Sabe aquele elefante no meio da sala? Aquele assunto que quando tocado pode deixar o ar mais rarefeito e pesado? Capaz de instigar a hostilidade ou defesas em algumas pessoas? O papel, a visão e a dinâmica da mulher no meio cristão e não cristão, é um desses assuntos. Homens falam “pisando em ovos” para não se expressarem de maneira que desagrade o sexo oposto. Mulheres, por outro lado, se armam mantendo a defensiva e esperando que alguém diga algo que as inferiorizam pelo seu gênero. 

Todavia, precisamos falar de algo superior a visões e interpretações sobre a feminilidade contemporânea e nossa própria opinião. 

E essa conversa é diretamente para nós, mulheres. Para encerrar esse mês, após termos passado por histórias de mulheres tão inspiradoras, resta a pergunta: 

O que ainda nos ofende com relação a quem somos? Qual realmente é o problema com o papel que Deus nos deu na história Dele?

Esse texto é um convite para sondar o coração, fazer as pazes com a forma como você foi criada e te chamar à liberdade de estar satisfeita com o olhar do Senhor 

É inegável que a mulher durante a história da humanidade tenha sido abusada, agredida, e diminuída – é realmente lamentável. Logo, isso causou um efeito rebote que nos traz o senso que precisamos nos defender, que seremos atacadas e não seremos vistas. Porém, alguns cenários bíblicos tem grande potencial de trazer paz sobre isso. 

 

O PONTO DE TENSÃO

Primeiramente vamos identificar qual o ponto de tensão nesse assunto. Quando se trata da visão sobre o que é a mulher, a Bíblia nos dá características como: ajudadora, virtuosa, maternal e auxiliadora. Foram as mulheres que mais apareceram abençoando o ministério de Jesus. Elas também são convidadas a submissão, enquanto são amadas e zeladas por seus maridos. As mulheres também foram as escolhidas para gerarem filhos, por causa disso uma mulher carregou Deus Filho em seu ventre, e as descrições ainda vão longe.

Porém, mesmo com uma longa lista de qualidades, ainda existem mulheres que se ofendem com o fato de não terem recebido os encargos e características que os homens têm. Ou seja, ofendem-se com o fato de que existe uma outra lista de caracteristicas que Deus decidiu distribuir ao sexo masculino. Mas nem A Bíblia e nem mesmo Deus, classifica essas características como superiores ou inferiores. Pelo contrário, são complementares, interdependentes e divinamente orquestradas.

 

O ORGULHO DA FEMINILIDADE FERIDA

Se analisarmos bem, a ofensa e a tensão podem surgir de um lugar de orgulho e prepotência em sermos auto suficientes e completas em nós mesmos. Mas, esse não é o plano e o padrão de Deus, nem para homens e nem para as mulheres. Nesse anseio, regredimos à tentação do Éden de querermos ser iguais a Deus. A frustração nasce da insatisfação de achar que Deus não nos criou suficientes e nem nos deu a melhor parte – isso é nitidamente uma mentira.

Em outras palavras, o que essa ofensa aponta é a crença prepotente que Deus errou. Pensar que  foi injusto e que faríamos melhor decisão se estivéssemos no lugar Dele. Atitude bem parecida com a que levou Eva comer o fruto e dar para Adão. 

O que nosso ego vazio e orgulhoso tem dificuldade de lidar é com a ideia de que exista algo melhor ou superior a nós. E como cristãs, devemos rejeitar essa tendência egóica que nos faz crer que para o nosso valor ser validado precisamos ser superiores.

Dessa forma, o principal problema que isso nos causa é o peso de termos que lutar por nós mesmas e sermos redentoras de nós mesmas. Isso não funciona!

 

JESUS E AS MULHERES

Frequentemente, vemos nos Novo Testamento as histórias dos encontros de Jesus com algumas mulheres.  E sabe o que não vemos em nenhum momento? Ele as inferiorizando, abusando ou oprimindo. Jesus é o homem perfeitamente de acordo com o plano original de masculinidade, tratando mulheres imperfeitas perfeitamente de acordo com o plano original de feminilidade. 

Jesus é amigo de mulheres das quais ele ama (como Marta e Maria). Ele dá lugar a Maria junto a Ele (Lc 10:42), o vemos defendendo uma mulher das más línguas (Jo 8:1-11). Como filho, provê  companhia para sua mãe na hora da cruz (Jo 19:26-27). Ressurreto, aparece primeiramente as mulheres e ainda as envia a proclamar boas novas (Jo 20:11-18). Jesus se emociona junto com a emoção delas (Jo 11:33), aponta seus erros para transformação (Jo 4), lhe cura de doenças femininas sem envergonhá-la – como a mulher do fluxo de sangue (Mc 8:28-34).

E sabe o que não acontece em nenhum desses episódios? Ele não milita em favor da valorização das mulheres, ele não justifica seus atos por estar agindo em favor de mulheres. Porque parece ser muito óbvio para ele a forma como ele as vê e como elas devem ser tratadas. Ele se encarrega de valorizá-las sem ter que superiorizá-las. Elas são únicas, pessoalmente especiais e dignas por causa de quem as criou. Ele não justifica o óbvio, apenas o vive e expressa seu lugar.

O OLHAR DE JESUS É SUFICIENTE?

Para combater a ofensa egoísta, o convite hoje é se satisfazer com o olhar do Senhor sobre você, mulher. Ele tem uma opinião tão doce e firme sobre a forma como ele  criou você. Que tal abrir mão do orgulho e do encargo de se auto afirmar e se satisfazer na suficiência do seu olhar? A opinião dele te basta? Paulo aprendeu sobre isso e descreve:

 

Pouco me importa ser julgado por vocês ou por qualquer tribunal humano; de fato, nem eu julgo a mim mesmo. Embora em nada minha consciência me acuse, nem por isso justifico a mim mesmo; o Senhor é quem me julga. 1 Coríntios 4:3,4

Nos episódios em que Maria é criticada por estar aos pés de Jesus ou ouvindo suas palavras (Lucas 10:39-42) ou lavando seus pés (João 12:3), ela não abre a boca para se defender. Seus críticos achavam que ali não era o lugar dela, ela deveria ir pra cozinha ajudar na refeição e também não deveria desperdiçar o perfume caro daquela maneira. Todavia, quem a defende é Cristo. E seu olhar e validação sobre ela é suficiente para que ela permaneça onde estava, sem se ofender com os que a criticavam.

VOCÊ NÃO PRECISA SER SUFICIENTE

O convite aqui não é uma negligência às lutas sociais contra feminicídios, abusos e opressões direcionados às mulheres. Isso é injustiça e o Senhor se compadece e luta contra isso. O chamado é para que se tratando do seu valor, você descanse no olhar daquele que te criou e se deleita em você. 

É um chamado para não mais lutar pela autopreservação do seu ego. É um encorajamento a desfazer amizade com a ofensa e fazer amizade com o plano de Deus para a forma como você foi criada.

Nosso valor e dignidade não estão em sermos mulheres ou homens, em sermos superiores ou inferiores, nosso valor consiste em Quem nos criou – homem ou mulher. É obra da Graça e não do nosso gênero. Não precisamos ser suficientes, porque Ele já é.

Este post tem um comentário

  1. Anne Almeida

    ótimo texto amei!

Deixe uma resposta