Eu tenho um testemunho de cura para contar

Em 2017, descobri um nódulo no meu seio esquerdo. Após uma visita ao médico, recebi encaminhamentos para exames de mamografia e ultrassonografia, que apontaram a chance de 95% de câncer de mama. Após a biópsia, o diagnóstico: carcinoma ductal invasivo, grau 1.

Em janeiro de 2018 dei início ao tratamento. O protocolo pedia 20 sessões de quimioterapia – de dois tipos diferentes. Iniciei as primeiras sessões em intervalos de 21 dias. Tive efeitos colaterais fortíssimos, sem alteração, porém, no tamanho do tumor. 

Me lembro de uma noite em que estava me sentindo mal, com dor o suficiente para não conseguir dormir. Eu orei para que o Senhor tirasse a dor, ou que simplesmente me ajudasse a dormir, e, instantaneamente pude ouvi-Lo dizer: “Deite-se com a barriga para cima”. Logo após, adormeci. Acordei na manhã seguinte sem nenhuma dor. 

O tratamento

Iniciamos um novo tipo de químio em um intervalo menor e com efeitos colaterais mais amenos, contudo, após oito sessões, a lesão continuava medindo os mesmos seis centímetros. Meus médicos decidiram, então, antecipar minha cirurgia, pois o tumor não estava reagindo positivamente à nenhuma das quimioterapias aplicadas. Durante a consulta com o cirurgião, uma semana antes da cirurgia, fui informada que seria necessário fazer um um segundo corte, próximo ao abdômen, para cobrir completamente a área onde seria retirado o tumor. 

Durante todo o tratamento, minha família, meus amigos e minha igreja estavam em oração. Pois, eu realmente não gostaria que fosse feito nada além do necessário, e por mais esse motivo, orei ao Senhor. 

A caminho do milagre

Quando retornei ao hospital, no dia da cirurgia, enquanto a região a ser operada estava sendo demarcada, o cirurgião me olhou e disse: “Parece que não será mais necessário fazer um segundo corte, pois o tumor diminuiu um pouco!” Ou seja, o tumor que não havia reduzido nem mesmo um centímetro durante oito meses de quimioterapia, mas reduziu o suficiente para que nenhum corte fosse feito além do necessário.

Logo após o período de recuperação da cirurgia, seguimos com a quimioterapia, agora com um terceiro medicamento. Isso era necessário para completar o ciclo de quimioterapia e serviria também como prevenção, já que alguns linfonodos axilares retirados durante a cirurgia haviam sofrido metástase.

Ouvi minha médica dizer que eu teria fortes efeitos colaterais e de fato, conheci pacientes que tiveram alguns efeitos fortíssimos com o uso do mesmo medicamento. Porém, estávamos orando incansavelmente por cura e para manifestação de sinais e maravilhas, e foi exatamente isso que experimentei! Tomando 2.500 mg de remédio por dia, não sofri efeito colateral algum, apenas o aumento da sensibilidade ao frio, isto é, um casaco era suficiente para aplacar minha reação ao remédio. 

Experimentando a bondade de Deus

Esses foram apenas alguns milagres que Deus fez durante o percurso. Durante todo esse período de um ano e seis meses em que estive em tratamento contra um câncer, pude provar a bondade, a misericórdia e a fidelidade do Senhor em níveis que jamais havia experimentado. Fui tocada através do profundo amor demonstrado por minha família, amigos e igreja. Durante o tratamento, como missionária na fhop, eu fazia parte de um time de oração e adoração. Em muitos turnos de intercessão, oraram por mim. Pessoas, próximas ou não, oravam cheias de fé. Eu tenho certeza que experimentei as respostas dessas orações.

Com convicção, posso dizer que mesmo nos vales, Deus também está, e por isso, não precisamos temer mal algum. Eu provei e vi que o Senhor é bom!

Roberta Santana – missionária intercessora e facilitadora da Fhop School

TALVEZ VOCÊ GOSTE TAMBÉM

Deixe um comentário