostram diante de injustiças, corrupção, idolatria, ventos de doutrinas e coisas como essas, capazes de nos levar a apostasia da fé?

Será que acreditamos no que pregamos a ponto de entregar por essa causa nossa própria cabeça? Ou ao menos acreditamos a ponto de nos tornarmos a prática dessa mensagem? Vejamos o que Paulo escreve para a igreja de Tessalônica:

“Porque o nosso evangelho não chegou a vós somente por meio de palavras, mas igualmente com poder, no Espírito Santo, e em plena certeza de fé. Sabeis muito bem como procedemos em vosso benefício quando estávamos convosco”. (I Ts 1:5).

O evangelho não consiste somente em palavras, o que dizemos acreditar requer ações e isso quase sempre exige sacrifício e renúncia. O que torna a palavra viva é a nossa morte.

Soa lhe familiar que alguns poucos homens eram fiéis em uma terra corrompida? Soa-lhe familiar o fato de muitos serem levados de Jerusalém para a Babilônia, porém se ouvir falar de apenas quatro deles? O que houve com os demais?

Essa pergunta também está sendo feita à nossa geração. Temos clamado por avivamento, mas ele vem acompanhado pelo martírio. Onde estão os homens e mulheres que não se dobram diante de uma cultura imoral e corrompida, mas que vivem de acordo com a cultura do céu? Aqueles que não estão se conformando com esse século, antes estão sendo transformados dia após dia pela renovação do entendimento, morrendo para si mesmos para manifestar a vida de Deus?  Aqueles que levam Jesus por onde passam, cuja vida exala o bom perfume de Cristo?

O mercado de trabalho em todas as suas esferas, o governo, as universidades…O mundo está clamando por homens corajosos como os da fornalha, que andam de acordo com o que acreditam e permanecem em pé, quer vivam, quer morram.

“E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará”. (Mc 8:34-35)

 

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário