Vivendo uma vida de real adoração

Adoração não é apenas sobre as canções que cantamos, mas principalmente sobre a forma como vivemos. Você já deve ter ouvido falar que adoração é um estilo de vida e isso é realmente verdade.

Em Gênesis 22.1-10 lemos a história de Abraão e de como Deus o ordenou a ir a região de Moriá e que ali sacrificasse seu único filho Isaque como holocausto ao Senhor.  Foi nesse contexto que a palavra adorar apareceu pela primeira vez nas Escrituras.

“Disse ele a seus servos: Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o rapaz vamos até lá. Depois de adorarmos, voltaremos.” Gênesis 22.5

Kay Arthur e Bob e Diane Vereen no livro “Vivendo uma vida de real adoração”, destacam que: “A palavra hebraica para adoração é shachah. Significa prostrar-se ou abaixar-se. É um termo comumente usado, no Velho Testamento, para indicar quando alguém se aproxima de Deus, para venerá-Lo, para honrá-Lo. A palavra, em português, origina-se do termo latim “adoratio” e significa a ação de adorar. Adorar a Deus é respeitá-Lo e honrá-Lo por quem Ele é.”

Você sabe o que a Bíblia diz sobre este tema? Já parou para meditar sobre isso? Neste devocional vamos estudar sobre alguns aspectos da adoração e como podemos responder biblicamente a  essa questão.

Adoração verdadeira requer amor de todo o coração

“Nós amamos porque ele nos amou primeiro. 1 João 4:19

Quando pensamos em adoração, podemos imaginar milhares de pessoas com as mãos levantadas entoando hinos de louvor, choro, lágrimas e muito quebrantamento. Esses momentos de ajuntamento solene são especiais, mas é apenas parte do que podemos viver como adoradores. Antes de mais nada, adoração verdadeira requer amor de todo o coração. Não é isto que o primeiro mandamento exige? Amar a Deus sem limites?

“Escute, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Portanto, ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e com toda a sua força.” Deuteronômio 6:4,5

O teólogo Russell Shedd afirma que: “Sem o incentivo do amor por Deus, o culto não passa de palha, pura “casca”, isento de qualquer valor.” Forte isto, não é mesmo? Deus sonda e conhece o nosso coração e mais do que expressões externas, nossa adoração precisa ser baseada em amor verdadeiro e profundo onde o nosso coração se abre diante do Senhor.

 “Portanto, circuncidem o coração de vocês e deixem de ser teimosos.” Deuteronômio 10:16

“Rasguem o coração, e não as suas roupas. Convertam-se ao Senhor, seu Deus, porque ele é bondoso e compassivo, tardio em irar-se e grande em misericórdia…” Joel 2:13

Quando Cristo se revela a nós, somos invadidos por gratidão por causa da salvação que encontramos nele. Esse amor crescente progride ao ponto de nos concentrarmos cada dia mais em sua beleza. Começamos pouco a pouco a compreender a profundidade dos salmos e muitas das orações feitas pelo Rei Davi se tornam as nossas.

“Ó Deus, tu és o meu Deus; eu te busco ansiosamente. A minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta e sem água. Salmos 63:1

Adoração verdadeira requer obediência radical

O fim principal do homem é adorar a Deus e gozá-Lo para sempre. É imprescindível compreender que isso implica em obedecê-lo. Uma das coisas que mais me confrontam no evangelho é como posso afirmar amar ao Senhor se eu não estiver disposta a obedecer a sua Palavra? A honrá-lo com a minha vida e as minhas decisões?

Não significa que não iremos cometer pecados, mas isso será apenas um acidente de percurso, não uma prática corriqueira em nossas vidas. “Jesus respondeu: — Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e o meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada.” João 14:23

Muitos irmãos nos inspiram pela obediência radical de suas vidas. Estão dispostos a enfrentar as maiores renúncias para viver para a glória de Deus. É o caso do general William Booth, por exemplo. O fundador do Exército da Salvação contou o segredo do seu “sucesso”, leia o que ele escreveu:

“Deus tem se apoderado de tudo que há em mim. Podem ter havido homens com maiores oportunidades, mas desde o dia em que os pobres de Londres dominaram meu coração e ganhei uma visão daquilo que Jesus Cristo podia fazer, determinei que Deus teria tudo o que houvesse em William Booth. Se há algum poder no Exército da Salvação, hoje, é porque Deus tem recebido toda adoração do meu coração, todo o poder da minha vontade e toda influência da minha vida.”

Isto é o que chamamos de adoração como estilo de vida. Não importa o tamanho dos desafios ou os medos que carregamos estamos totalmente disponíveis para dizer a Jesus: “Sim Senhor! Pode falar, estou ouvindo!”

Real adoração requer amor integral

Não basta amarmos a Deus de todo o coração, nossa mente e nossa força também devem estar voltados para o mesmo objetivo. *“Dianoia em grego significa a capacidade de pensar e refletir religiosamente”. Já “ (ischuos – força) implica em o corpo físico desenvolver sua capacidade, talento e força de ação.”

“Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e com toda a sua força.” Marcos 12:30

Adoração deve ocupar a mente e os nossos valores devem concordar com os valores de Deus. Além disso, adoração não é um ato separado do corpo, representa gastar a vida e a energia em expressões de lealdade ao Senhor com tudo o que temos e somos.

Todos os nossos “amores”, sejam eles: familiares, amigos, coisas e desejos próprios, têm que estar subordinados ao nosso afeto por Deus.

“Assim, pois, qualquer um de vocês que não renuncia a tudo o que tem não pode ser meu discípulo.” Lucas 14:33

Conclusão – Deus conhece o nosso coração

Cultuar com expressões externas, mas sem amor, pode até impressionar a homens, porém  não engana a Deus. Como descrito no Salmo 139, não há um lugar para onde fugir da presença de Deus e antes mesmo que a palavra nos chegue à boca, o Senhor já sabe o que vamos falar. 

Adoração não tem que ser fruto de partes de nós, mas de todo o nosso ser (coração, mente e força). Ela  não tem que acontecer apenas no culto de domingo ou nos ajuntamentos solenes, mas em nosso dia a dia, na casa, na rua e em tudo o que fizermos. 

 

fontes

Vivendo uma vida de real adoração – Kay Arthur e Bob e Diane Vereen

*Adoração Bíblica – Dr. Russell P. Shedd

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário