O tema da celebração e das festas de casamento é recorrente não apenas nos evangelhos, mas especificamente nas parábolas contadas por Jesus. Em uma delas, Jesus conta uma história a respeito do casamento do filho de um rei, descrito em Mateus 22:1-14, que é muito conhecida como “A parábola do casamento”.

É essencial percebermos sempre o contexto em que cada parábola é contada, pois isso nos auxilia na compreensão da mensagem. Nessa passagem Jesus estava em meio a um diálogo com os sacerdotes e fariseus no templo. No capítulo 21, nesse mesmo contexto, Ele já havia contado outras duas parábolas: a do pai que tinha dois filhos e a do proprietário de terras que plantou uma vinha (Mateus 21:28-46). Os líderes religiosos ouvindo a explicação de Jesus acerca dessas parábolas já haviam entendido que falava deles e a essa altura já buscavam prendê-Lo (Mateus 21:46), ofendidos por Seus ensinamentos. Ler, em conjunto, os capítulos 21 e 22 de Mateus nos ajuda a perceber de forma mais clara e ampla o que Jesus estava ensinando.

Enquanto as multidões o seguiam, os cegos e mancos eram curados, muitos o cercavam e o aclamavam, porém os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei questionavam a sua autoridade. É nesse cenário que Jesus segue falando e apresenta a parábola do Casamento.

A parábola do casamento

Essa narrativa de Jesus fala a respeito da festa que um rei planejou em honra ao filho, por causa do seu casamento. Entretanto, a história nos conta que os convidados se recusaram a participar da celebração. É importante perceber que aqui Jesus fala de casamento em um contexto judaico que é diferente do casamento como conhecemos em nossa cultura. Naquele contexto o casamento acontece em três fases: a promessa (firmado entre os pais dos noivos mediante um contrato), o noivado (promessa pública e troca de presentes entre os noivos, a partir daí o casamento só seria desfeito mediante divórcio) e a festa nupcial (é a celebração do casamento, que poderia acontecer até 1 ano após o noivado, podendo durar vários dias).

A parábola trata do anúncio de que tudo estava pronto para a terceira fase do casamento, a festa começaria em breve. Da parte do rei, tudo estava preparado e não havia empecilhos. Agora imagine recusar-se a comparecer à festa de casamento do príncipe! Um convite de grande honra e um banquete certamente abundante para uma das festas mais
importantes de um reino. É inclusive estranho tentar entender alguém que recusaria um convite para um banquete como esse.

A atitude do rei

O rei certamente teria pleno poder para obrigar os convidados a se fazerem presentes, mas é interessante perceber que nessa parábola, não é assim que o soberano age. O filho do rei recebe honra através da presença daqueles que aceitam o convite. O rei então, envia os servos pelos caminhos e esquinas a convidar e trazer todos aqueles que fossem encontrados, bons e maus, já que os primeiros convidados não eram dignos de participar da festa (Mateus 22:8).

A virada quase irônica da parábola está em que aqueles primeiros convidados que aparentemente honrados foram considerados indignos pelo rei e então são convidados para a festa todos aqueles que estavam pelo caminho. A última parte da parábola conta que em meio aos convidados, o Rei encontra alguém que não estava vestido adequadamente (Mateus 22:12) e ele então é colocado para fora. Com isto acontece algo muito semelhante ao que é relatado sobre as virgens imprudentes na parábola de Mateus 25; por não estarem adequadamente preparados, ambos são impedidos de participar das bodas.

O que a parábola ensina

Jesus já possui glória eterna em seu ser divino junto ao Pai, como criador e sustentador de todas as coisas, por que então o Pai deseja honrar o Filho? Essa é uma celebração para que seja dada honra ao Filho em Sua posição como Salvador. A honra da festa das bodas é celebrada por Sua gloriosa posição no relacionamento e união com Sua Igreja,
como seu Noivo e Redentor. Jesus se oferece ao lugar de Redentor, através da encarnação fazendo-se o Noivo, que se unirá a Sua amada Igreja. Sua encarnação, morte de ressureição são semelhantes à promessa pública do noivado judaico, todos sabem que haverá um casamento. As Bodas do Cordeiro celebram a consumação dessa promessa, o resultado último da obediência do Filho (Filipenses 2:9).

Como não aceitariam um convite de tamanha honra? Como não iriam se alegrar quando o grande Senhor dos senhores encarna como homem e aceita redimir a humanidade da ruína causada pela Queda? Mas a insensatez do coração humano é tamanha que não percebe a honra que lhe foi estendida, para o maior e mais aguardado evento do Reino eterno. Tamanha é a generosidade do convite feito, que nada é exigido dos convidados senão a disposição em comparecer. A festa já está preparada, o banquete já está pronto, o generoso Rei já providenciou cada detalhe.

Segundo Spurgeon:

“Vocês podem e devem vir tal como estão neste momento ao banquete do evangelho; e o único traje de convidado nupcial necessário, nesse caso, é gentilmente e gratuitamente providenciado pelo rei para vocês”.

Um entendimento obscurecido rejeita a bondade do Rei divino distraindo-se com ocupações menores e desprezando o Seu generoso convite. A oportunidade é então estendida àqueles que sequer se imaginariam dignos. A analogia dessa parábola é reafirmada no texto de João 1:11-12 ao dizer que o Filho veio para os que eram seus, mas eles não o receberam, então o convite é estendido a todos quanto o receberam. Pois é desejo do Rei que as Bodas de Seu Filho sejam uma grandiosa festa e que Ele receba a honra de todos aqueles que humildemente aceitam o convite.

A narrativa do casamento do Filho, ou das Bodas do Cordeiro será novamente encontrada, não mais em forma de parábola, mas agora como visão em Apocalipse 19:9 em que João nos lembra “Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro”.

A questão é, será que entendemos o quão importante é o convite que nos foi feito? Daremos atenção ao mensageiro e responderemos ao convite, ou estaremos distraídos, tão absorvidos em nossas próprias rotinas, considerando nossos afazeres tão importantes que menosprezamos a honra que nos foi estendida?

Semelhança com outras parábolas

Existem algumas semelhanças entre a parábola do Casamento e outras que falam desse tema da preparação, especialmente a das Dez Virgens em Mateus 25.1-13. As pessoas não entendem o significado daquilo à que são convidadas a participar, por isso não respondem de forma apropriada e são excluídas. Ainda que haja uma grande distância temporal e cultural entre o contexto no qual Jesus falou e o nosso, e mesmo que a parábola tenha sido originalmente dirigida a líderes judeus, percebemos que a mesma mensagem encontra sentido em nossa realidade. Vivemos em um capítulo da existência humana entre a redenção conquistada na Cruz – a promessa firmada no madeiro de que haverá um casamento – e a consumação aguardada que será completa Naquele Dia, com o retorno do Noivo para as Bodas do Cordeiro.

Conhecemos o convite que nos foi feito, mas enquanto aguardamos nos envolvemos com tantas coisas; perceba o quanto é possível que não entendamos em plenitude o privilégio da mensagem do Evangelho e a grandeza daquilo a que somos convidados. Que sejamos encontrados preparados e com corações aguardando ansiosamente pelo anúncio “tudo já pronto; vinde às bodas” (Mateus 22:4).

Leia mais sobre as parábolas bíblicas clicando aqui.

Deixe uma resposta