Aquele que não receber o Reino de Deus como uma criança, jamais terá acesso a ele. Essas são palavras do próprio Cristo Filho de Deus. E o que podemos dizer sobre isso? Jesus tem muito a nos ensinar a respeito de que tipo de coração devemos ter. E não são apenas as suas palavras nos dizendo o que fazer, mas a sua própria vida nos mostrando como devemos viver a nossa.

Quando paramos para observar os passos de Jesus na terra, podemos ver que Ele não seguia a lógica deste mundo. Mas Ele sempre nos desafiou a olharmos as coisas pela perspectiva do céu. Os valores do reino são tão diferentes dos conceitos terrestres. Por isso é tão importante aprendermos a transformarmos pela renovação da nossa mente e não nos conformarmos com este século.

Jesus valorizava os relacionamentos e as pessoas. Até mesmo aquelas pessoas que não eram valorizadas em sua própria cultura e tempo, como por exemplo, as mulheres e crianças. Os discípulos possuíam muitas das características dos rabinos e mesmo andando com Jesus por tanto tempo eles ainda não tinham a mesma compaixão que o mestre. Por isso muitas vezes deixaram de agir com amor, misericórdia, graça e bondade para com as pessoas ao seu redor. Mas Jesus sabia que a multidão sentia fome e Ele sempre escolheu alimentar a multidão.

A Bíblia nos conta a história de que um dia crianças foram trazidas diante de Jesus. Imaginem que provavelmente seus pais ou familiares também gostariam que elas fossem tocadas pelo Mestre. Que elas fossem abençoadas pelo Filho de Deus. Mas os discípulos não entenderam tal ação e se sentiram aborrecidos ao ponto de repreender aquelas pessoas. Os discípulos estavam a excluir as crianças, pois não queriam que elas O “importunassem”. Talvez eles até tivessem boas intenções, mas a verdade é que eles estavam sendo empecilhos na vida daquelas crianças. Eles estavam impedindo o acesso delas até Jesus.

Será que muitas vezes o tipo de evangelho que temos vivido também não tem sido um tanto distorcido? Quando impedimos as pessoas de terem acesso a Cristo, de serem tocadas pelo Mestre, de terem suas vidas transformadas e tenham o toque do Espírito Santo porque de alguma forma achamos que elas estão a perturbar nosso santo ambiente?

Mas Jesus nos ensina algo lindo e que tipo de coração devemos ter para alcançar o Reino de Deus. Devemos receber o Reino como uma criança. Mas como seria isso? Isso não se trata de imaturidade ou de sermos infantilizados. Mas se trata de inocência, confiança, humildade e dependência do Pai. Ser como criança é ser aberta e receptível. É ter um coração simples e ternura para abraçar o reino com amor genuíno e leal.

É ter olhos abertos que olham tão profundamente e enxergar além do óbvio, pois enxergam com os olhos do espírito. Tem a alma invadida por fé e a mente transformada por Cristo dia a dia, e todos os dias crescemos um pouco mais e somos fortalecidos em nosso homem interior.

“E aconteceu que as pessoas traziam crianças para que Jesus lhes impusesse a mão, mas os discípulos repreendiam o povo. Todavia, quando Jesus notou o que se passava, ficou indignado e lhes advertiu: “Deixai vir a mim os pequeninos. Não os impeçais, pois deles é o Reino de Deus. Com toda a certeza vos asseguro: aquele que não receber o Reino de Deus como uma criança, jamais terá acesso a ele”. Em seguida, abraçou as crianças, impôs-lhes as mãos e as abençoou.” Marcos 10.13-16

Que sejamos como uma criança e tenhamos ternura em nosso coração, para com Deus e com o próximo. Que não sejamos empecilho e nem barreira para que outros possam encontrar a salvação em Cristo Jesus. Que sejamos as mãos abençoadoras de Jesus aqui na terra por mais desafiador que isso possa parecer.

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Atualmente dedica uma parte do seu tempo para ensinar artes para crianças em uma ONG em Florianópolis e outra parte do tempo para trabalhar com justiça social, com foco em tráfico humano. Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.
Fechar