Comprar pastillas para la erección - forcedrug.net!

comprar kamagra

comprar kamagra

Você sabia que Deus ama a justiça? Essa é uma realidade que precisa queimar em nós. Pois, como cristãos, também devemos amar o que Deus ama. Porém, é importante ressaltar que a justiça de Deus não é moldada segundo os parâmetros humanos. Ela não é egoísta e não está enraizada na vingança, que é justiça própria. É muito mais intensa e profunda, e sempre visa a restauração do relacionamento do homem com o Criador. A Bíblia afirma que justiça faz parte do caráter de Deus, isto é, de quem Ele É.

“Porquanto justo é o Senhor, e ama a justiça; os íntegros verão a sua face.” Salmos 11.7 

Sendo assim, tenho entendido que um dos nossos papéis como cristãos é clamar ao Senhor em favor de justiça. Amo esse tema e meu coração queima por aqueles que não tem voz. Em 2014 tive a oportunidade de fazer um treinamento na Base de Jovens Com Uma Missão – JOCUM Fortaleza, o Shine. Este é um Seminário à respeito de Justiça Social que marcou muito a minha vida. Vou compartilhar alguns princípios que tem marcado minha história.

Justiça Bíblica X Justiça Humana

A justiça bíblica segue os decretos de Deus e não os do mundo. Enquanto o mundo relativa o certo e errado, a Bíblia nos exorta a vivermos em integridade diante de Deus e dos homens. A Palavra confronta o pecado, que é a raiz da injustiça, e sempre pergunta: “O que Deus diz que é certo?”

No treinamento Shine, Andrew Fastone ressaltou que: “Não basta lutarmos por uma causa ou por aquilo que os homens entendem por justiça e sim aquilo que Deus diz que é reto.” Deus se levanta em favor do oprimido e cuida de quem não pode se cuidar.

“Feliz o homem que tem por ajudador o Deus de Jacó e, por esperança, o Senhor, seu Deus, que fez os céus e a terra o mar e tudo o que nele há, e que guarda fidelidade para sempre, que faz justiça aos oprimidos, que dá pão aos que tem fome! O Senhor e quem liberta os prisioneiros… dá vista aos cegos… ergue os combalidos… ama os justos… protege os migrantes ampara os órfãos e as viúvas, mas frustra os planos e as atitudes dos ímpios.” Salmos 146.5-10

Justiça não é igualdade

Ainda no Shine, Peter Thomas afirmou que: “Justiça não é igualdade, não promove direitos humanos, não nasce na casa da indignação e nem da ira. Justiça mera a vontade de Deus e não uma causa humana e seu único alvo é promover o Reino de Deus.”

Sendo assim, cabe-nos sondar o coração e refletirmos a respeito de nossas reais motivações em nos envolvermos em movimentos sociais. Longe de mim dizer que nada devemos fazer, mas precisamos ter nosso coração inundado da graça de Deus para não agirmos em rebelião. Temos carregado o coração de Deus ou apenas nos rebelado em indignação humana e pecaminosa?

“Ó ser humano! Ele já te revelou o que é bom; e o que Yahweh exige de ti senão apenas que pratiques a justiça, ames a misericórdia e a lealdade, e andes humildemente na companhia do teu Deus!” Miqueias 6.8 

Como justiça é estabelecida?

Quando adotamos o código de conduta de Deus, isto é, seu padrão moral, estamos estabelecendo justiça. A religião perfeita é cuidar dos órfãos e das viúvas como descrito em Tiago 1.27. 

Se Deus se importa, porque nós não deveríamos nos importar? Deus é o Pai do órfão e o juiz da viúva. E quem são os mais vulneráveis nos dias de hoje? Não são as crianças, mulheres e refugiados? Como podemos nos envolver e sermos resposta às nossas próprias orações por justiça? Devemos amar extravagantemente como Deus ama.

“Pai dos órfãos, Defensor das viúvas; eis o que é Deus na sua Santa morada. Aos rejeitados, Deus os recolhe em pátrio lar; faz os cativos serem libertos para a prosperidade…” Salmos 68.5-6

Cuidar daqueles que não podem se cuidar é uma atitude de amor. Jesus sempre teve ações práticas diante das necessidades das pessoas. Ele multiplicou o pão saciando a fome da multidão. Ele deu vista aos cegos e perdoou pecados. O trabalho era completo. Para Ele, o homem deve ser restaurado integralmente. Tudo isso é importante porque Deus ama a justiça.

Lembro-me da história de uma missionária que subia o morro no Rio de Janeiro para evangelizar. Um dia, ao retornar de uma visita a uma família com grande carência, ouviu do Senhor: “Nunca mais diga: Jesus te ama! Se não tiver pelo menos um prato de feijão para oferecer em meu nome.” Ela não apenas ficou confrontada com a pobreza daquela família, mas se sentiu desafiada a fazer algo prático quando fosse falar do amor de Deus para as pessoas. 

Fazendo nossa parte independentemente dos resultados

“Nós não fazemos boas obras para ir para o céu, mas queremos povoar os céus porque isso alegra o coração do Pai. Fazemos boas obras por amor a Deus.” Andrew Fastone

Sabemos que quando olhamos as injustiças no mundo podemos nos sentir muito pequenos diante do mal. Como se nossas mãos estivessem atadas e nada pudéssemos fazer. Independentes dos resultados, a verdade é que agimos porque essa é a vontade de Deus.

Apenas precisamos nos atentar em fazer aquilo que Ele nos convida a realizar, por mais simples e pequeno que isso possa parecer. Às vezes, isso é simplesmente fazer o bem a um vizinho, a um amigo, ou a alguém que nos peça ajuda. Outras vezes, é apenas perdoar e aparentemente perder algum tipo de questão. Lembrem-se que, quando fazemos aos homens, fazemos ao próprio Deus.

“Pois tive fome, e me deste de comer, tive sede, e me deste de beber; fui estrangeiro, e vós me acolhestes. Quando necessitei de roupa, vós me vestistes; estive enfermo, e vós me cuidaste; estive preso, e foste visitar-me. Então, os justos desejaram saber: Mas, Senhor! Quando foi que te encontramos com fome… Então o Rei, esclarecendo-lhes responderá: Com toda certeza vos asseguro que, sempre que fizestes para algum desses meus irmãos, mesmo que ao menor deles, a mim o fizeste.” Mateus 25.35-40 

Você também ama a justiça?

No texto de hoje pudemos aprender um pouco mais sobre o coração de Deus para justiça. Ela é mais intensa do que a dos homens e é fundamentada em amor. Esse também deve ser o nosso parâmetro independentemente dos resultados que podemos alcançar. Não somos chamados apenas para participar de movimentos sociais, mas à demonstrar o amor de Cristo de forma prática e em ação. Quando demonstramos o amor de Deus em ação aos vulneráveis, estamos amando o próprio Senhor e alegrando o seu coração. Quando fazemos aos homens, fazemos a Ele. 

Você também ama a justiça? Então, que tal você orar sobre isso e estabelecer algumas metas pessoais e práticas quanto a essas verdades aprendidas? Converse com um estrangeiro, descubra como ele se sente ao ter deixado sua pátria e como tem sido se adaptar em outra cultura? Como ele tem conseguido sobreviver a todas as mudanças? Ore por ele e pense em algo que aliviaria as dores e lhe geraria alegria. Mesmo que seja algo bem simples. Depois, não esqueça de nos contar como foi essa experiência e não pare por aí, amplie sempre seu horizonte.  

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

×

Carrinho